segunda-feira, 28 de agosto de 2017

DOENÇAS DO COLON. MENOS COLECISTECTOMIAS COM A ADOÇÃO DE DIETAS MEDITERRÂNEAS


A ingestão de alimentos ricos em fibras, como os encontrados na dieta mediterrânea, está ligada a um menor risco de colecistectomia, segundo um recente estudo francês. Comparados a pessoas que não seguiam um padrão de dieta mediterrânea, aqueles que aderiram a ela tiveram um risco significativamente menor de colecistectomia.

Shereen Lehman / portugues.medscape.com

"Descobrimos que uma maior ingestão de legumes, frutas, óleo vegetal e pão integral estava associada a uma redução no risco de colecistectomia, e um maior consumo de presunto estava associado a um aumento no risco da cirurgia," escreveram os autores de recente estudo no American Journal of Gastroenterology, em publicação on-line, no dia 25 de julho.

O novo estudo, liderado pela Dra. Amelie Barre, da University of Paris Sud,em Orsay, utilizou informações de quase 64 mil mulheres nascidas entre 1925 e 1950, que eram cobertas por um plano de seguro nacional. A cada dois anos, elas responderam perguntas sobre o próprio estado de saúde, histórico médico e estilo de vida.

Padrões dietéticos
Ao longo de 18 anos, 2.778 dessas mulheres contempladas pelo estudo tiveram a vesícula
biliar removida. As que ingeriam em sua maioria legumes, frutas, óleo vegetal e pão de grãos integrais tinham de 13% a 27% menos probabilidade de realizar colecistectomia quando comparadas às mulheres que consumiam menores quantidades desses alimentos.
Um padrão dietético ocidental – incluindo alto consumo de carne processada, peixes em conserva, ovos, arroz, macarrão, aperitivos, pizza, batatas, bolos e álcool – não estava associado a um maior ou menor risco para a cirurgia. Houve, no entanto, uma associação entre a ingestão de presunto e o risco de colecistectomia.

Mas quando os pesquisadores atribuíram um escore de dieta mediterrânea a todos os participantes, descobriram que as mulheres com maior pontuação apresentavam 11% menos chances de operar do que as mulheres com pontuação mais baixa.

Este tipo de estudo observacional não pode provar que uma dieta mediterrânea foi o motivo de um menor risco de colecistectomia nessas mulheres, ou que a ingestão de presunto causou maior risco. Além disso, as ingestões dietéticas foram autorrelatadas em apenas uma ocasião. Os relatos podem não ter sido precisos, e as dietas dessas mulheres podem ter mudado ao longo do tempo.

Ainda assim, a dieta de estilo mediterrâneo tem sido consistentemente associada a uma vida mais longa, disse o Dr. James Lewis, gastroenterologista da University of Pennsylvania, na Filadélfia, que não fez parte do estudo.

"Se as pessoas realmente querem pensar sobre o que deveriam estar comendo para aumentar a longevidade, é muito fácil para mim recomendar que tentem seguir uma dieta de estilo mediterrâneo", disse ele.

De fato, o U.S. Department of Agriculture recentemente recomendou que os americanos sigam uma dieta muito semelhante a uma alimentação de estilo mediterrâneo, observou Dr. Lewis. (http://bit.ly/2vHSL8h)

"Esta não é apenas uma das muitas razões pelas quais devemos seguir esse estilo de dieta. Se você olhar para a literatura publicada sobre padrões alimentares, o que verá é que a dieta de estilo mediterrâneo tem sido associada a uma redução na mortalidade geral, e também à redução de mortalidade cardiovascular (e) do risco de câncer", disse ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!