sábado, 13 de maio de 2017

Caçula Pinto


Pedro Pinto de Santana, que Misericórdia reverenciava como Caçula Pinto, apelido que lhe foi dado pelos irmãos por ser ele o mais novo de uma numerosa prole, nasceu no dia 13 de maio de 1898, no Sítio Jenipapo, uma gleba de terra à margem do Rio Piancó, onde nasceram e cresceram quase todos os descendentes dessa numerosa família, também conhecida como o Clã do Jenipapo, por conta de uma lenda que dizia que um jenipapeiro frondoso cresceu e frutificou, e deu sombra para esta família de muita fé em Deus, de muita nobreza e de uma união inseparável. 

Caçula, segundo Quesa Pinto, dizia ser um homem liberto “sem peia e sem cabresto”, pois nasceu dez anos depois da libertação dos escravos e teve uma irmã chamada Isabel, nome dado em homenagem à Princesa Isabel. Amava os humildes, os pobres, os marginalizados e especialmente os negros. 

Filho de João Pinto da Silva e Maria da Conceição Santana, Caçula, ainda jovem, ajudava aos pais nas tarefas agrícolas e na criação de animais, ao mesmo tempo em que aprendia com o irmão Luiz, o mais velho de todos, noções de matemática e portuguesa, aprendendo logo a fazer as quatro operações, a ler e a escrever. Casou-se em 25 de fevereiro de 1925 com Hilda Chaves, filha de Jeremias Fiúza Chaves e Pulcheria Thenória, humildes agricultores residentes no sitio Boa Sorte. Do seu casamento nasceram dez filhos, mas somente oito sobreviveram, e há 19 anos perdemos o mano Cleanto, que faleceu no dia 26 de julho de 1997. Caçula Pinto fixou residência em Misericórdia no ano de 1930, época da revolução de “perepistas e liberais”, quando se reuniu aos seus parentes para defender a cidade contra as ameaças de invasão feitas pelos partidários do coronel José Pereira. 

Morando em Misericórdia, Caçula começou a desenvolver atividades comerciais através da compra e venda de fumo em rolo que era vendido no retalho. Aos pouco seu comércio foi crescendo e ele instalou uma budega na Rua da Pedra (atual Pedro Pereira de Sousa), onde funcionava a feira livre da cidade. Veio à seca de 32, e como o seu negócio fracassou, instalou então barracões para atender aos “cassacos” alistados nas frentes de emergência criadas pelo governo. Dos vários ramos do comércio foi amealhando economias, tornando-se um comprador de algodão em rama bem conceituado e com crédito na praça. 

Associando-se ao primo Belmiro Pinto Brandão, instalou uma fábrica de beneficiamento de algodão, chamada de “Vapor”, porque suas máquinas eram movidas a querosene, gás, óleo, e soltava uma fumaça preta dos seus bueiros (chaminés). Exportavam os fardos de algodão para Campina Grande. 

Depois de algum tempo, a sociedade foi desfeita e Caçula partiu para outras atividades comerciais, como a compra de oiticica, cera de carnaúba e algodão em rama, que eram vendidos em Campina Grande, Sousa ou Cajazeiras. Nesta época Quesa já o auxiliava como secretária. E aprendeu com ele grandes lições que até hoje ajudam a enfrentar desafios, obter sucesso, vencendo obstáculos.

Caçula era um homem de veneta e de facetas variadas, tanto que se dizia dele: “Caçula mata e cura”. Na política foi militante das hostes udenistas e se destacava pela sua coerência e lealdade aos seus comandantes partidários, João Agripino Filho e Ernani Saturo. Na sociedade, teve destacada atuação, pois gostava muita de festas, carnaval e do São João. Foi sócio de todos os clubes de sua época. E na vida comunitária sobressaiu-se na campanha promovida por Luiz Guimarães, Balduíno de Carvalho, José e Antônio Sitônio, João Silvino e Manuel Inácio, que culminou com a construção do Colégio Normal “Padre Diniz”. Prestigiou também os diversos movimentos feitos pelo monsenhor José Sinfrônio para a reforma da Igreja de Nossa Senhora da Conceição e a construção do Colégio Diocesano “Dom João da Mata”. 

Pedro Pinto de Santana, o Caçula, homem de tributos e atributos diversos e adversos, um amigo dedicado, mensageiro da alegria, o “cavaleiro da esperança e da paz”, faleceu no dia 1º de outubro de 1990, deixando seus filhos mais pobres e Misericórdia mais triste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!