quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Chuvas devem ficar abaixo do esperado na Paraíba


O Instituto Nacional de Meterologia (Inmet) divulgou nesta segunda-feira (28) a previsão climática para os meses de fevereiro, março e abril deste ano para todo país.

Segundo o instituto, a tendência é de chuvas escassas e irregulares até o final do mês de fevereiro na Paraíba.

Para os meses de março e abril, há maior probabilidade de chuvas, contudo, o prognóstico é que o volume de chuvas deve variar entre normal e abaixo do esperado.


De acordo com o Inmet, na faixa leste do Nordeste, que compreende o litoral, o volume de chuvas deve variar entre 200 e 700 milímetros. Nesta área, a média da temperatura máxima para o trimestre é de 26º a 32º C, e a mínima é de 18ºC a 24ºC, sendo que os menores valores (18ºC) ocorrem na região central da Paraíba.

De acordo com a meterelogista da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), Marle Bandeira, a previsão do Inmet é semelhante à feita pela agência. “Com as atuais condições oceânicas e atmosféricas, neste trimestre, a tendência é de que deverão ocorrer chuvas irregulares com padrões dentro da normalidade, especialmente o Sertão, Cariri e Curimataú, na Paraíba”, destacou.

Acrescentando que “isto significa que algumas localidades poderão receber uma quantidade de chuvas menores do que outras, sendo fundamental o monitoramento contínuo das condições atmosféricas sobre a Região e das condições oceânicas".

Ela explicou ainda que não deverá haver o prologamento, em 2013, da estiagem ocorrida ano passado. “A evolução atual dos campos atmosféricos e oceânicos apresentam uma tendência favorável a melhoria da qualidade do período chuvoso a partir do final de fevereiro e início do mês de março”, concluiu.

Luiza Santos

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Imagem do Dia: desafios no meio do caminho. A luta para asfaltar uma estrada entre duas serras

O trabalho é em um trecho da PB-382, entre Caiana e Serra Grande


Por Redação da Folha Manhã desta terça-feira, 29, no sítio Saco, município de Serra Grande. Ao longe, ouve-se o gemido das máquinas e a luta sem tréguas de homens.

A batalha que se trava é para se conseguir pavimentar um dos trechos mais difíceis da rodovia PB-382, entre São José de Caiana e Serra Grande, devido à irregularidade do terreno, alternando grandes depressões e expressivas altitudes.

Cruza o Saco um violento riacho, que costumava deixar Serra Grande isolada nos períodos chuvosos. Foi preciso construir uma ponte sobre seu curso, porque bueiros não suportariam a força de suas águas. Foto www.folhadovali.com.br