sexta-feira, 26 de abril de 2013

Ladrilhos hidráulicos - O nosso Mosaico


As peças podem ser aplicadas em paredes, áreas internas e externas. Conheça os tipos, o material utilizado e todos os cuidados na hora do assentamento e armazenagem

Reportagem: Thays Tateoka


Os ladrilhos hidráulicos fizeram muito sucesso nas décadas de 30 e 40 e, bonitos e versáteis (podem ser aplicados em várias áreas com diversos desenhos), começam a cair de novo no gosto das pessoas.  Por serem produzidos um a um, os ladrilhos são vendidos sob encomenda e é preciso cuidados extras na armazenagem e assentamento: as peças devem ser guardadas sobre paletes face a face e ser assentadas no estágio final da obra, para evitar que sujem ou quebrem devido à porosidade do ladrilho. A aplicação em calçadas e áreas públicas dispensa a resina protetora, mas a área também deve estar livre de sujeiras.

Normalmente o assentamento é feito com junta seca, sendo as peças colocadas próximas uma das outras. Caso o cliente opte pela colocação rejuntada, deverá utilizar rejunte especial fornecido pelo fabricante. Veja a seguir como assentar esse tipo de revestimento.

    Fotos: Thays Tateoka


Desenhos e formas

A partir da escolha do molde, é possível criar as mais diversas cores e paginações: borda, tapetes, contínuos, florais, patchwork* e acabamento de rodapé. No processo de montagem, o fabricante ou arquiteto deve fornecer a planta para facilitar o assentamento.

    * trabalho artístico com retalhos e sobras

Características técnicas


Os ladrilhos hidráulicos são fabricados artesanalmente, em moldes de ferro. São feitos com cimento branco, quartzo, diabásio e pó-de-pedra. Podem ser coloridos normalmente com até cinco tons, com base em 30 cores de tinta.

Os produtos levam o nome de ladrilho hidráulico porque passam cerca de oito horas debaixo d'água para a cura.

A espessura das peças varia de  2 cm a 3 cm e o tamanho padrão  é de 20 cm x 20 cm com resistência à tração na flexão de até 5 MPa.

Os ladrilhos possuem alta durabilidade desde que a instalação e manutenção sejam feitas de acordo com a orientação do fabricante.

As normas técnicas dos ladrilhos são: NBR 9457 - Ladrilho Hidráulico; NBR 9459 - Ladrilho Hidráulico - Formatos e Dimensões; NBR 9458/86 - Assentamento de Ladrilho Hidráulico.

Clique para ampliar

Passo-a-passo

Fotos: Marcelo Scandaroli

Material utilizado e equipamentos de segurança:


Luva, óculos de segurança, máscara, desempenadeira de aço, desempenadeira denteada, régua de alumínio de 1 m, colher de pedreiro, uma caixa de massa e trincha. Para o acabamento: rolo de pêlo curto, resina especial (fornecida pelo fabricante) e pano úmido alvejado limpo.

Preparação do contrapiso


1 Com o contrapiso nivelado e limpo faça uma camada de argamassa de aproximadamente 1 cm de espessura. Utilize a caixa de massa para evitar sujar o espaço e a desempenadeira denteada. No caso de peças com tons claros como bege, branco e craft-claro, opte pelo uso de argamassa branca.

Nivelamento das peças


2 O ladrilho possui de 2 cm a 3 cm de espessura e a diferença tolerável entre as peças é de até 2 mm.  Essa diferença deverá ser tirada durante o assentamento, colocando mais ou menos argamassa na face interior do ladrilho. Fique sempre atento para que as peças estejam com a mesma altura. Importante: certifique-se de que as pontas do ladrilho também estão com argamassa, para evitar que as peças trinquem depois de assentadas.

Assentamento


3 Pressione a peça para fixá-la. Nunca utilize martelo de borracha, pois o ladrilho pode trincar e marcar, ficando visível quando estiver molhado ou resinado. Caso haja respingos ou sobras, limpe imediatamente com esponja umedecida em água ou pano limpo para evitar que a argamassa seque e manche a peça. Se isso acontecer, será necessário passar levemente lixa d'água no 100.

Acabamento


4 Limpe a peça com um pano bem úmido e espere secar. Passe lixa d'água no 100 bem de leve e depois com a trincha remova a poeira.

Aplicação da resina


5 Utilize rolo de lã curto ou rolo de espuma para passar a resina, sempre no mesmo sentido (vaivém) e nunca em cruz. Serão necessárias três demãos, com intervalos de oito horas entre cada uma. É aconselhável também passar uma demão de cera industrial.

Obervação: após a primeira demão de resina, faça o reparo de pequenos espaços entre as peças com pó de rejunte. Limpe o  excesso com a lixa.

Cuidados pós-assentamento


6 Certifique-se de que as peças estão niveladas. Libere a passagem sobre o piso após 12 horas. Caso não seja possível, cubra os ladrilhos com um plástico e, por cima, utilize papelão microondulado. Jamais coloque papelão ou jornal diretamente sobre o piso para não manchar.

Dicas importantes
» Inicie a colocação dos ladrilhos puxando a linha para manter o caimento do contrapiso, alinhando e movendo o  esquadro normalmente
» Comece o assentamento pelo lado aparente para que, em caso de recortes, estes fiquem menos visíveis
» É ideal realizar o assentamento de até 1 m² por vez
» Em ambientes internos, você pode aplicar uma camada de resina  antes de realizar o assentamento. Para isso, limpe a peça, passe a resina e espere o tempo indicado de secagem. Com isso, haverá menos risco  de manchar a peça
» A manutenção posterior requer apenas água e sabão neutro e, se preferir, cera líquida incolor a cada 15 dias

Apoio técnico: Dalle Piagge

Visite a página do Facebook do Portal do Vale:

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Associações rurais e urbanas vão encaminhar abaixo-assinado à Receita pedindo isenção de multas


Pleito é justificado pelo fato das associações não terem assistência contábil por falta de recursos


Por Isaías Teixeira/Folha do Vale - O presidente do Conselho Municipal do Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS), do município de Diamante, Francisco Limeira Diniz, está divulgando e colhendo assinaturas para um abaixo-assinado que vai requerer da Receita Federal e da Fazenda Nacional um pleito justo: a anistia de multas das associações rurais e de bairros decorrentes da não entrega ou entrega em atraso das declarações de Imposto de Renda Pessoa Jurídica e das declarações de Créditos e Débitos Federais Tributários dos últimos cinco anos.

O documento, destinado a coletar assinaturas de todas as associações rurais e de bairros da região em dívidas com a União, será encaminhado à Fazenda Nacional e Receita Federal no final de maio, conforme apurou a Folha (www.folhadovali.com.br).

Francisco Limeira deseja colher o maior número de assinaturas. Para tanto, ele orienta os presidentes de associações que comecem a coletar assinaturas de todos os associados para, com mais força, sensibilizar o Governo Federal.

Para Limeira, com a seca que assola o Nordeste, a maior dos últimos 60 anos, as associações ficaram ainda mais fragilizadas e não têm como pagar as multas. A justificativa da anistia se dá, também, segundo o presidente do CMDRS, “pelo fato de a grande maioria destas pequenas organizações não terem acesso aos serviços de assessoria contábil e acesso à informação, além de baixo suprimento de caixa para arcar com as despesas destas multas”.

O abaixo-assinado solicita ainda a fixação de um prazo para as associações, que estão com ausência de declarações em seus relatórios de situação fiscal, entregá-las sem serem multadas, “ficando assim livres da multa e aptas a movimentarem seus CNPJs na busca de recursos e projetos para melhorar a vida das pessoas que mais necessitam”, enfatiza Francisco Limeira.

O documento será entregue a Luiz Fernando Teixeira Nunes, Superintendente Regional da Receita Federal (RF) do Brasil - 04ª R.F; Carlos Alberto Freitas Barreto, Secretário da RF; e a Adriana Queiroz de Carvalho, Procuradora-Geral da Fazenda Nacional.