sexta-feira, 17 de março de 2017

O CÉREBRO É ANDRÓGINO. NÃO É MASCULINO, NEM FEMININO


Os cérebros humanos não podem ser classificados em duas classes distintas, masculino ou feminino. De acordo com Daphna Joël, da Universidade de Tel-Aviv, estudo recentemente publicado mostra que os os homens não são de Marte nem as mulheres de Vênus. Ambos vêm de um planeta intermediário, híbrido entre os dois, e ainda bastante desconhecido.

Por Jean-Luc Nothias - Le Figaro Santé

Alguns ficarão surpresos, Outros, decepcionados. Um novo estudo indica que, do ponto de vista cerebral, os homens não são de Marte nem as mulheres de Vênus. Ambos vêm de um planeta intermediário, híbrido entre os dois, e ainda bastante desconhecido. Durante muito tempo acreditamos que o cérebro dos homens era, em média, maior do que o das mulheres. Hoje, sabemos que isso é falso. Ou pelo menos, que a relação entre o peso corporal e o do cérebro é exatamente igual para ambos os sexos. Sabemos também que não é o número de neurônios que importa, mas o número e a natureza das conexões que eles estabelecem. E que essa arquitetura em teia de aranha em três dimensões é plástica e capaz de evoluir.

O estudo publicado nos PNAS por Daphna Joël, da Escola de Ciências da Universidade de Tel-Aviv, e seus colegas, mostra que «os cérebros humanos não podem ser classificados
em dois tipos distintos, o cérebro feminino e o cérebro masculino. Não é por isso que não há diferenças. Nesse órgão existem traços mais «femininos», outros mais «masculinos» e, finalmente, outros «neutros». Cada cérebro, anatomicamente, é ligeiramente diferente, assim como seu funcionamento, induzindo comportamentos diferentes. A plasticidade faz que ele se molde em função de todos os elementos de nosso histórico pessoal. Ele é como um mosaico, reflexo do percurso de cada um.

Pequenas diferenças não alteram os fatos
«Mostramos que, embora haja diferenças entre masculino e feminino na anatomia do cérebro e nos comportamentos, em todos os seres humanos esses órgãos são compostos por “mosaicos” de características, algumas mais presentes em mulheres, outras mais presentes nos homens, e outras que estão presentes nos dois”, diz Daphna Joël. “Os resultados que obtivemos demonstram (…) que os cérebros humanos não podem ser classificados em duas classes distintas, masculino ou feminino.»

Os pesquisadores tabularam imagens médicas de diversos tipos, realizadas em mais de 1400 pessoas. Eles analisaram a matéria branca, a substância cinzenta e suas conexões (através da moderníssima técnica chamada “de conectoma”, destinadas a estabelecer um mapeamento completo das conexões neuronais no cérebro). O objetivo consistia em identificar áreas mais «femininas» ou mais «masculinas». Confirmou-se que o cérebro feminino é mais «verbal», ligeiramente menos eficaz para tudo que diz respeito à visualização e à rotação mental em três dimensões, e possui algumas glândulas ligeiramente mais desenvolvidas pela ação de hormônios, mas isso não altera basicamente os fatos…

Catherine Vidal, neurobióloga francesa e membro do comitê de ética do Inserm, gosta de repetir: «É impossível adivinhar, ao olhar um cérebro adulto, se ele pertence a um homem ou uma mulher.» Se os cérebros apresentam grandes diferenças anatômicas de um indivíduo para outro, «as diferenças observadas entre os cérebros das pessoas de um mesmo sexo são bem mais importantes do que as eventuais diferenças entre os dois sexos».

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!