segunda-feira, 22 de maio de 2017

Clubes e ligas querem saber pra onde foi mais de R$ 2 milhões e cobram na justiça prestação de contas da FPF, que pode sofrer intervenção.


Num momento em que o Brasil vive tempos conturbados com a iminente queda do presidente, o segundo em menos de um ano, diante da corrupção desenfreada... um escândalo agita os bastidores do futebol na Paraíba. Insatisfeitos com a forma do presidente Amadeu Rodrigues comandar a Federação Paraibana de Futebol, clubes profissionais/amadores  e ligas desportivas que formam a entidade impetraram com ação na justiça diante de possíveis irregularidades na prestação de contas da federação referente aos exercícios de 2015 e 2016. Querem saber onde foi parar montante superior à R$ 2 milhões, somente no ano de 2015, repassados pela CBF e outras receitas.

Por conta disso, a FPF pode vir a sofre intervenção da justiça comum ou até mesmo da própria CBF, que não vê com bons olhos essa situação. Em dezembro do ano passado, quase 50 clubes e ligas filiados solicitaram em petição à federação convocação por edital, com urgência, da assembleia geral, para que a presidência prestasse contas do exercício de 2015, sob pena de ser acionada civil, criminal e administrativamente. Sem resposta até hoje, impetraram ação judicial contra Amadeu na 13ª Vara Cível da Capital. Até hoje, Amadeu fez vista grossa à representação, dizem clubes e ligas. Segundo eles, a prestação de contas deve ser aprovada pelo conselho fiscal da entidade, conselho independente e pela maioria dos associados, em assembleia geral. O que não acontece desde 2015.

A relação com os clubes e ligas estremeceu quando Amadeu convocou assembleia, no final de 2015, com intuito de modificar os estatutos da entidade, mas teve grande surpresa
ao ver a proposta rejeitada pelos associados. A ideia era limitar o poder de voto dos clubes amadores e ligas, em torno de 60 votos, que passariam a ter direito a apenas um voto, concentrando o poder na presidência. Segundo informações, o presidente pretende convocar uma assembleia geral, nos próximos meses, para tentar conseguir o feito e, ato contínuo, propor a antecipação das eleições marcada para dezembro de 2018. E com isso garantir mais quatro anos no comando da FPF.


A limitação do poder dos clubes e ligas teria como pano de fundo neutralizar a influência exercida nos mesmos pela ex-presidente da entidade, Rosilene Gomes, e o atual vice-presidente, Nosman Barreiro Paulo. Justamente a dupla que foi fundamental para a eleição de Amadeu em dezembro de 2014, que parecia perdida. Na ocasião, o eleitorado que sempre aclamou Rosilene estava dividido por não aceitar Amadeu que concorria contra um candidato com sobrenome de peso: Coriolano Coutinho, irmão do governador Ricardo Coutinho, que tinha como candidato a vice Ariano Wanderley, então ex-dirigente do Botafogo. Estimado pelos clubes e ligas do interior, Nosman concorria como terceira via e disputava em igualdade com Amadeu. o que favorecia Coriolano.

Foto: Eleição de Amadeu Rodrigues na FPF só foi possível com aliança entre Rosilene Gomes e Nosman Barreiro

Querida por clubes e ligas, Rosilene estava diante da possibilidade de uma derrota do seu candidato, então, foi buscar numa aliança com Nosman a carta na manga para garantir a vitória. A união de Rosilene e Nosman resultou na eleição de Amadeu por 37 votos contra 29 obtidos por Coriolano. "É inegável a ajuda dela (Rosilene) para minha vitória", reconheceu à época Amadeu. Porém, pouco tempo depois das eleições, Rosilene se afastou de Amadeu diante de desentendimentos surgidos entre ambos. "Me esforcei muito pela vitória dele (Amadeu) e tive o grande apoio do estimado amigo Nosman, entretanto, traiu os clubes e ligas que votaram nele devido a confiança no trabalho que sempre tive pelo fortalecimento deles", disse a ex-dirigente da entidade.

Quatro meses depois foi a vez de Nosman se distanciar de Amadeu por não concordar com a forma de administrar sem a participação dos clubes e ligas. "Os associados não aceitam a maneira ditatorial como (Amadeu) vem se conduzindo no comando da federação. Além de não fazer prestação de contas, ele tem tentado à todo custo tirar o direito de voto dos clubes amadores e ligas. Isso não vamos aceitar", disse Nosman neste domingo (21).

Na ação judicial é esclarecido que Amadeu "vem se omitindo de disponibilizar as informações quanto à prestação de contas do exercício de 2015". Vale lembrar, que ele enviou memorandos à CBF sobre exercícios de 2015 e 2016, mas a lei e os estatutos estabelecem que a prestação de contas devem ser feitas à assembleia geral. A ação pede os extratos bancários dos últimos dois anos de todas as contas da federação. De acordo com dados, no ano passado a CBF aumentou em 67% a ajuda de custo para os cartolas. Na Paraíba, passou de R$ 15 mil para R$ 25 mil o valor que Amadeu ganha por mês como presidente da FPF. Hoje estaria em mais de R$ 30 mil esse valor, segundo informações. E a receita total que em 2015 teria sido pouco mais de R$ 2 milhões, hoje estaria bem acima desse montante.

Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!