terça-feira, 26 de setembro de 2017

Eita! É Sexta. O Prima, na Câmara De Vereadores de Itaporanga

PENSE BOM DIA! Na Vida Mais Harmonia.
.....................................................................
Eita! É Sexta. O Prima, na Câmara De Vereadores de Itaporanga 
(Reynollds Augusto)
Sabe leitor, nós não sabemos, ainda, o que é música de verdade. Essa experimentação depende de maturidade interior. A maioria do que ouvimos é zoada, refletindo o nosso estado de desequilíbrio.
Há um estado coletivo de desequilíbrio que se reflete em todos os setores sociais. Mas, já foi pior e ninguém consegue deter a força do progresso. Podemos até embaraçá-la, como “menino encrenqueiro”, que quer o que não se pode, mas ele se desvencilha, pois é resultado de uma das leis de Deus. Dê uma espiada no capítulo 8, da Lei do Progresso, que vais entender leitor. Se avexe:
Sobram-nos algumas excelentes “Músicas Popular”, brasileiras, de autores e interprete que já partiram, mas deixaram o seu legado como TOM JOBIM e a grande ELIS REGINA. São musicas que nos causam sensações tremendas.
Infelizmente a geração atual não sabe o que é música de verdade, a música que interioriza, que pacifica, nos levando á felicidade. Apreciam um tal de “pancadão” que fere os ouvidos e dá pancadas na alma.
Outro dia, quando da apresentação do Prima, em um dos colégios de Itaporanga, eu ouvi uma garota, dizer que “isso é música de defunto”. Coitada! Não sabia ela que defunto o era. Tinha morrido para as belezas da vida, ou melhor, nem tinha nascido. Mas, é compreensível, somos, ainda, uma comunidade de espíritos atrasados. É o que se vê, mas já foi pior. Quando despertar, ela aprenderá o que é viver .
Eu, por exemplo, gosto de estudar ouvindo música clássica, o faço pela Rádio Mec. Um Espetáculo de audição.
Jorge Rizzini é um notável pesquisador. É, porque mesmo desencarnado continua vivo. Tem mais gente morto, “vivo”, do que possa imaginar. Alienado, desfocado, que não aprendeu a viver. Perambulam pela existência sofrendo as conseqüências dos seus desequilíbrios. De outra sorte há muita gente ajustada, que sabe a que veio. Como a vida segue, mesmo depois do decesso físico, o Rizzini continua produzindo e hoje melhor ainda.
Kardec, certa feita, perguntou aos imortais, na questão 251 de O LIVRO DOS ESPÍRITOS, se os espíritos são sensíveis á musica e a resposta foi magnífica:
“Aludes à música terrena? Que é ela comparada à música celeste? A esta harmonia de que nada na Terra vos pode dar idéia? Uma está para a outra como o canto do selvagem para uma doce melodia. Não obstante, Espíritos vulgares podem experimentar certo prazer em ouvir a vossa música, por lhes não ser dado ainda compreenderem outra mais sublime. A música possui infinitos encantos para os Espíritos, por terem eles muito desenvolvidas as qualidades sensitivas. Refiro-me à música celeste, que é tudo o que de mais belo e delicado pode a imaginação espiritual conceber.”
A nossa música instrumental aproxima-se, leitor, da música celeste. Sexta, dia 29, pelas 19 horas, na Câmara de Vereadores essa garotada, acordada,estará se apresentando.
Eu estarei lá, com o amor da minha vida, para viajar no mundo interior com o outro amor da minha vida , JULIANNA, que cada dia mais se aperfeiçoa na música clássica de qualidade. Se chorar, me perdoe, mas a emoção é força nas nossas vidas. “Cabra Macho” também chora.
Vale lembrar o grande MIRAMEZ, espírito que admiro pela sua coerência:
“ A música é uma arte sublimada cuja utilidade, mesmo o homem primitivo, passou a conhecer nos rudimentos da sua harmonia. A música do mundo se encontra distante da melodia celestial, entretanto está subindo na escala, para que no amanhã atinja a perfeição espiritual, fato constatado pela fração de luz que chegou como amostra da música divina, pelas interpretações dos mestres dessa arte, a chamada música clássica.”
Fique em casa não, leitor. É sexta, pelas 19 horas , na Câmara de Vereadores de Itaporanga e perdoe-me se eu chorar.Repito: “Cabra Macho” também chora.
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!