sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Julia Mendes de Sousa


A segunda pessoa em Itaporanga, que recebeu uma homenagem em vida, foi a Professora Julhinha, a primeira, foi o ex-prefeito Francisco Clementino de Carvalho, mas conhecido como Dr. Paizinho, que administrou a cidade entre os anos de 1960 a 1963.

Filha de Antônio Firmino de Sousa e Raimunda Mendes Brasil, Julia Mendes de Sousa Sinfronio nasceu no dia 14 de janeiro de 1942, no distrito de São José de Lagoa Tapada, município de Sousa, na Paraíba. Mas todos a chamam carinhosamente de Julinha.

Veio estudar em Itaporanga em 1954, ainda adolescente, com apenas 12 anos, pois seus pais já moravam em São José de Caiana, na época distrito de Itaporanga. Julinha e algumas amigas, estudavam e moravam no Internato das Irmãs Carmelitas, hoje o Colégio Padre Diniz. Ela era a caçula de todas.

Fez o curso de Licenciatura Plena em Química na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da cidade de Cajazeiras. Foi diretora fundadora da Escola Estadual Adalgisa Teódulo da Fonsêca, cargo que assumiu no dia 28 de março de 1981. Nos anos de 2001 a 2004 foi secretária municipal de educação, em Itaporanga, onde implantou, na rede municipal, a segunda fase do Ensino Fundamental (na época, da 5ª a 8ª série). Coordenou um Curso de Capacitação de Professores do Ensino Infantil, promovido pelo MEC, em 2002, envolvendo 19 municípios, com professores das cidades de Emas até Conceição.

Casada com o ex-vereador e agropecuarista Djaci Sinfrônio, Julia Mendes é mãe de três filhos: Helenlucy, que a exemplo da mãe, também é professora; Karla Jane, empresária do ramo de bebidas finas e doces e Francisco Sávio Mendes Sinfronio, professor e químico da Universidade Federal do Maranhão – UFMA.

Julinha, aposentada, recebeu em vida uma homenagem, emprestando seu nome a Banda Marcial Julia Mendes, da qual é responsável pela sua fundação. Mas ela, apesar de morar em Itaporanga a sessenta e um anos ainda não foi agraciada com o “Titulo de Cidadã Itaporanguense”, embora alguns parentes seus, já tenham passado pela câmara municipal, a exemplo de seu marido, Dejaci Sinfrônio (Deja); Emídio Alves; Herculano Pereira; Audiberg Alves e Ubiramar Pitas, ex-vereadores e que nunca atentaram para este fato. Mas julinha por amor a essa terra, e os serviços que têm prestados a educação, se considera uma Itaporanguense nata.

Polidores da Pedra - Volume III
Paulo Rainério Brasilino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!