terça-feira, 29 de agosto de 2017

Segundo pesquisa, 41 por cento das brasileiras não sabem quando estão no período fértil

Disseminar a informação e a quebra de tabus ao corpo feminino contribui no autoexame e diagnóstico de doenças


e a sexualidade da mulher. Esse desconhecimento é pregado desde a Idade Média época em que a Igreja Católica associava o corpo feminino ao pecado praticado por Eva dando origem a todas as catástrofes do mundo.

O que ocorre é que obter o conhecimento do próprio corpo implica principalmente na saúde ginecológica feminina e na prevenção de doenças, visto que o câncer de colo de útero é o segundo tipo que mais atinge as mulheres no Brasil. De acordo com pesquisa recente realizada pelo portal de saúde e maternidade, Trocando Fraldas, através de uma enquete com 12 mil mulheres em todos os estados brasileiros, 41% das entrevistadas não sabem o que é o período fértil e quais são os sinais que o corpo emite nessa fase.

Para afirmar o despreparo feminino em relação ao próprio corpo, um estudo realizado pela psicóloga belga Goedele Liekens, aponta que 50% das mulheres confessam que a vagina é a parte do corpo que conhecem menos. A quebra de tabus sobre o corpo feminino e a
disseminação do conhecimento tem sido um dos desafios na área médica. Afinal, a informação e o autoexame são condutas que ajudam a diagnosticar possíveis problemas e levar a mulher a procurar ajuda médica.

Como as mulheres conhecem o corpo em vários estados brasileiros segundo a pesquisa do portal Trocando Fraldas
· Das 12 mil participantes, 41% não conheciam o conceito do período fértil;

· Entre as participantes da região Sul, 62% obtiveram conhecimento embasado sobre período fértil e sexualidade feminina;

· Na região Norte 53% das participantes obtinham dúvidas sobre o que é o período fértil e como a mulher pode reconhecer essa fase;

· Em Campo Grande, 47% das entrevistadas não sabem dizer quando estão ovulando ou propensas a engravidar;

Qual a importância de reconhecer o período fértil?

Reconhecer o período fértil e acompanhar com atenção as mudanças do ciclo do corpo feminino não se faz necessário apenas para evitar a gravidez ou usar do conhecimento para chegar a uma fecundação com sucesso. O estímulo autoconhecimento é de suma importância para saúde feminina, prevenção de doenças e até mesmo ao alcance de uma atividade sexual mais prazerosa. A fertilidade está associada não somente ao acompanhamento de um ciclo do corpo, sobretudo aos autocuidados, informação e consultas periódicas ao médico de sua confiança.

Vale do Piancó Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!