sexta-feira, 14 de julho de 2017

NOSSA PARÓQUIA, NOSSA HISTÓRIA - PARTE V


Só então em 1918, o Padre Joaquim Ludjero Pereira Diniz (Padre Diniz), vigário da Paróquia, deu seguimento aos serviços de construção da nova Matriz. Para tanto, foi auxiliado pelos excelentes dotes do Frei Martinho Frei Martinho Jansweid, frade franciscano alemão que chegou à Paraíba no ano de 1911, e que é o fundador da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em João Pessoa, no bairro de Jaguaribe. Frei Matinho convenceu o Padre Diniz a dar seguimento aos trabalhos dentro de uma nova planta que havia trazido da Alemanha. Os trabalhos foram executados mediante orientação do franciscano, tendo como mestre de obras o Sr. Sebastião Ferreira da Silva, homem entendido na arte e que já havia trabalhado anteriormente no Recife, sendo seu auxiliar o Sr. Luiz Leite Guimarães. Ainda sem torre, mas já feita à limpeza externa, lateral e interna, a nova Matriz foi sagrada pelo primeiro Bispo Diocesano de Cajazeiras, Dom Moisés Sizenando Coelho, em 15 de Novembro de 1923. Transferida a sede da Paróquia para a nova Matriz, a Igreja do Rosário voltou a ter seu nome de origem, qual seja, Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

A torre da igreja foi concluída em 1942, pelo Padre Manoel Firmino Pinheiro. O relógio, que ainda hoje orienta a vida paroquial, foi comprado em Juazeiro do Norte/CE, por por 17 contos de reis. Segundo Paulo Rainério Brasilino, o único itaporanguense que por muito tempo consertava o relógio era Edson Leite Guimarães (Ti Dissom), que, guiado por sua esposa, Dona Elisa, em razão da deficiência visual, era conduzido de sua residência, na Rua Marechal Deodoro da Fonseca (Beco do Fosco), até a escada que leva à torre da igreja, e de lá, ao relógio.

Sempre com designação permanente de Párocos, a Paróquia de Itaporanga registrou apenas poucos anos de vacância, quando estiveram respondendo interinamente os Párocos de Piancó e Princesa Isabel, alternadamente

Continua..

Livro de Tombo da Paróquia e livro “Se Essa Rua Fosse Minha”, de Paulo Rainério Brasilino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!