sábado, 19 de março de 2016

19 de março - Aconteceu em Itaporanga

AS BIBLIOTECAS MUNICIPAIS


“Pela grossura da camada de pó que cobre a lombada dos livros de uma biblioteca pública pode medir-se a cultura de um povo.”
John Steinbeck

A Biblioteca Paulo Correia da Silva, ou o que restou dela, é o que um dia foi à primeira biblioteca pública da cidade, criada pelo então prefeito Sinval Pinto Brandão, em homenagem a esse sociólogo itaporanguense que teve sua vida ceifada por um acidente, quando ainda era muito jovem, contava com apenas 27 anos de idade. Paulo morreu no dia 13 de outubro de 1968.

Irresponsavelmente transferida para a periferia, pela prefeita Kátia Lucia Brasileiro, para dar lugar a sede a Agência do Banco do Brasil, coincidentemente a biblioteca funcionou na Avenida Padre Lourenço,, vizinho ao quartel do 13º Batalhão, até o dia que seu marido o médico Djaci Farias Brasileiro, foi eleito prefeito de Itaporanga.

A biblioteca era administrada pelo professor João Pereira. Mas pelo que consta o acervo só foi aumentado na gestão do prefeito João Franco da Costa. Djaci até propagou que nas comemorações do dia da cidade (9 de janeiro) a biblioteca voltaria a funcionar, mas ficou so na promessa, portanto hoje, depois de oito anos, o livros que compunham a Biblioteca Paulo Correia da silva se encontra relegados ao desprezo, amontoados e entregues as traças em uma sala do prédio da prefeitura municipal.

Um prefeito acabou e o outro, que gosta de ser chamado de professor abandonou! Podendo re-instalar esta casa de saber que tanto contribuiu e contribuiria na formação dos jovens estudantes das redes municipal, estadual e até particular, da cidade. É um total descaso.

Temos também a Biblioteca Monsenhor José Sinfrônio, que divide espaço com a Biblioteca Acadêmica do Polo Presencial da Universidade Aberta do Brasil, neste mesmo endereço (Av Padre Lourenço), mas que depois da aquisição da mesma pelo ex-prefeito Antonio Porcino Sobrinho, nunca teve seu acervo ou parco mobiliário atualizado. Funciona "de favores".

Finalmente temos a Usina do Saber, convênio da Prefeitura Municipal com o Serviço Social da Industria - Sesi, conseguida através de Djaci Brasileiro, quando era prefeito, mas que tem uma pequena quantidade de livros. A pergunta é... Porque a prefeitura, com três bibliotecas, abre somente uma vaga para bibliotecário, se a Lei reza, que cada biblioteca, deve ter alguém formado na área, para seu funcionamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou da matéria... Comenta, vai!