terça-feira, 14 de novembro de 2017

Já operando, estação meteorológica de Itaporanga leva ao mundo dados sobre nosso clima


Por Isaías Teixeira/Folha do Vale - Está operando desde a última sexta-feira, 3, uma estação meteorológica automática do campos do IFPB de Itaporanga, uma das oito em funcionamento na Paraíba. O equipamento disponibiliza dados meteorológicas de temperatura, umidade, pressão, ponto de orvalho, radiação solar, chuvas, direção e velocidade do vento, segundo informações do diretor do campus, professor Ridelson Farias.

A estação está instalada dentro do próprio IFPB de Itaporanga, em uma base física, numa área livre de obstruções naturais e prediais, situada em área gramada e cercada, segundo enfatiza Ridelson. Ele explica também que “Os sensores e demais instrumentos estão fixados em um mastro metálico de 10 metros de altura, aterrado eletricamente (malha de cobre) e protegido por pára-raios. Os aparelhos para as medições de chuva (pluviômetro) e de radiação solar, bem como a antena para a comunicação, ficam situados fora do mastro, mas dentro do cercado”.

Os dados estão disponíveis, em tempo real, no site do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), órgão federal vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e um dos parceiros do IFPB no projeto que viabilizou a estação, que custou 130 mil reais e foi financiada pelo Inmet e, majoritariamente, pela Organização Mundial de Meteorologia.

Qualquer pessoa da cidade ou de qualquer parte do mundo pode acessar os dados, bastando apenas clicar no http://www.inmet.gov.br e procurar o link Estações
Meteorólogicas. "A grande vantagem é que os dados são coletados, armazenados e enviados (para o Inmet) de forma automática, o que suprime a possibilidade de erros introduzidos no momento de coleta e de repassar os dados”, lembra Ridelson.

A estação meteorológica gera e disponibiliza informações precisas em tempo real sobre fenômenos atmosféricos no município, a exemplo do quantitativo de chuvas caídas, ventos, umidade e temperatura, informações úteis para a população, também para os estudos climáticos no semiárido e, principalmente, para o poder público definir projetos e ações governamentais, sobretudo para o campo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!