quarta-feira, 5 de julho de 2017

Mãe da Vila faz apelo à Prefeitura de Itaporanga para que devolva sua única renda

Por Isaías Teixeira/Folha do Vale - A jovem dona de casa Mayara Inácio de Souza Mariano, de 22 anos, residente na Vila Mocó, um dos bairros mais pobres de Itaporanga, procurou a redação da Folha na manhã desta quarta-feira, 5, para queixar-se que o seu cartão do programa Bolsa-Família foi bloqueado injustamente há nove meses, ficando sem a única renda fixa que tinha para cuidar da filha pequena.
         
Durante esse período, ela conta que foi à Secretaria Municipal de Assistência Social várias vezes para saber o motivo do bloqueio, mas é orientada a ir sacar o benefício sob o argumento de que sua situação está regular, só que “eu todo mês vou tirar o dinheiro na Caixa e ele não sai; é uma humilhação muito grande”, afirmou a mulher.
         
Depois que entrou em contato com a Caixa Econômica Federal (CEF), agente operadora financeira do programa, Mayara não tem dúvidas de que o problema está na secretaria, que é a gestora do Bolsa-Família no município. “Eles (CEF) me mandaram procurar a Prefeitura, mas, sempre quando chego na Secretaria de Assistência Social, eles me mandam sacar o dinheiro, e ficam me jogando pra lá e pra cá", lamentou a jovem, que também precisou ir até o INSS para comprovar que não tem carteira assinada, e, apesar disso, nada foi resolvido até agora.
         
Mayara tem três filhos pequenos. Com ela vive apenas a mais nova, de apenas dois anos, fruto do seu atual relacionamento. O benefício de 124 reais, apesar de pouco, seria uma
ajuda importante para a compra do leite e outras necessidades básicas para a criança, já que ela e o companheiro estão desempregados, e a menina só não está passando fome porque têm recebido doações de familiares e amigos do casal.
         
A dona de casa apela à Prefeitura que resolva o seu problema, desbloqueando o cartão e liberando, de direito dela, todos os nove pagamentos que ficou sem receber até agora. Foto: ela exibe cartão bloqueado e pede providências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!