sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Ó geração incrédula e perversa! até quando estarei convosco e vos sofrerei?

PENSE BOM DIA !
..............................................................................................
Ó geração incrédula e perversa! até quando estarei convosco e vos sofrerei?
(Reynollds Augusto)

Sabe leitor, a vida tem uma ordem estabelecida pelo criador, a causa, que , com certeza não é esse “deus” pregado pela maioria das religiões.
Eu já disse e é bom relembrar, que se não tivesse encontrado a Doutrina Espírita pelo caminho, seria mais um desses ateus sem causa. Aliás, eu seria mais um ateu com causa, pois é brincadeira o que dizem de Deus. Que Deus para ser Deus não poderia agir tão diversamente, tão injustamente, com tanto privilégio.

Mas sei, também, que tudo é um processo e que “nenhuma ovelha do meu Pai se perderá” , como disse J.C. Todos estamos vivendo rumo á plenitude, que as religiões apelidam de “salvação”. Mais judicioso tratar como “Evolução”.

A grande verdade é quê se o “ cabra” não crê na vida futura, dificilmente entenderá a vida presente. Eu não diria nem “crê” pois quem apenas crer, implica em não saber. É preciso saber da vida futura e a Doutrina Espírita, a terceira revelação, explica com maestria como acontece.

Certa vez uma pessoa, que não direi o nome, por uma questão de ética, evangélica, de grande valor, perguntou-me se eu cria em Deus ,com aquele ar irônico. Disse-lhe, educadamente , para reflexão, que não, que não creio em Deus, pois crer é algo vago, inseguro e que , na verdade, eu sei que Deus existe, o que é diferente e procuro saber do seu direito, todos os dias, para entender o mecanismo da vida e assim procurar ser tão feliz quando o planeta permite, pois, segundo Jesus, a felicidade não é deste mundo.

Né não?

O texto de ontem , no “Educação dos Sentimentos”, que acontece todos as quintas, pelas 20 horas, no centro Espírita Jesus de Nazaré, de Itaporanga , é da lavra do espírito “Santo Agostinho”, um dos pais da nossa querida igreja católica. Ele foi ( e é) um dos espíritos , escolhido por Jesus, para trazer á lume a proposta espírita, que é o Consolador Prometido por ele . E se foi escolhido é porque tem maturidade.

Alias nem Deus e tampouco Jesus escolhe alguem ,nós é que nos escolhemos, pelo despertamento, pelas buscas.

Tem gente que está de um jeito e vai morrer no mesmo jeito, pois não se movimenta para entender o que, de fato, é a vida. É um retardatário , terá que aprender no sufoco, pois não procurou aprender, por voluntarismo .
Mas, depois de longa discussão , debates, exemplos , posicionamentos, diante de um “banquete espiritual “ que logo passa, pela beleza das reflexões, concluímos que a maioria de nós é ingrato quanto a vida. E descobrimos que a maior ingratidão é aquela dos filhos em relação aos pais, que os abandonam em casas de apoio, asilos, para livrarem-se “do peso” que é tratar daqueles que deram a vida ás suas proteções.

Há pessoas que dizem ter colocado os seus pais em Casa de Idosos, pela comodidade, pela relação com outros idosos e que eles ficariam mais felizes. Bobagem! Isso é fuga de compromisso e o idoso sente-se abandonado, numa gaiola chique.

Uma bela noite! Quinta tem mais.

Eita ,leitor, veio-me á mente, agora, aquela música do grande Sérgio Reis , filho adotivo, e assim vou finalizar essas letras:

Com sacrifício
Eu criei meus sete filhos
Do meu sangue eram seis
E um peguei com quase um mês

Fui viajante
Fui roceiro, fui andante
E pra alimentar meus filhos
Não comi pra mais de vez

Sete crianças
Sete bocas inocentes
Muito pobres, mas contentes
Não deixei nada faltar

Foram crescendo
Foi ficando mais difícil
Trabalhei de sol a sol
Mas eles tinham que estudar

Meu sofrimento
Ah! meu Deus, valeu a pena
Quantas lágrimas chorei
Mas tudo foi com muito amor

Sete diplomas
Sendo seis muito importantes
Que as custas de uma enxada
Conseguiram ser doutor

Hoje estou velho
Meus cabelos branquearam
O meu corpo está surrado
Minhas mãos nem mexem mais

Uso bengala
Sei que dou muito trabalho
Sei que às vezes atrapalho
Meus filhos até demais

Passou o tempo
E eu fiquei muito doente
Hoje vivo num asilo
E só um filho vem me ver

Esse meu filho
Coitadinho, muito honesto
Vive apenas do trabalho
Que arranjou para viver

Mas Deus é grande
Vai ouvir as minhas preces
Esse meu filho querido
Vai vencer, eu sei que vai

Faz muito tempo
Que não vejo os outros filhos
Sei que eles estão bem
E não precisam mais do pai

Um belo dia
Me sentindo abandonado
Ouvi uma voz bem do meu lado
Pai, eu vim pra te buscar

Arrume as malas
Vem comigo, pois venci
Comprei casa e tenho esposa
E o seu neto vai chegar

De alegria eu chorei
E olhei pro céu
Obrigado, meu Senhor
A recompensa já chegou

Meu Deus proteja
Os meus seis filhos queridos
Mas foi meu filho adotivo
Que a este velho amparou

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

www.pensenisso.itaporanga.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!