terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Jovem faz relato sobre estupros durante 7 anos e padastro é preso; leia

Jovem foi violentada dos 10 aos 17 anos pelo homem, preso em São Paulo


A polícia prendeu em São Paulo na última semana um homem que estuprou a enteada dos 10 aos 17 anos de idade da jovem. A então menina, hoje com 28 anos, conseguiu fazer a denúncia 11 anos após os crimes. Ele foi preso por estupro de vunerável.

De acordo com a revista Marie Claire, a jovem relatou em depoimento à delegada Kelly Cristina, da DHPP, os detalhes do ocorrido.

“Meu padrasto sempre foi muito agressivo e violento. Ele já bateu muito em mim e na minha mãe. Uma vez, deu uma facada nela, mas a minha mãe não foi para o hospital, nem chamou a polícia por medo dele.Quando eu fiz dez anos de idade, ele diminuiu as agressões e começou a ser mais carinhoso. Pedia para eu sentar no colo dele e passava a mão em mim. Depois, me ameaçava. Falava que se eu contasse para alguém, eu teria que
ir embora. Quando eu tinha 12 anos, ele começou a me obrigar a ter relações com ele, quando minha mãe saí para trabalhar era assim toda semana”, contou a jovem, que revelou ter engravidado do criminoso.

“Com 13 anos, eu engravidei. Meu padrasto me deu um chá abortivo, mas não funcionou. Então, ele me fez contar para família que o pai da criança era um menino, que eu conheci no caminho da escola. Ele disse até que ia procurar o garoto para conversar e voltou para casa dizendo que o garoto tinha mudado de cidade. Quando meu filho nasceu, meu padrasto e minha mãe falaram para os parentes e vizinhos que eles tinham adotado aquele bebê. Meu filho cresceu chamando a avó dele de mãe e eu de irmã. Mas os abusos não acabaram, seis meses depois de dar à luz, meu padrasto começou a me obrigar a ter relações de novo. Falava que se eu me negasse, ele ia deixar meu filho passar fome”, disse a vítima, que prosseguiu.

“Uma vez, ele me bateu com uma chave de fenda e deixou uma cicatriz. Eu não aguentava mais aquilo e com 17 anos, arrumei um emprego e saí de casa. Meu filho continuou com eles. Faz um ano que eu contei a verdade para minha mãe, meu filho também soube de tudo”.

A denúncia da jovem foi feita pela lei Joanna Maranhão, criada em 2012 após a CPI da Pedofilia. De acordo com o Sistema de Informações de Agravo de Notificação do Ministério da Saúde, crianças e adolescentes são 70% das vítimas de estupro no Brasil.


Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!