terça-feira, 25 de abril de 2017

Em Curral Velho, a dança como ação preventiva de saúde: Zumba movimenta dezenas de mulheres

Por Redação da Folha – De idosas a adolescentes; mães que levam as filhas, filhas que levam as mães; uma amiga que convida a outra. Duas vezes por semana, dezenas de mulheres de todas as idades encontram-se no ginásio de esportes de Curral Velho para dançar. Uma atividade que mantém o corpo em forma, melhora a autoestima e previne contra várias doenças, principalmente a hipertensão, o alto colesterol ofensivo, obesidade e diabetes.
                
O projeto “Vem Pro Zumba” é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde e objetiva melhorar a qualidade de vida e investir na saúde preventiva, uma das ações importantes da nova concepção de políticas públicas para a saúde popular. “Elas gostam muito da dança, se divertem e, ao mesmo tempo, se exercitam, melhorando sua condição física”, comentou Alexandra Salviano Barbosa, que é coordenadora de Atenção Básica.
                
O projeto começou no mês passado e atrai cada vez mais mulheres dos mais diferentes pontos da cidade e tudo se transforma em uma grade festa pela saúde. Todo esse rítmo de bem-estar é comandado pelo instrutor de dança Zé Filho, de Piancó. “A dança faz tanto sucesso que agora até os homens também querem”, brincou a coordenadora.
                
Outro projeto – Uma outra ação de saúde pública em Curral Velho, promovida pela Prefeitura, através da secretaria,  é a Caravana da Saúde, que leva vários profissionais da
área (médico, enfermeiros, odontólogo, psicológico, nutricionista e assistente social) para atendimento às comunidades rurais. "Toda nossa equipe é deslocada para esse trabalho", observou ela.
                
A mais recente ação da Caravana da Saúde ocorreu no sítio Barreiro, onde foi possível atender moradores do lugar e de várias outras comunidades rurais adjacentes. A assistência médica e odontológica é acompanhada da distribuição de remédios. É pensamento da secretaria, que é gerida por Manoel Diniz Neto, realizar mais duas visitas neste semestre. “Como temos uma área rural vasta e muitos sítios distantes da cidade, é preciso buscar essas pessoas onde elas moram”, disse Alexandra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!