quinta-feira, 13 de julho de 2017

NOSSA PARÓQUIA, NOSSA HISTÓRIA - PARTE III


Pelas regras da então vigente Constituição do Império, outorgada por Dom Pedro I em 1824, vigorava a regra do Padroado, pelo qual o Estado e a Igreja tinham comunhão administrativa, de modo que os Bispos eram nomeados pelo Imperador e confirmados pelo Papa, e os padres eram qualificados analogamente como servidores públicos. Todo o território da Província da Paraíba fazia parte da Diocese de Olinda, cujo 17º Bispo, Dom João da Purificação Marques Perdigão (Português, nascido em Viana do Minho), nomeado em 1829 por Dom Pedro I, percorreu a cavalo, em cinco viagens pastorais, os sertões de sua Diocese, compreendida entre os atuais estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Em torno da capela fundada pelos desbravadores de Misericórdia começaram a surgir as primeiras moradias, prosperando de tal modo que, no dia 02 de agosto de 1859, era lido na Assembleia Provincial da Parahyba do Norte o ofício do Bispo de Olinda, Dom João da Purificação Marques Perdigão, comunicando o seu assentimento em elevar a capela de Nossa Senhora do Rosário de Misericórdia ao termo de Matriz, o que deu ensejo ao Presidente da Província, Luiz Antônio da Silva Nunes, em sancionar, no dia 11 de julho de 1860, a Lei Provincial nº 05, que criava a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição em Misericórdia.

Tal conquista se deu graças ao esforço pessoal do Padre Lourenço que, junto ao pároco de Piancó, Padre Manoel da Conceição Carvalho Rosas, atraiu a dedicação de todo o povo e de pessoas influentes da vila. Para se ter uma ideia, Cajazeiras, atual sede do Bispado, a cuja jurisdição está vinculada a Paróquia de Itaporanga, mesmo com a influência que tinha, por ser a terra do Padre Rolim, ao ponto de ser vista como o centro da cultura paraibana naquela época, tornou-se paróquia apenas um ano antes de Itaporanga. Percebe-se, por assim dizer, que o Padre Lourenço tinha certa influência dada pelo povo naquela época, de modo a viabilizar tamanho acontecimento. Foi como que um reconhecimento do muito trabalho por ele realizado. Em sua homenagem, por conseguinte, ainda há em Itaporanga, em frente à Igreja do Rosário, uma larga e imponente avenida denominada Padre Lourenço.

Continua...

Livro de Tombo da Paróquia e livro “Se Essa Rua Fosse Minha”, de Paulo Rainério Brasilino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!