sábado, 10 de setembro de 2016

Ex-prefeito de Conceição recorre e diz que vai até última instância para manter candidatura

Por Redação da Folha – O ex-prefeito de Conceição, Alexandre Braga (PSB), já recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) contra a decisão do juiz eleitoral Antônio Eugênio, que indeferiu sua candidatura a prefeito com base em denúncias apresentadas pela Promotoria Eleitoral e a coligação adversária.

Conforme Alexandre, apesar do indeferimento, há uma esperança de que a decisão possa ser modificada no TRE ou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Meu advogado está confiante porque meu direito é muito bom, e vou até à última instância para garantir o registro de minha candidatura, não vou desistir”, comentou ele durante contato com a Folha na manhã deste sábado, 10.

Segundo ainda Alexandre, “o único problema é uma licitação, mas está provado que não houve dolo nem prejuízo aos cofres públicos, por isso estou confiante de que o tribunal pode modificar essa decisão, e o povo é quem está pedindo para eu não desistir e vamos a luta”, enfatizou, ao anunciar um evento eleitoral para este domingo: “é o arrastão da confirmação”.

O ex-prefeito também informou que sua coligação entrou com três ações de investigação eleitoral por suposto abuso do poder político e econômico contra o atual prefeito e candidato à reeleição, pedindo a cassação do seu registro, mas os processos ainda estão em fase inicial de tramitação.

Polícia Civil prende um dos três acusados de matar jovem em Itaporanga há um mês

Por Redação da Folha – Policiais civis da equipe do delegado Glêberson Fernandes prenderam, na tarde dessa sexta-feira, 10, o jovem Romário Messias Cirilo, de 19 anos, que é um dos três acusados da morte de Apolinário Cosmo Moura, conhecido como Apolo, de 23 anos, executado a pedradas na madrugada de 7 de agosto em uma área de mata nos arredores de Itaporanga.

A prisão preventiva do acusado foi decretada pela Justiça de Itaporanga no último dia 9, mas ele estava longe da cidade: fugiu para o município de Carrapateira, onde estava morando com um tio. Depois de descobrirem seu paradeiro, os policiais cumpriram o mandado de prisão. Romário já se encontra na cadeia e negou a execução do homicídio, apontando para outros dois jovens, que se encontram foragidos.

Os três chegaram a se presos pela Polícia Militar três dias após o crime, e, embora tenham revelado evidências de envolvimento no assassinato, o juiz plantonista entendeu que não havia prova suficiente e negou a prisão requerida pelo delegado.

Em liberdade, todos saíram da cidade com medo da família da vítima, mas, agora, com a decisão da Justiça de Itaporanga de decretar a prisão dos envolvidos, mais uma vez solicitada pelo delegado Glêberson, os policiais começam uma caçada contra os acusados, e um deles já foi encontrado.

Em Conceição, jovem de 20 anos bate em viatura policial; e idoso de 70 esfaqueia desafeto

Por Redação da Folha – A tarde deste sábado, 10, foi movimentada para a polícia de Conceição. Inicialmente, um jovem de 20 anos, Vitor Alberto Mourato da Silva, que conduzia uma moto pelo centro da cidade, bateu em uma viatura da PM e se feriu no acidente.

A colisão ocorreu na Rua José Cândido Batista. O jovem não tem habitação e a motocicleta está atrasada e foi apreendida. Segundo o relatório policial, o rapaz conduzia a motocicleta em alta velocidade e, depois de colidir contra a viatura, caiu violentamente. Ele foi socorrido para o hospital da cidade, e não corre risco de morte.

A viatura teve alguns danos e precisará ser periciada antes de ser encaminhada ao conserto. Nenhum policial ficou ferido, e um relatório foi encaminhado à delegacia.

Também nessa tarde, no conjunto Chicó Vieira, o idoso Manoel Xavier de Sousa, de 70 anos, que estava embriagado, segundo a polícia, feriu levemente com uma faca o seu desafeto, José Vieira Sipriano, de 38, que foi medicado no hospital e encaminhado para casa.

Já com relação ao idoso, ele foi conduzido à delegacia de Conceição, mas como se trata de lesão leve, deverá assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e ser liberado.

10 de setembro - Aconteceu em Itaporanga


ABDORÁ LÚCIO

Foi registrado por seu pai, que era semi-analfabeto e pronunciava o nome Abdoral, ao seu modo: Abdorá. E o escrivão do cartório colocou, inclusive, o acento no último “á”, um erro comum para esse tempo. Abdorá Lúcio dos Santos era filho do casal Maria Filha de Araújo e José Lúcio dos Santos, conhecido por Mestre Zé Lúcio, nasceu em Misericórdia, no dia 10 de setembro de 1942.

Sua mãe, para que ele conseguisse estudar fora, por falta de incentivo do pai, engordava porcos para vender e custear os estudos do filho. Bom filho, ótimo irmão, inigualável tio, excelente esposo e amoroso pai. Estava sempre na dele, nunca se importou com a vida de seu ninguém, somente com a sua própria. Tinha uma inteligência ímpar.

Concluiu o curso de Engenharia Elétrica no Campus II da UFPB, em Campina Grande. Depois foi estagiar em São Paulo, onde se enamorou e casou-se com a sua prima, Mônica Costa, filha de Odaci e neta de Veneranda, sua tia. Deste casamento resultaram três filhos: Luciano, Adriano e André.

Fez especialização na França e depois veio trabalhar na cidade do Recife, onde vez por outra, passava os fins de semana, em João Pessoa. Quando estava ainda iniciando sua vida profissional, em 23 de outubro de 1986, com apenas 44 anos, foi acometido de um aneurisma, que o levou a morte, em São Paulo, capital, onde seu corpo foi enterrado.

Tio Abdoral sempre foi um meninão, quando vinha de férias para Itaporanga, eu criança, me chamava para irmos para o Sítio Cantinho de Baixo, que pertencia a seu pai e íamos apostando corrida, para ver quem corria mais e ele na sua benevolência nata, sempre me deixava ganhar.

Nas férias escolares, já fazendo faculdade, vinha pra Itaporanga e para ganhar um dinheirinho extra, colocava a cangalha em um jumento, as latas e ia botar água em casas de parentes, para ganhar um dinheirinho extra. Nesse tempo o abastecimento d’água era precário, e, o jeito era “se virar”, com cacimbas no Rio Piancó, que à época, não era poluído.


* * * * * 

Na sessão do dia 10 de setembro de 1983, o vereador Ivanó Araújo apresentou e a Câmara aprovou o título de “Cidadão Itaporanguense” para o Dr, José Campos Cavalcante, agente administrativo da Previdência Social, em Itaporanga. O vereador Carlos Alberto Ferreira, também, apresentou Projeto de Lei, criando a “Feira”, no Conjunto residencial Chagas Soares, no dia de “quarta-feira”.

Na sessão do dia 10 de setembro de 2005, foi aprovada a Resolução n°. 09/2005, denominando de “Vereador Herculano Pereira”, o Plenário da Câmara. Também, foi registrado, nos anais da Câmara, voto de repúdio ao Deputado Federal Antônio Carlos Mendes Thomé do PSDB de São Paulo, por haver, ele, apresentado a PEC n°. 375/2005, pedindo a redução do repasse de recursos para as Câmaras Municipais. 

Aniversariantes do Dia:



Cicera Leite mora em João Pessoa - https://www.facebook.com/leite.cicera

Babi Diniz nasceu no dia 10 de setembro de 1963 e mora em Patos - https://www.facebook.com/babi.diniz.7

Justyno Apontador mora em Itaporanga - https://www.facebook.com/profile.php?id=100010215192047

Iris Estácio nasceu no dia 10 de setembro de 1992 e mora em Itaporanga - https://www.facebook.com/profile.php?id=100013121192293

Gilberto Gomes nasceu no dia 10 de setembro de 1974 e mora em Itaporanga - https://www.facebook.com/gilberto.gomes.94617

Francisco Cirilo Oliveira nasceu no dia 10 de setembro de 1977 e mora em Itaporanga - https://www.facebook.com/franciscocirilo.oliveira




O fotografo Damião Fereira Neves (Damião Barros) nasceu no dia 10 de setembro de 1969 e mora em João Pessoa - https://www.facebook.com/damiaofereiraneves.damiaobarros

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Imagem do Dia: centenas acompanham enterro de itaporanguense morto em Palmas

Por Redação da Folha – Final da tarde desta sexta-feira, 9, no cemitério de Itaporanga: depois de um cortejo que reuniu centenas de pessoas, entre amigos e familiares, o caixão com o corpo do jornalista Mateus Júnior, de 47 anos, é preparado para o sepulcro. Muito abalada emocionalmente, sua mãe, Creuza Oliveira, de 78 anos, não suportou momento tão difícil e saiu amparada.

O corpo do jornalista, que residia e trabalhava na capital Palmas, foi trazido a Itaporanga em um avião do governo de Tocantins, estado onde era bastante prestigiado pela boa atuação profissional. Inclusive, chegou a ocupar a Secretaria de Comunicação do Estado.

Ao chegar em Itaporanga, o corpo do jornalista foi recepcionado na sede da Prefeitura e, depois de homenagens, levado para casa de sua mãe, na Rua Horário Gomes, centro de Itaporanga. Sua morte repercutiu em todo o país: Mateus foi encontrado sem vida em uma estrada a 65 km de Palmas, depois de 4 dias desaparecido. Pessoas que estiveram com a vítima momentos antes do seu desaparecimento estão presas acusadas de latrocínio (roubo seguido de morte).

Açude de Coremas entra para lista vermelha da Aesa. Veja o que significa isso

Por Redação da Folha – O reservatório de Coremas, o maior do estado, entrou para a lista vermelha da Aesa (Agência Executiva de Gestão de Águas da Paraíba). Isso significa que o açude passou a ser considerado em situação crítica.

O reservatório é considerado em situação crítica quando seu volume cai para menos de 5%. No caso de Coremas, o açude está com apenas 3,9%, o que representa pouco mais de 23 milhões de metros cúbicos d’água, o nível mais baixo de sua história.

Apesar do pouco volume, muita água ainda tem sido retirada do açude através de suas comportas para várias cidades da Paraíba e também para o Rio Grande do Norte. Se não chover forte no começo do próximo ano, o açude poderá não alcançar o segundo semestre de 2017.

Publicada sentença eleitoral que deferiu candidatura do prefeito de Conceição

Por Redação da Folha – A sentença assinada pelo juiz eleitoral de Conceição, Antônio Eugênio, deferindo a candidatura do prefeito e postulante à reeleição, Nilson Lacerda (PSDB), foi publicada nessa quinta-feira, 8.

O prefeito representa a coligação “O trabalho não pode parar” e, conforme o magistrado, preencheu todos os requisitos de elegibilidade exigidos pela lei, motivando a aprovação de sua candidatura e a da vice, Nena Diniz, ou seja, a chapa está apta a concorrer ao pleito.

“Diante do exposto, preenchidas todas as condições legais para o registro pleiteado, tais como domicílio, quitação eleitoral e filiação partidária, não existindo impugnação, defiro o pedido de registro da chapa majoritária, formulado pela coligação O trabalho não pode parar”, disse o juiz em trecho final do seu despacho.

A hora da despedida e um pedido de Justiça… Por Mateus


A dor é inexplicável. Só quem sente é capaz de compreender. Como assim, uma vida interrompida precocemente, sem motivo, sem razão, sem por quê?
 
Diante da notícia da confirmação da morte do nosso Mateus, que chegou para marcar a noite do feriado de 7 setembro, fomos tomados por duplo sentimento: um misto de dor e de alívio, após três dias e duas noites de um  pesadelo vivo em que mergulhamos, nós, sua família de Palmas. Eles, sua família da Paraíba. 
 
O que são os amigos, senão a família que a gente escolhe ao longo da vida, não é mesmo?…
 
A dor é inexplicável. Só quem sente é capaz de compreender. Como assim, uma vida interrompida precocemente, sem motivo, sem razão, sem por quê? Então, ele não vai mais no lançamento do Rally dos Sertões, com Luciana. Nem comigo, no show da Zélia Duncan no Festival Gastronômico de Taquaruçu. Não ligará mais no começo do fim de semana para dizer: “Amor, hoje é sexta… tá pronta, bonitona?”. Nem me dará conselhos como o último, no último telefonema na véspera do dia final...
 
O alívio vem depois da agonia. Do medo de não ter seu corpo para devolver à sua mãe, tão linda, tão amada por ele, do alto de seus 76 anos, rezando para ter o filho de volta, com vida.
 
Ver chegar ao fim a vida de um ser tão amado como ele, em meio a catarse de sentimentos que foi tomar conhecimento do seu desaparecimento nas primeiras horas de uma segunda-feira, em que ele normalmente já estaria trabalhando, assustou os amigos mais próximos. 
 
Foi a Nega, que cuida dele e da casa, das roupas e da comida, desde 2009, quem tomou o primeiro choque, ao chegar, abrir o portão eletrônico e encontrar a casa revirada… 
 
Foi Alessandra quem correu para, após me ligar, acionar a polícia e depois tomar as providências para que a Nega registrasse o boletim de ocorrência. E Fátima Fernandes, quem correu desesperada atrás do roteiro de seus últimos passos, junto com Rosânia Sarmento… Uma grande corrente de amigos, de solidariedade, se formou. O vizinho da frente providenciando almoço, amigos anônimos buscando água. Todos ajudando a acionar a perícia. Gilvan Noleto cuidando de agilizar tudo para que nada escapasse aos olhos da polícia.
 
Se pudesse dar um consolo a esta mãe que chora, lá longe de onde o filho construiu uma vida, eu diria: 
“Sabe Dona Creuza, nós conversamos duas vezes nesta vida, mas sei que a senhora sabe quem são as pessoas que dividiram a vida e moravam no coração do Mateus… Eu e ele, por exemplo, são 20 anos de amizade, de brigas bobas, e reconciliação. A última nos custou 3 meses de afastamento, na campanha de 2010. Ele parou de falar comigo, e nos reconciliamos com amor maior quando ele voltou da Paraíba em janeiro de 2011.
 
Sei que a senhora sabe, mas nunca é demais repetir, que seu Francisco Mateus Júnior escreveu uma história profissional de orgulhar qualquer mãe… Escreveu sozinho, como bem lembrou esta noite, a amiga Kibb Barreto, em seus devaneios. Kibb que transtornada, arrebentou o portão da casa para entrar, aflita, esperando encontrá-lo lá dentro. Decepção…”
 
Desta vez o fofozinho, como lhe chamava carinhosamente Luciana Tolentino, não voltou para casa de ressaca no dia seguinte após virar as noites na boemia dos bares e karaokês de Palmas, onde ia cantar quando se recusava a permitir que a noite acabasse. 
 
Tão amado, nosso menino, tão doce e tão solitário da porta para dentro de casa. Ele foi capaz de fazer inúmeros amigos. No grupo de WhatsApp montado para trocar notícias e apreensão coletiva, tinha 256 pessoas no momento em que saí após confirmação da morte… Já não fazia sentido mais.
 
Nesta madrugada, Marquinhos, o irmão amado, que desembarcou em Palmas, me perguntava assombrado em perceber quanta gente nessa cidade amava o Júnior, o Mateus, o “Chico da Tirana”, como lhe chamava a colega e amiga Thelma Maranhão: “mas Roberta, se ele era tão amado, por que terminou assim?”.
 
Como eu poderia explicar a maldade humana, a ele e à Dona Creuza? Ao seu coração, ao de Marcos, ao de sua filha? Não tem explicação. O que fizeram ao Mateus não tem explicação… Todos os seus amigos choram, uns mais desesperados, outros amparados por uma fé. São tantos, que não conseguirei nominá-los aqui. 
 
Eu de mim fui esperá-lo na porta do IML, para fazer uma oração ao lado do caminhão que transportou seu corpo do local ermo onde foi deixado por pessoas que há muito tempo perderam o sentido da vida. 
 
Como nós gostaríamos de abraçá-lo e arrumá-lo com um terno bem lindo, do seu tempo de secretário. E colocar nele a gravata vermelha italiana que eu lhe trouxe da única viagem na vida que fiz a Milão. Ou arrumar e disfarçar seus cabelos brancos com rímel… 
 
“Amor, eu estou fazendo 38, viu?”, repetia sempre a cada aniversário nos últimos anos, entre um sorriso, uma dose de whisky e um cigarro. Fosse na Havanna, nosso point mais recente, no Mercatto ou num Karaokê das Arnos que fechou há muito tempo…
 
“Oh meu amigo!”, dizia empostando a voz para chamar o garçom, e depois relaxava: “traz uma cerveja pra ela”…
 
O caixão seguirá lacrado para não maltratar nossos olhos e corações depois do sofrimento a que foi submetido pelo sol e pelo sereno, pelo que faz o tempo aos nossos corpos frágeis, depois de quase cinco dias… 
 
Não, ele não merecia!
 
O Francisco Mateus Júnior, filho da dona Creuza, foi mais que funcionário da Assembleia nos primórdios de Palmas, da Verbus, da amiga Monica Calassa, ou secretário de Comunicação da prefeitura (nos mandatos do Odir e do Raul), e também secretário de Estado da Comunicação na época do Gaguim… 
 
Foi mais que o amigo querido e o assessor especial da Edna e do Agnolin... Foi mais que diretor de comunicação da Câmara até terminar assessor da Faet e da senadora Kátia Abreu, primeira ministra da Agricultura do Brasil, que aprendeu a amá-lo logo que o conheceu, pelo bom profissional e ser humano que é….
 
Vão dar muitos supostos motivos para o assassinato do filho de dona Creuza… Tomara que isso não a machuque, que ela se desligue daqui e não sofra com isso. 
 
Em meio a um momento que as circunstâncias do assassinato revoltam a comunidade gay na Capital, muitos querem fazer de Mateus Jr. uma bandeira. Ele, se estivesse vivo, não permitiria. 
 
Sim, o preconceito pode ter matado Mateus. Não mais que a inveja ou a loucura que toma conta de usuários de droga no auge de uma balada em que alguma coisa irrita alguém, ou em que algo dá errado.
 
Tenho para mim que o que matou mesmo nosso Mateuzinho foi a solidão que o levava a beber até não aguentar mais pelos bares de Palmas e terminar a noite levando desconhecidos para casa. Sei que não há poesia nessa morte, num sábado em que o som alto de sua casa incomodou os vizinhos com música sertaneja ao invés de Alceu Valença, Edith Piaf, ou Ângela Ro Ro.
 
Rezei muito e pedi a Deus que nos devolvesse Mateus, para que nós pudéssemos devolvê-lo à sua mãe. Ele ouviu todas as preces, que foram feitas por todos que o amavam e é isso que faremos hoje antes do dia findar. 
 
Sobre os que cometeram este crime contra a vida, já estão entregues à justiça dos homens, que faremos questão de acompanhar e de cobrar. A Polícia Civil foi irrepreensível no trabalho que desenvolveu desde as primeiras horas, do delegado Jéter Ayres, que foi o primeiro a chegar na casa, até o delegado Vinícius Mendes, que conduziu o principal suspeito ao local em que deixaram Mateus, já sem vida. Entre os dois trabalhou, de forma firme e incansável, a delegada Liliane Albuquerque, cujo trabalho honra o nome da Polícia Civil, não neste caso apenas, mas na lida incansável que tem lhe rendido ameaças de morte frequentes por organizações criminosas que tomam conta de Palmas e do Estado.
 
Espero que não falte para estas pessoas a justiça terrena e nem a justiça divina. Digo justiça para que outros crimes como este sejam inibidos, e não a vingança, que no nosso coração não cabe. Eles também têm mães que possivelmente já choram por suas vidas transviadas há tempos.
 
Se pudesse falar agora com a mãe do meu amigo, irmão de alma, eu só lhe diria: “Dona Creuza, tenha orgulho do seu Mateus. Aqui ele veio e viveu os melhores dias de sua vida… Dançando de calça xadrez em cima de uma mesa na Graciosa, vivendo intensamente a vida e se tornando um dos melhores profissionais de comunicação que conheci”.
 
Quando Dona Creuza enterrar seu filho sob o sol da Paraíba, estaremos todos lá também, de coração. E ele viverá em nossos corações todos os dias. Nas belas lembranças que deixou.  
 
Com ele morre um pouco da alegria das noites de Palmas e também um pouco de cada um de nós, seus amigos.
 
Assim como bem disse o poeta Paulo Sant’Anna, repito, que “eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos…”.
 
Rogo a Deus que os bons guias de luz tenham ajudado meu irmão de alma na dura hora da passagem e que ele esteja dormindo numa cama branca cheirando alecrim, numa das casas do Pai Celestial.
 
O que nos conforta é saber que a vida não termina aqui, Dona Creuza…
 
Receba Mateus nos braços seus. 
 
Ele viverá na nossa saudade. 
 
Uma promessa lhe fazemos: em nome dele vamos clamar todos os dias, por justiça.

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://m.t1noticias.com.br/a/78739/ ou os botões de compartilhamento disponíveis no site. Textos, fotos, artes e vídeos do T1 Notícias estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do portal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do T1 Notícias (jornalismo@t1noticias.com.br).

COMENTÁRIOS
  
JOSÉ DELVES DO CARMO
08/09/2016 19:04:35
Não pairam duvidas sobre a lisura, honestidade, e grande Ser Humano que era Mateus Junior. Tão humano, que um bandido com a ficha corrida do tal Brendon no mundo do crime, não fez com que desfizesse a relação de amizade que mantinham. Só de abril para cá o cara foi incurso e preso em 3 crimes diferentes, completando o quarto com o pior de todos, o assassinato. A noite de Palmas continua a mesma, os personagens que a habitam é que mudaram. Não são só mais os puros de alma que a procuram em busca de um lazer sadio, como antigamente. Agora, esses têm que reparti-la com os mais bárbaros, podres e cruéis assassinos. Ninguém, independente do que seja, está a salvo. Todo cuidado é pouco.
 
MARCELO KLEITSON VENÂNCIO GOMES
08/09/2016 11:02:49
Eu só tenho a dizer: - Bonitão, obrigado por me valorizar mais que eu mereço. Por fazer me sentir importante. Por me abrir tantas portas e pressentir quando eu estava precisando. Por me ligar sempre e dizer: - Saudades, gente! Falamos na sexta e terminamos a conversa com um: - Te amo! Fica com Deus! A gente te amará pra sempre. Obrigado, filhote. Ficarei aqui, tentando colocar em prática os conselhos que me deu: - Você é O cara, Marcelinho, você é melhor, se valorize (não sou, ele que era um ser humano bom demais)!!! Vou tentar, prometo, tá? Que a Justiça seja feita!!! Amamos você. Como bem disse a Roberta, nós, sua família...
 
LORRANE PRIMO
08/09/2016 10:26:31
Sem palavras e com o coração amargurado de tristeza e dor... Agradecida a Deus por você Roberta nos confortar dessa maneira (com esse histórico humano verdadeiro, tão cheio de cumplicidade, amizade, vigor de vida e amor) em meio a essa barbárie. Que no céu o Mateus continue a transcender sua alegria. Que sejamos confortados uns pelos outros pela graça de Deus para que o ódio e a vingança não nos domine. Professora Lorrane Primo

Corpo de Jornalista Chega a Itaporanga


O corpo do Jornalista Francisco Matheus Júnior, barbaramente assassinado no estado do Tocantins, proveniente da cidade de Palmas, chegou a Itaporanga por volta do meio dia e foi levado direto para ser velado na Prefeitura.

O ilustre jornalista, é filho da enfermeira Creusa Oliveira (Creusa de Chico de Creusa) e depois de quatro dias desaparecido, seu corpo foi encontrado em uma estrada, com os pés e mãos amarrados e já sem vida.


Junior trabalhou na Secom, foi Secretário de Comunicação do governo do Tacantins e foi Também Secretário de Comunicação de Palmas. Muito querido no meio jornalístico deixa uma imensa lacuna para os seus colegas e uma incalculável dor para os seus familiares.

09 de setembro - Aconteceu em Itaporanga


Padre Luiz Gomes Vieira, era filho do casal Sergio Gomes de Lima e Juvina Vieira Gomes, nasceu em Misericórdia, no dia 09 de setembro de 1894. Estudou no Seminário de Cajazeiras e ordenou-se no dia 14 de agosto de 1921. Foi vigário da Paróquia de Patos, de Bonito de Santa Fé, de Catolé do Rocha, de Conceição, de Pombal, de Coremas e de São José de Piranhas; quando veio a falecer acometido de leucemia, em sua terra natal, no dia 30 de setembro de 1952. 

O seu perfil era de um homem à frente do seu tempo, gostava das tecnologias da época, muito afeito a fazer amizades por onde passou, simples com o trato às pessoas. Só tinha uma irmã, Clara Vieira Fonseca, casada com Cecílio Januário da Fonseca, teve os sobrinhos como se dele fossem filhos, assumindo as tarefas de educá-los e conduzi-los enquanto viveu. 

O Padre Luis Gomes, foi quem criou Gloria Vieira (Neném, esposa de Edson Barreiro), juntamente com Teódula Fonseca, que nunca quis saber de casamento. Dizia ela que nunca iria “chumbregar” com um homem a noite inteira, e no outro dia, ficar olhando para a cara dele. 

Um causo contado por José Cavalcanti, ex-deputado, ex-prefeito de Patos e escritor.
..., o padre Luiz Gomes Vieira, ex-vigário de São José de Piranhas, de saudosa memória, era um grande sujeito. Embora sendo mais de Deus do que do diabo, nunca deixava de ser os dois ao mesmo tempo. Vigário, cuidava das almas com um zelo e um amor de chamar a atenção de todos os seus paroquianos, mas, dependendo da hora, cuidava também dos corpos com o mesmo zelo e a mesma dedicação. Um fanfarrão. Por um nada, soltava uma gargalhada de arrebentar os botões da cueca. 

Dizia: - Isso de ser padre, não me diminui em nada na minha condição de homem. Só sei vestir calças pelos pés. No mesmo bolso da batina que carregava o Rosário, carregava também uma pistola Colt, alegando. - É que assim como posso mandar uma alma para o Céu, posso mandar um corpo para o Cemitério. Vigário de São José de Piranhas, na represa do açude de Boqueirão (hoje Igaracy). A Barragem Engenheiro Ávidos. Foi designado pelo bispo de Cajazeiras para celebrar uma missa de Natal na Vila de Boqueirão. A viagem de mais de duas léguas, teria que ser feita de canoa, atravessando o açude de um lado ao outro. A missa teria que ser celebrada à meia noite. Já era tarde quando ele tomou a canoa em Piranhas Velha. A noite estava escura e o vento soprando forte, mas o padre não tinha medo de nada. Mandou que o canoeiro tocasse o remo. O canoeiro foi indo, foi indo, remando a muito custo. O vento cada vez ficando forte, fazendo da canoa uma casca de pau, descontrolada sobre as águas revoltadas. O Padre Luís, sentindo o perigo, falou para o canoeiro: - volta, vamos voltar! O canoeiro retrucou: - Como Padre Luís. E a missa de Natal? O padre então respondeu: - Volta! Que eu não vou morrer por causa de uma missa, não. Disse o canoeiro: - Que nada, Padre Luís. Deus é grande. E ele disse: - Quem bem sabe sou eu que Deus é Grande, mas a canoa é Pequena.

* * * * *

Em 1978, o vereador João Tolentino Neto apresentou e a Câmara aprovou o Projeto de Lei nº. 5/78; reconhecendo de Utilidade Pública, a Casa Franciscana (Escola Profissional Padre Luís Vieira), localizada, na Praça Frei Martinho. Hoje ele empresta seu nome a uma pequena avenida que se inicia na Praça da Matriz até o ínicio a Avenida Deputado soares Madruga, local que era conhecido co “Os Quartos de Maura”.

Em 1977, o vereador José Felismino propôs e a câmara aprovou a concessão do título de “Cidadão Itaporanguense” ao Dr. Djacir Farias Brasileiro, ao Dr. José Ardson Andrade Lira e esposa, Maria Vieira Andrade; ao Dr. Orlando Rodrigues dos Santos e esposa, Maria Gonçalves Rodrigues; ao Dr. João Luís Filho e esposa, Rosa Maria Luís de Araújo e ao Dr. Manoel Medeiros Maia.

O major Pedro Cava1canti de Arruda morreu em Bonito de Santa Fé, no oeste da Paraíba, no dia 9 de setembro de 1988, 10 dias antes de completar 88 anos de idade.

Aniversariantes do Dia:


Rosanei Pinto (Neide de Adauto de Tia Laura) nasceu no dia 9 de setembro de 1965, é casada com Adauto Neto e mora em Itaporanga - https://www.facebook.com/rosanei.pinto

O missionário Manoel Alvino é casado com Ivanilde Mendes de Lima e mora em Recife-PE - https://www.facebook.com/manoellima.alvino


Diassis Pires nasceu no dia 9 de setembro de 1975, é casado com Tina Diassis Kalel desde 5 de julho de 2000, é ativista cultural e mora em Coremas - https://www.facebook.com/diassis.pires.7

JOGOS PARAOLÍMPICOS. AS PRÓTESES SÃO CADA VEZ MAIS PERFEITAS


Graças às próteses ortopédicas esportivas, os atletas handicapados podem agora atingir níveis de performances próximas daquelas de atletas válidos. E, em alguns casos, inclusive superá-los. Duas semanas após o encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio, chegou a vez dos Jogos Paraolímpicos atualmente em curso na capital carioca. Na foto acima, o corredor campeão Oscar Pistorius.
Por: Robin Cannone – Le Figaro
Desde ontem, 7 de setembro, até o dia 18 deste mês, 4350 atletas handicapados irão se enfrentar em 24 disciplinas esportivas distintas, Entre eles, os atletas amputados se beneficiam hoje de dispositivos sofisticados que lhes permite alcançar níveis de performances muito próximas daquelas de atletas válidos.
O exemplo mais célebre é o do corredor Oscar Pistorius. Amputado das duas pernas desde a infância, o sul-africano conseguiu se qualificar para as semifinais dos 400 metros nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, ao lado de concorrentes não handicapados.
 A atleta francesa Marie-Amelie le Fur exibe o seu Total Knee, joelho mecânico.

Próteses mais leves
Graças aos progressos científicos das últimas décadas, as próteses ortopédicas são hoje fabricadas com titânio e fibra de carbono, materiais usados sobretudo na aeronáutica e na

O retrato do caos no atendimento bancário em Itaporanga: o que já era ruim ficou ainda pior

Por Redação da Folha – O Banco do Brasil concentra a maior parte da clientela bancária do Vale, mas, nas últimas semanas, milhares de usuários do BB de várias cidades regionais estão prejudicados por falta ou precariedade no atendimento.

Com a inatividade do  Banco do Brasil de Conceição há mais de 20 dias em razão do arrombamento do cofre da agência por criminosos, milhares de conceiçãoenses e moradores da circunvizinhança correram para Itaporanga em busca de atendimento, mas a agência do BB local não estava nem está preparada para atender tanta gente, gerando um verdadeiro caos. Os funcionários não dão conta da demanda por atendimento pessoal e também falta dinheiro nos caixas eletrônicos.

E se a coisa já era ruim, ficou ainda pior com a greve bancária: na manhã desta quinta-feira, 8, segundo dia de greve, pessoas precisaram aguardar sentadas (foto) no chão da agência do BB de Itaporanga, que, mais uma vez, estava completamente lotada. A espera era pelo reabastecimento dos caixas eletrônicos. Os que mais sofrem são idosos, portadores de necessidades especiais e pessoas que vêm de longe em busca de atendimento bancário.

Sexo anal: um guia da primeira viagem

Técnicas e dicas para você alcançar o máximo prazer na modalidade. Do beabá para as iniciantes à toques mais que picantes para as adeptas mais empolgadas.


Em Itaporanga, mãe aguarda pesarosa o corpo do filho. É mais uma tragédia em sua vida

Por Redação da Folha e Isaías Teixeira – Aos 78 anos, a dona Creuza Oliveira vive mais uma profunda dor em sua vida, talvez até maior do que quando perdeu o marido, há mais de duas décadas e meia, também cruelmente assassinado. Agora terá a missão penosa de sepultar o próprio filho. O corpo de Mateus Júnior, de 47 anos, foi encontrado na tarde dessa quarta-feira, 7, em uma estrada próxima à cidade de Lajeado, que fica a cerca de 65 km de Palmas, onde o jornalista residia e trabalhava.

Desaparecido há quatro dias, o itaporanguense foi encontrado com as mãos e os pés amarrados, mas sem lesão aparente. Um laudo do Instituto de Medicina Legal (IML) vai apontar a causa da morte. O corpo de Júnior deverá chegar a Itaporanga por volta do meio-dia desta sexta-feira, 9, e o enterro vai ocorrer no final da tarde.

A movimentação já é grande na casa da mãe da vítima: dona Creuza reside na Rua Horácio Gomes e tem recebido o consolo de amigos e familiares, mas está profundamente abalada e abatida.

Famoso e muito querido na capital de Tocantins, onde vivia e trabalhava há anos, o corpo do jornalista foi velado na Assembleia Legislativa do Estado por amigos, políticos e companheiros de profissão antes de embarcar para sua terra natal. Uma irmã da vítima, que também é jornalista e mora em Campina Grande, está fora do país e ainda não sabe da tragédia que se abateu sobre sua família.

Em entrevista à imprensa tocantinense, o delegado Vinícius Mendes de Oliveira, responsável pelo caso, disse que oito pessoas foram detidas em uma casa no município de Nova Rosândia, a 119 km da capital, e quatro delas já tiveram a prisão preventiva decretada. Um outro acusado está foragido, segundo ainda a autoridade policial. As informações iniciais indicam que a vítima teria bebido com os acusados horas antes de desaparecer, inclusive em sua própria casa.

Um dos suspeitos do homicídio, que  havia confessado o crime, foi quem levou os policiais até o local onde estava o corpo do jornalista. Esse suspeito chegou a afirmar que a vítima morreu no porta-malas do seu próprio carro, onde supostamente foi colocado, porque tinha problemas respiratórios. A Polícia Civil investiga o crime como um latrocínio (roubo seguido de morte).

O jornalista foi visto pela última vez por volta das 2h do sábado em um bar localizado na zona norte de Palmas. A casa dele, que fica na zona sul, foi encontrada aberta e revirada pela empregada do jornalista nessa segunda-feira, 5, quando a mulher chegou para trabalhar. Acionada, a polícia chegou ao local e encontrou copos quebrados pelo chão, gavetas remexidas, piscina ligada e cheia de latas de cerveja. Uma televisão e outros objetos foram levados. O carro da vítima, um Honda Civic cinza, ano 2009, foi encontrado abandonado no estado de Goiás, nas proximidades do terminal  rodoviário da cidadezinha de Porangatu, a mais de 400 km de Palmas.

Um profissional bem-sucedido - Mateus Júnior foi um dos mais influentes jornalistas no Tocantins, onde exerceu importantes cargos públicos, a exemplo de secretário de comunicação do estado, na gestão do ex-governador Carlos Gaguim, e da Prefeitura da capital, na gestão do ex-prefeito Raul Filho. Também passou por grandes veículos de comunicação locais.  Atualmente ele trabalhava como assessor de comunicação da Federação da Agricultura do Estado (Faet) e era editor-chefe do jornal Stylo.

Tocantins de luto - Em notas de pesar distribuídas à imprensa, o ex-prefeito Raul Filho e a senadora Kátia Abreu (PMDB/TO), entre outros políticos do Tocantins, lamentaram a morte prematura de Mateus Júnior e exaltaram o jornalista como sendo um grande profissional e uma figura de fino trato. A Faet, onde ele exerceu seu último cargo público, também enviou nota à imprensa lamentando a perda do seu assessor, e reconheceu que o jornalista “muito contribuiu para o fortalecimento da instituição”. Manifestou ainda “respeito, admiração e gratidão pela morte do amigo e se solidarizou com a família “neste momento de dor para todos nós”.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

A Despedida Antecipada



A Despedida Antecipada
 (Rey Auca)

A esperança é a última que morre leitor. Quando se trata da vida ela nunca morrerá, pois na verdade o ser, o espírito, a individualidade, que pensa e que sente, que somos todos nós, jamais se acabará, mesmo quando da morte do corpo físico, que morre todos os dias. A temporada por essas bandas  é curta e o curso deve ser bem aproveitado na busca de valores. O Evangelho de Jesus é o maior manual, mas existem outros tão bons.

Não somos apenas essa pessoa, com esse RG, com esse CPF, somos muito mais, esquecidos temporariamente de quem realmente somos e iludidos com o que apenas pensamos ser.

Tem gente que consegue recobrar a sua essência maior, através de terapia de vida passadas, provando a tese da nossa imortalidade e há outros que o fazem conscientemente, mais isso é raro. Somos espíritos imortais viajando o tempo em busca do aprimoramento. Rimou de novo.

Morrer é mudar de lugar. O certo é que o corpo morre, “volta ao barro” e o espírito desencarna , seguindo firme ás suas conquistas. Se a vida se aniquilasse com a morte do corpo físico, Deus seria um gaiato e aplicaria a maior de todas as “pegadinhas”: Sonhos, buscas, família,amigos,  projetos, terminados definitivamente. Mas a razão e as provas dizem o contrário.
 
Como é tão fácil e simples morrer.

Essa semana nós tivemos a notícia triste do assassinato do nosso amigo em comum. “Junior de Creusa”. E como Creusa deve estar sofrendo! Essa é maior dor para uma mãe, se despedir de um filho dessas condições, ela que já passou por uma experiência similar, quando o seu marido foi morto por um dos inconscientes de plantão. Só o tempo poderá ajuda-la.

Mas, essa é uma certeza, certa. Quando nascemos, já começamos a morrer, o corpo. Mais cedo ou mais tarde a morte chega, por isso é preciso estar preparado e vivendo como se fosse o último dia. Todos têm o seu tempo. Sem considerar que moramos em um planeta atrasado, onde o orgulho, o egoísmo, a maldade de muitos, espíritos atrasados, ainda é a marca dos “inquilinos”,  desse planeta.

 Muitos partem antes do tempo, pela incúria ou pela falta de cautela de andar com amigos, que são verdadeiros inimigos.  Por trás está sempre a inveja. Talvez tenha sido isso o que acontecera com Júnior, que fora barbaramente assassinado.

Mas a morte do corpo não mata o espírito. Os materialistas acham essa defesa é um absurdo, mas absurdo mesmo é a vida se acabar com a morte do corpo e não teria sentido, pois a vida é inteligente demais para estar apenas no corpo e por tão pouco tempo. A “coisa” mais fácil que existe é morrer.

Eu já passei pela experiência, que para mim foi um curso de vida, de preparo interior. Quase morri em um terrível acidente de moto (ou de “Morte”), estava sendo considerado até improvável o meu retorno. Dias em coma.  Mas, uma vivencia espiritual ativa.  Não foi dessa vez, e precisei voltar para dar seguimento a minha vida, que jamais acaba.  Como diz o Evangelho segundo o espiritismo: “se fosse um homem de bem teria morrido”.É que a nossa vida, de verdade é a espiritual e aqui estamos passando apenas uma “chuva”. 

Ao meu amigo júnior as minhas melhores vibrações, na certeza de que foi apenas um “até logo”. Ele era e é grande, alegre, feliz e continua sendo. Espero que o seu velho Pai o tenha recebido para serenar o seu coração, geralmente nossos parentes, que foram na frente, vem nos receber. Então, quando você "acordar" e ver um deles, já sabe.
Fica em paz meu amigo, agora a verdadeira vida, sem as ilusões do caminho.
Quero terminar essas letras como uma mensagem linda do momento espírita, para reflexão, aos meus chegados, do espírito VICTO HUGOR, que foi um poeta romancista francês, que viveu no século XIX, falando da vida e da morte. Dizia ele:
A cada vez que morremos ganhamos mais vida. As almas passam de uma esfera para a outra sem perda da personalidade, tornando-se cada vez mais brilhante.
Eu sou uma alma. Sei bem que vou entregar à sepultura aquilo que não sou.
Quando eu descer à sepultura, poderei dizer, como tantos: meu dia de trabalho acabou. Mas não posso dizer: minha vida acabou.
Meu dia de trabalho se iniciará de novo na manhã seguinte
O túmulo não é um beco sem saída, é uma passagem. Fecha-se ao crepúsculo e a aurora vem abri-lo novamente.
 Força, meu amigo. “Mortos” somos nós, de ilusão.
Até logo...

PENSE NISSO, MAS PENSE AGORA MESMO, PENSANDO DIREITO
www.penssedireito.blogspot.com