sábado, 13 de maio de 2017

Comemoração do Dia das Mães no Caps , de Itaporanga

20170512_105745
Comemoração do Dia das Mães no Caps , de Itaporanga
( Reynollds Augusto)
Mãe é tudo e pronto.
Um dos maiores projetos que o estado brasileiro já instituiu foi a criação do CAPS, que são centros de atenção psicossociais. Só quem sabe do seu valor são os pais, mães, familiares,   que tem alguém doente na família e são “pacientes”.
O de Itaporanga dá gosto ver, pelo comprometimento da equipe multidisciplinar  que trata os nossos parentes. Estão todos de parabéns. E notamos o zelo e o carinho que todos têm por essas pessoas que voltaram ao planeta Terra , com suas fragilidades, para aprender, pois, na vida, nada acontece por acaso e Deus não joga dados, como disse Einstein.
20170512_105955Ontem o Caps, unidade de Itaporanga, realizou uma excelente festa de comemoração ao dias das mães, com um saboroso almoço e forró,  “prá mais de mil”. Uma manhã agradável, que reuniu as mães e os assistidos para um momento de confraternização.
Como já disse o saudoso Aberlardo Barbosa,o Cacrinha, que “nada se cria tudo se copia”, o CAPS é um modelo que foi criado na Itália, por alguém que realmente entende da obrigação do Estado  na proteção e tratamento dos seus filhos,  com desequilíbrios. São espaços que oferecem cuidados a pessoas em sofrimento psíquico e em Itaporanga, não são poucos.
20170512_110152Na verdade são espíritos com  comprometimento próprios , cuja bondade de  Deus permite-lhes o retorno ao planeta para depurarem-se, nesse processo constante de resgate ,pois o fim da vida é a plenitude de todos têm chances para o recomeço, mesmo submissos ao esteio da expiação, pois  Deus não erra.
Aqui em casa , mesmo, tenho alguém com esse tipo de problema e que depois de  ser incluído  como assistida no CAPS, de Itaporanga, evoluiu para o equilíbrio notavelmente. É claro que nunca haverá a cura plena, de cem por cento, pois esses nosso irmãos têm seus compromissos com a vida e precisam estagiar nessa condição, mas ,com certeza, o processo de  distúrbio pode  ser interrompido e até minimizado,  com técnicas próprias e  inclusão social.

20170512_110544Quero terminar essa minha  “escrevinhação “ com um excelente texto do MOMENTO ESPÍRITA, que uso para homenagear todas as mães, essas guerreiras da vida:

QUANDO DEUS CRIOU AS  MÃES

Diz uma lenda que o dia em que o bom Deus criou as mães, um mensageiro se acercou Dele e Lhe perguntou o porquê de tanto zelo com aquela criação.
Em quê, afinal de contas, ela era tão especial?
O bondoso e paciente Pai de todos nós lhe explicou que aquela mulher teria o papel de mãe, pelo que merecia especial cuidado.
20170512_110551Ela deveria ter um beijo que tivesse o dom de curar qualquer coisa, desde leves machucados até namoro terminado.
Deveria ser dotada de mãos hábeis e ligeiras que agissem depressa preparando o lanche do filho, enquanto mexesse nas panelas para que o almoço não queimasse.
Que tivesse noções básicas de enfermagem e fosse catedrática em medicina da alma. Que aplicasse curativos nos ferimentos do corpo e colocasse bálsamo nas chagas da alma ferida e magoada.
Mãos que soubessem acarinhar, mas que fossem firmes para transmitir segurança ao filho de passos vacilantes. Mãos que soubessem transformar um pedaço de tecido, quase insignificante, numa roupa especial para a festinha da escola.
20170512_111051Por ser mãe deveria ser dotada de muitos pares de olhos. Um par para ver através de portas fechadas, para aqueles momentos em que se perguntasse o que é que as crianças estão tramando no quarto fechado.
Outro par para ver o que não deveria, mas precisa saber e, naturalmente, olhos normais para fitar com doçura uma criança em apuros e lhe dizer: Eu te compreendo. Não tenhas medo. Eu te amo, mesmo sem dizer nenhuma palavra.
O modelo de mãe deveria ser dotado ainda da capacidade de convencer uma criança de nove anos a tomar banho, uma de cinco a escovar os dentes e dormir, quando está na hora.
20170512_111243Um modelo delicado, com certeza, mas resistente, capaz de resistir ao vendaval da adversidade e proteger os filhos.
De superar a própria enfermidade em benefício dos seus amados e de alimentar uma família com o pão do amor.
Uma mulher com capacidade de pensar e fazer acordos com as mais diversas faixas de idade.
Uma mulher com capacidade de derramar lágrimas de saudade e de dor mas, ainda assim, insistir para que o filho parta em busca do que lhe constitua a felicidade ou signifique seu progresso maior.
Uma mulher com lágrimas especiais para os dias da alegria e os da tristeza, para as horas de desapontamento e de solidão.
Uma mulher de lábios ternos, que soubesse cantar canções de ninar para os bebês e tivesse sempre as palavras certas para o filho arrependido pelas tolices feitas.
Lábios que soubessem falar de Deus, do Universo e do amor. Que cantassem poemas de exaltação à beleza da paisagem e aos encantos da vida.
Uma mulher. Uma mãe.
*   *   *
Maria de nazaréSer mãe é missão de graves responsabilidades e de subida honra. É gozar do privilégio de receber nos braços Espíritos do Senhor e conduzi-los ao bem.
Enquanto haja mães na Terra, Deus estará abençoando o homem com a oportunidade de alcançar a meta da perfeição que lhe cabe, porque a mãe é a mão que conduz, o anjo que vela, a mulher que ora, na esperança de que os seus filhos alcancem felicidade e paz.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!