sábado, 7 de setembro de 2013

Manifestantes invadem desfile do 7 de Setembro e interrompem apresentação em João Pessoa


Manifestantes invadem desfile do 7 de Setembro e interrompem apresentação em João Pessoa 

  Desmaio do vice-governador, protesto e tumulto. As comemorações do 7 de Setembro em João Pessoa, foram mesmo diferentes este ano. O tradicional desfile alusivo ao Dia da Independência teve de tudo na capital. Durante o desfile, um grupo de manifestantes invadiu a avenida Tito Silva e interrompeu o desfile. O bloqueio aconteceu por volta da 12h próximo ao Departamento de Estrada e Rodagem (DER) e impediu por 20 minutos as apresentações que comemoram o dia da Independência do Brasil.

Os manifestantes, cerca de 40 pessoas, carregavam cartazes e davam gritos de ordem que pediam o passe livre em transportes públicos para os estudantes, o fim da corrupção e do desemprego. Alguns jovens que participavam da mobilização estavam com camisas cobrindo os rostos. De acordo com o coronel Adielson, que está comandando a segurança do evento, apesar da interrupção o protesto foi pacífico e o problema foi resolvido rapidamente.

Segundo ele, foi um interrupção momentânea e rapidamente resolvida, visto que os manifestantes queriam chamar a atenção para suas reivindicações. O coronel lembrou ainda, que o esquema de segurança foi montado para proteger todos, inclusive, os manifestantes. Ele afirmou que mesmo após os desfiles, a polícia continuará acompanhando as manifestações que deve acontecer no local. “Queremos proteger a todos. Estaremos aqui para dá assistência e intervir em possíveis desordens e pessoas mal intencionadas”, declarou.

Também, no início da manhã, alguns  manifestantes vestidos de preto e com cartazes se concentraram na frente do Lyceu Paraibano e de forma pacífica pediam pelo fim da corrupção.

Outro pequeno protesto foi registrado por volta das 10h30 de forma pacífica. Cerca de 30 concursados reivindicavam ao Governo do Estado a nomeação dos agentes penitenciários que concluíram o curso de formação, conforme, a determinação judicial. Os concursados vestidos de preto levaram faixa, bonecos, apitos e nariz de palhaço para protestar.
PB Agora

O OFICIAL DE JUSTIÇA


                    

O OFICIAL DE JUSTIÇA
                       ( Asmaa AbduAllah)
É com muita satisfação que representando a Direção do SINDOJUS-PA me dirijo aos colegas Oficiais de Justiça para parabenizar pelo dia alusivo a nós, Oficiais de Justiça.

Mas quem é o Oficial de Justiça ? quem somos nós ? o que fazemos ? qual é a nossa função ? o que nós representamos para a sociedade jurisdicionada ? para o poder judiciário, este composto por todos os operadores do direito ? alguns doutrinadores chamam o Oficial de Justiça de longamanus do Juízo, ou seja: mão longa.

Em uma reunião na comarca de Parauapebas, no Estado do Pará um Magistrado disse que vê o Oficial de Justiça como as mãos do Magistrado. Penso que de fato somos a longa manus da Justiça, porque chegamos até onde a Justiça precisa alcançar.

 Somos as mãos do Juiz porque materializamos as suas decisões. Mas também somos os olhos do Magistrado, porque é através das nossas certidões que o Judiciário toma conhecimento dos fatos e das ocorrências externas ao processo.

 A nossa imparcialidade no processo e a nossa fé publica gera atos processuais que colaboram para a decisão da demanda. Nós produzimos peças processuais. Somos Juízes Executores porque temos arbítrio para agir e escolher como agir no momento da execução dos nossos atos que se consumam com a entrega do que é de direito para alguém.

Caros colegas, através do nosso mister nós nos tornamos Especialistas em gente. Nos Mestramos em conflitos sociais. No nosso dia a dia interferimos na vida e no patrimônio das pessoas de todas as classes sociais. Muitas vezes somos psicólogos para ouvir as angústias dos envolvidos em contendas. E como não ouvir as agruras dos nossos semelhantes ?

Certa feita, reivindicando reconhecimento de prerrogativas do Oficial de Justiça, perante o Tribunal, um desembargador me perguntou o que eu pensava sobre o futuro do Oficial de Justiça. Eu respondi a ele que não há que se pensar no futuro do Oficial de Justiça, mas sim há que se pensar no Oficial de Justiça do futuro.

Graças a Deus, no Brasil, hoje diferente de um passado não muito remoto, a maioria dos Tribunais já exige conhecimento jurídico para o exercício da nossa função. Isso é a progressão necessária e lógica para pensarmos no Oficial de Justiça do futuro.

Pensem, caros colegas: não se pode ministrar um medicamento a uma pessoa sem antes se verificar a sua eficácia e seus efeitos colaterais. Assim é para o exercício da nossa função. Nós precisamos conhecer a eficácia e os efeitos colaterais de nossos atos e se não tivermos conhecimento do direito é impossível garantir esses dois efeitos. Um ato viciado, praticado por um Oficial de Justiça que não detém conhecimentos jurídicos pode acarretar a nulidade de um processo até lá no STJ, causando prejuízos não somente às partes, mas também aos Advogados e ao Judiciário.

Os Tribunais devem investir na atualização e na especialização dos seus Oficiais. De nada adianta o Judiciário investir apenas nos Magistrados se a ponta do iceberg que faz a Justiça “andar” é o Oficial de Justiça. A nós compete a entrega fática da prestação jurisdicional. Há quem delire dizendo que nossa função está próximo da extinção porém ela é tão antiga que está citada até no Livro Sagrado dos Cristãos, a Bíblia. E lá diz o seguinte: apressa-te e vai até o teu adversário e acorda com ele, antes que ele te leve ao Juiz, este te entregue ao Oficial de Justiça e este te lance na prisão

Parabéns, a nós, pelo nosso dia. E para finalizar deixo a justificativa do legislador, usada para retirar do CPC o artigo 143, IV, o qual dá margem a interpretações diversas permitindo, permitindo o seu mau uso, pelo intérprete. A justificativa diz o seguinte: “parece-me um erro designar o Oficial de Justiça como auxiliar do Juiz. Auxiliar é aquele que ajuda, ampara, dá assistência. Com atribuições exclusivas, o Oficial de Justiça realiza diligências e funções de uma esfera de competência própria e insubstituível. A sua missão requer moderação, coragem, sólida formação intelectual e muita sensibilidade humana. Pelas suas mãos a jurisdição se realiza e concretamente nele (0 Oficial de Oustiça) se espelha a face do Poder Judiciário”.


Com meu carinho: Asmaa AbduAllah. Vice-Presidente do SINDOJUS-PA.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

BOA NOTÍCIA! RAINÉRIO SE RECUPERANDO


BOA NOTÍCIA! RAINÉRIO SE RECUPERANDADO
(Reynollds Augusto)

 

O amigo leitor vai concordar comigo que estamos mergulhados na  Lei de  Deus, como um peixe está dentro d´água e que vivemos no  mundo da causalidade e não da casualidade. 

A vida é inteligente demais para que ela possa correr casualmente. Para que os fenômenos que experimentamos sejam “capricho” da causa , causal, que alguns apelidam de Deus, O Grande Arquiteto do Universo, Alá, e sei lá mais o que.

O fato é que tudo que nos ocorre serve de base para que possamos aperfeiçoar o sentimento e a inteligência, nos afastando as ilusões do caminho, que sempre nos atraem.  Os “sofrimentos”, as alegrias cabem certinho na vida de cada um , pois Deus, como disse Einstein, não joga dados. E sempre que experimentamos algo “atípico” à nossa rotina é um puxão de orelhas para que possamos voltar à estrada do aperfeiçoamento.

  mais ou menos 5 anos levei um desses puxões de orelhas. Sofri um grave acidente de moto, que me levou a alguns dias de coma, e muito sofrimento , principalmente para os familiares.  O médico dizia a família para se preparar, pois se eu sobrevivesse,  ficaria limitado e a família teria que ter muita paciência comigo. Ele estava errado.

Fiz algumas cirurgias espirituais de correção, além da física e hoje estou aqui contando a estória.  Alguns diriam que foi “milagre”, mas milagre é uma derrogação das leis da natureza. E Deus não derroga as suas leis. O que aparenta ser “milagre” são fenômenos naturais que o nosso orgulho  não consegue, ainda alcançar. Eu sei que foi interferência espiritual e estou na moratória.


Vou contar um segredo:  Experimentei no campo do “objetivo” todas as teses apreendidas na Casa Espírita, que é Jesus de volta. Mantive contado com espíritos amigos e retornei ao corpo físico mais senhor de mim mesmo . Acho  que todo mundo na vida  deveria passar por um estado de coma. (Brincadeira).

O fato é que o contato com o mundo espiritual nos permite ver a vida de forma diferente, procuramos, pouco a pouco, acabar com o orgulho e o egoísmo, as duas  grandes chagas da humanidade.

Mas, hoje quando sai para o trabalho encontrei com DELUCIA, a esposa dedicada do grande  RAINÉRIO, que é  uma das pessoas mais criativas que conheci. Ela  me disse que ele está se recuperando bem da interferência cirúrgica de correção e que, provavelmente, estará de volta à nossa terra daqui a 20 dias, pelo menos.

 Vi o brilho nos seus olhos e sentia ela mais forte, depois da travessia. Fiquei  feliz com a boa notícia e contente com o nosso amigo , que ficará mais “um pouco” conosco e que continuará os seus projetos à nossa Itaporanga.


O Idealizador do “FICA” ( Festival Itaporanguense de Cultura e Arte)  vai ficar conosco ainda por longos anos. Quem sabe até conviver com os seus netos e trazer muitas alegrias para todos nós.

E como disse o grande CHICO XAVIER :


“ Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode (re)começar agora e fazer um novo fim.

SEJA  VINDO AMIGO!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Bush pai manda condolências por engano sobre morte de Mandela

Bush pai e sua mulher, Barbara, em junho de 2012 (Foto: Charles Krupa/AP)


Condolências equivocadas em nome do ex-presidente George H. W. Bush, de 89 anos, pai de George W. Bush, foram enviadas neste domingo (1º) sobre a morte do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela. O comunicado foi divulgado erroneamente pelo porta-voz de Bush, Jim McGrath. Mandela deixou o hospital em Pretória neste domingo ainda em estado crítico.

No e-mail divulgado por uma agência de notícias norte-americana, Bush exalta a postura de Mandela na luta pela liberdade. Também cita o perdão concedido aos carceireiros após 26 anos de prisão “injusta”.

“Ele era um homem de tremenda coragem e moral, que mudou o curso da história do seu país. Barbara e eu temos um grande respeito pelo presidente Mandela, e enviamos nossas condolências a sua família e conterrâneos", diz o comunicado.

O porta-voz argumentou pelo Twitter, no entanto, que o equívoco sobre a morte de Nelson Mandela aconteceu com base em um alerta do Washington Post.

"Nós não temos nenhuma verificação independente dos acontecimentos na África do Sul”, argumentou McGrath, que assumiu o erro e pediu desculpas.
Mandela deixa hospital
O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela deixou o hospital em Pretória neste domingo, onde estava internado desde o dia 8 de junho por conta de recaída de uma infecção pulmonar, disse a presidência do país em um comunicado.

"Estado de Mandela continua crítica e por vezes instável. Entretanto, sua equipe médica está confiante de que ele vai receber o mesmo nível de cuidados intensivos em sua casa em Houghton (em Joanesburgo)", disse o texto.

Ainda segundo o governo, Mandela, "apesar das dificuldades, mostra uma imensa força" e vontade de viver.

Nelson Mandela, herói da luta contra o apartheid, foi hospitalizado em caráter de urgência em 8 de junho por uma infecção pulmonar e desde 23 de junho se encontra em estado 'crítico'. Nos últimos dois meses, a saúde do prêmio Nobel da Paz tem sido motivo de grande preocupação na África do Sul.
Madiba se tornou o primeiro presidente da África do Sul eleito democraticamente em eleições livres de restrições raciais em 1994, que marcaram o fim do regime do apartheid.

Ele passou 27 anos na prisão durante o regime da minoria branca, incluindo 18 anos na notória colônia penal da Ilha Robben. Sua infecção pulmonar remonta ao tempo em que era prisioneiro na ilha varrida pelo vento, onde ele e outros prisioneiros eram forçados a trabalhar em uma pedreira de calcário.
G1

domingo, 1 de setembro de 2013

O Palhaço e o Choque


O PALHAÇO E O CHOQUE
                                                                                 ( Felix Araújo Neto)

Ouvi, nas rodas de conversas, que um palhaço havia levado um choque e por isso morreu... Sim, o palhaço, o artista do riso, faleceu numa emboscada de fios e descarga elétrica.

Não sei, ao certo, onde estava o circo, não sei em que bairro pretendia armá-lo, em que rua, em que favela, em que recanto... Sei apenas, que o palhaço - o riso da meninada pobre - faleceu, tragicamente. 

Abalou-me a notícia. Chegou em ecos, em choro de imaginação... Claro! Aquele que fez tanta gente rir, trazendo alegria aos espíritos tristes, agora repousa em silêncio profundo, nos silêncios anônimos.

Vê-se um doloroso poema nesta acrobacia do destino.

Quem substituirá o palhaço nas graças dominicais, mascarando o rosto com a tinta triste do mais triste entre os felizes e infelizes? 
O palhaço, o operário do riso, também fazia o divino milagre de transformar palhaçadas em pão. Colhia do sagrado alimento circense. Sim, porque a arte, ali, era arte e a arte de viver!

No entanto, a vida é assim: o espetáculo da anarquia e da fragilidade do ser. Nunca imaginei que palhaços morressem... 
Contam que a criançada chorou por esse palhaço. Diziam, em soluços, que seus gestos ridículos, quanto mais assim eram, mais engraçados pareciam. As suas momices transformavam os lábios infantis em um só traço, no riso que não parava mais. Era ele, sempre ele, o maior choque de alegria, meio à gritaria dos meninos eletrizados, em alta voltagem de animação. 

Mas, uma corrente sombria de tristeza apagou um homem alegre. Fatalidade... Montando o palco do riso, tombou para sempre. Caiu o palhaço e seu sorriso. E com ele se foi o sonho iluminando das platéias... Por isso, hoje não tem espetáculo. E nunca mais terá espetáculo. E não haverá mais circo, nem meninos, nem alegria. Só um amontoado de fios serpenteando descargas de fogo e de morte. 

Nada mais haverá. Pois, naquele dia, armando o circo, o palhaço não sabia que desmontava o seu picadeiro. E as luzes se apagaram e os tambores soaram, pela última vez, em marcha fúnebre.

Morreu ESTRELINHA. E eu nem sei se acredito nisso! Morrer, decerto, é mais uma de suas palhaçadas. Só pode ser isso. Depois de trazer tanto riso à terra, foi levar algazarra ao céu. 

- Boa noite, palhacinho de Deus!