quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Manoel Franco da Costa


Manoel Franco da Costa nasceu na Vila de São Paulo, hoje Diamante, que pertencia a Misericórdia, em 05 de janeiro de 1897, o seu exato local de nascimento foi na Fazenda Garra, que ainda hoje pertence a seus familiares e parentes, era casado com Maria Mônica da Costa, teve nove filhos, inclusive o ex-prefeito de Itaporanga, João Franco da Costa. 

No ano de 1929 adquiriu uma fazenda na Vila de São Boaventura, hoje a cidade de Boa Ventura, na localidade Angicos/Espinho (hoje pertence a seus descendentes). Pra época era considerado um visionário e empreendedor, pois, na sua fazenda, além da criação de bovinos e ovinos, plantação de fumo, feijão, milho e arroz, podia se encontrar casa de farinha (com plantio de mandioca), engenho de cana de açúcar (com plantio da cana), criava bicho da seda e tinha uma tecelagem artesanal onde eram produzidas redes e mantas, salientando que, varias pessoas daquela região trabalhavam em seus empreendimentos, inclusive, as pessoas mais antigas que ainda residem ou descendem dos que trabalhavam pra ele, falam que por conta da tecelagem, havia várias pessoas trabalhando em suas próprias casas, fazendo varandas, punhos, etc. para as redes que eram produzidas na Fazenda Espinho. Na própria fazenda funcionava também uma escola de alfabetização, a pioneira naquela região, custeada por ele na casa sede da propriedade, ali várias crianças e adultos foram alfabetizados pela professora Raimunda Pegado, que era prima de Manoel Franco. 

No início do século vinte ele, juntamente com seu irmão Antonio Franco da Costa, proprietário rural e capitão da Guarda Nacional, participaram, juntamente com o coronel Zuza Lacerda da proclamação da República da Estrela, que abrangia terras de Curral Velho (Brusca), São Paulo (Diamante) e São Boaventura, (Boa Ventura). Era proprietário rural também no município de Santana de Mangueira, dono da Fazenda Nova. Era bem influente na sede do município (Itaporanga), onde também era conhecido por todos como Manoel Nezinho. 

Gostava de patrocinar parte das festas juninas e natalinas na Vila de São Boa Ventura e outros eventos culturais da localidade. Coincidentemente, Faleceu no período junino, no dia 27 junho de 1982.

Se essa rua fosse minha - volume II
Paulo Rainério Brasilino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!