sexta-feira, 14 de abril de 2017

ASPIRINA, MODESTA E PODEROSA. BOA NA PREVENÇÃO DE MOLÉSTIAS CARDIOVASCULARES, MAS PARA PESSOAS EM RISCO


A aspirina é mesmo boa para o coração? Sim, a aspirina é útil no tratamento e na prevenção de doenças cardiovasculares, mas apenas para pessoas em risco.

Por Juliette Camuzard – Le Figaro

Há apenas cerca de quarenta anos que o efeito anticoagulante da aspirina, já bem conhecido para conter a febre e as dores, foi descoberto. Assim, a hipótese foi levantada, e confirmada por vários estudos ao longo dos anos 1970 e 1980, que ela poderia desempenhar um papel preventivo contra o infarto e os acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquêmicos. O ácido acetilsalicílico age com efeito sobre a agregação de plaquetas sanguíneas e impede a formação de coágulos.

«As placas de ateroma, depósitos de gorduras nas artérias, constituem um terreno fértil para o surgimento desses coágulos sanguíneos, especialmente nas coronárias que irrigam o músculo cardíaco », explica o Prof. Gabriel Steg, cardiologista no Hospital Bichat (Paris). «Ao afinar o sangue, a aspirina reduz a formação desses coágulos, que são responsáveis pelo infarto do miocárdio e o acidente vascular cerebral.»

Mas, cuidado! A aspirina não age sobre outros fatores de risco como a hipercolesterolomia. E parece que seu impacto é diferente conforme o sexo. De acordo com um estudo
realizado pela Escola de Medicina Stony Brook em Nova Iorque (Estados-Unidos), publicado em 2006, ela protegeria melhor o coração, no caso dos homens, e mais o cérebro, no caso das mulheres.

Mas o fato é que, prescrita após um infarto, uma embolia ou um acidente vascular cerebral, a aspirina reduz em 20% a mortalidade e o risco de recorrência dos pacientes. «O tratamento de afinamento também é prescrito para o resto da vida para pacientes com um stent (uma protése metálica que mantém o fluxo sanguíneo nas artérias obstruídas por aterosclerose) para prevenir a formação de coágulos sanguíneos », acrescenta o cardiologista.

Sem automedicação ou overdose
A ação fluidificante da aspirina é observada em doses baixas, de 75 a 160mg por dia, muito mais baixas que as doses de 500 ou 1000mg utilizadas para aliviar as dores. Nesta baixa dosagem, os efeitos colaterais são raros , no entanto, não excluídos. De fato, a fluidificação do sangue cria de fato um risco aumentado de hemorragias gastrointestinais em três quartos dos casos, mas também cerebrais. Os pacientes submetidos a esta terapia devem, por exemplo, ter muito cuidado com uma possível overdose se estiverem tomando um anti-inflamatório não esteróide (aspirina ou ibuprofeno) em dose analgésica em caso de dor de cabeça ou síndrome gripal, por exemplo.

É por isso que a aspirina não é recomendada como prevenção primária, ou seja, em pessoas livres de qualquer acidente cardiovascular e não apresentando risco cardíaco elevado. «A relação risco/benefício deve ser avaliada caso a caso. O risco de efeitos colaterais (intolerância gástrica, hemorragias, alergias) não deve ser maior do que o benefício proporcionado pelo medicamento, enquanto a possibilidade de um infarto é fraca », explica o Dr. Steg que adverte contra a automedicação. Embora a aspirina tenha a dupla vantagem de ser barata e em venda livre, não há motivos para ficar sem o conselho do seu médico antes de absorvê-la diariamente para seu coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!