terça-feira, 13 de novembro de 2012

O Renovado Titico Pedro


O Renovado Titico Pedro

(Reynollds Augusto)

 

Eu não sei quando, especificamente, comecei a ter contato mais direto com Titico Pedro. Talvez a nossa amizade tenha se reforçado dentro dos arraiais espíritas. Escola de vida, rumo à felicidade.  

 

O que sei é que há muito tempo nós estávamos mais próximos e com a ideia de trazer um sistema de comunicação para Itaporanga. Àquela época, só existia a finada difusora de ANDRÉ SOARES, que por muitos anos foi a voz de Itaporanga. Eu me interessei em ajuda-lo para levar ao povo a beleza do pensamento espírita, que é Jesus de volta. Ele também tinha esse propósito, depois de experiênciar um desses episódios espirituais, que o vulgo não acredita.

 

Ajudei a montar a “RÁDIO ALTERNATIVA” que foi um sucesso na cidade. Ruas, praças, ouvindo a bela música ambiente durante os dias e noites da rainha do vale. A garotada se reunia próximo aos postes, nos bancos. Os namorados se encontravam nas praças para ouvir as belas músicas românticas. Todos telefonavam para o estúdio para interagir com os demais ouvintes da cidade. Declarações de amor, oferecimento de músicas, embelezavam as ruas da cidade. Itaporanga àquela época tinha trilha sonora.  Tempo Bom.

 

Depois surgiu a possibilidade de se pleitear uma Radio, de verdade. A lei das Rádios Comunitárias estava em voga. Concorremos mas estava demorando “pra caramba” o desfecho. Titico, como advogado, pleiteou ao Juiz estadual liminarmente, para que a Rádio fosse ao ar, até que a lentidão do congresso fosse exaurida. Conseguimos. Estávamos no ar precariamente, mas por muito tempo. Assim surgiu a nossa tão querida Rádio Boa Nova FM, que depois foi autorizada em definitivo.

 

Titico sempre foi um benfeitor de Itaporanga e quer o seu progresso, de verdade, e sem as intenções escusas dos aproveitadores de plantão. Essa semana eu estava preocupado com a sua saúde psicológica, pois precisou extrair metade da perna, por conta da silenciosa e famigerada diabetes. E nessa altura do campeonato. O acontecido o deixou meio que depressivo e quem não ficaria?

 

Arregimentei um “exército” de amigos para recarregar as suas baterias e fazer com que ele visse a situação por uma ótica diferente. A primeira vez que conversei consigo, estava com a voz embargada e cheio de dúvidas. Mas hoje, eu senti aquele retorno de alegria daqueles homens que não se deixam abater e que não deixa a fronte permanecer ao chão, quando cai , soerguendo para seguir em frente, continuando a marcha. É como diz a música: “levanta sacode a poeira e dá a volta por cima”.

 

Na hora de provação é bom ter os amigos por perto. Enche-nos de força eles repetirem aquilo que nós já sabemos.  A vida é um desafio constante.

 

A veneranda JOANA DE ANGELIS, espírito responsável pela condução do grande DIVALDO FRANCO, já nos disse que nós, os seres humanos, transitamos em um processo evolutivo e que quase sempre somos “crucificados” por problemas que elaboramos para nós mesmos. O que vem a nós nos chega por nossa conta e que só conseguiremos nos desvencilhar deles quando conquistamos a verdadeira saúde que é um estado íntimo de equilíbrio, de harmonia entre os desafiantes conflitos que a todos assaltam a cada instante.  Sem estamos desequipados interiormente sofreremos mais do que problema nos poderia permitir. Titico está bem, feliz, experimentando a outra ótica da vida. Podemos carregar as nossas cruzes sem nos submetermos às imposições mesquinhas de quem quer que seja, tornando-nos livres para aspirar e conseguir, enfatiza.

 

Em dezembro Titico estará conosco e nós pedimos a Deus força para que ele continue firme, pois a caminhada do espírito é longa e não tem termo.

 

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO


 

 

 

 

domingo, 11 de novembro de 2012

DANDO UM GIRO PELO SERTÃO


Dando Um Giro Pelo Sertão

(Reynollds Augusto) 

Umas das vantagens de ser Meirinho ou, Oficial de Justiça, é que o gente administrativo “anda” com intensidade e percebe um pouco a realidade vivida por muita gente, “nesse sertão de cabra macho e cabra valente também”.


A vida de gabinete é fria, longe da realidade pujante e quem traz para o juiz outros aspectos dessa vida exterior ao processo é exatamente o meirinho, que vê o drama e a realidade das formas. É por isso que se diz que o Oficial de Justiça são os olhos e os ouvidos do juiz. Pouco jurisdicionado conhece o Juiz, mas todo cidadão sabe quem é o  Oficial de Justiça.


Ontem eu realizei aquele “tur” próprio da função e fui longe.  Na realidade os dois instrumentos do Oficial de Justiça são a Moto e a caneta.  A moto que transporta o meirinho a lugares inimagináveis e a caneta para fazer concreto as decisões do juízo. O meritíssimo aprecia o direito, movimenta o processo, comanda, manda, e o Oficial de Justiça, no outro extremo, faz real, o abstrato das decisões dos gabinetes.  A moto para o Oficial é como a enxada, do irmão da roça. Sem ela não se trabalha. A caneta é a “arma” da jurisdição. Sem ela, também, nada se pode fazer.


Eu digo aos meus colegas que nós deveríamos ganhar uma espécie de gratificação especial do tipo: “gratificação de psicologia jurídica’”. Uma grande parte pessoas que procura o judiciário, em nossa região, é gente do campo, sofredora, necessitada, que tem o seu direito procrastinado pelos órgãos de previdência social. Trabalharam duro anos a fio e no final tem as suas aposentadorias indeferidas. Ainda bem que procuram o judiciário para fazer justiça. E eles, nos atos das diligências, choram, contam os seus dramas, falam da seca, desabafam conosco. E nós os aconselhamos, limpamos um pouco as suas lágrimas.  


A justiça comum estadual é órgão que mais trata dos diversos dramas sociais. Como não é especializada, trata de todo o resto.


- Doutor até quando viveremos tantos problemas sociais?

- ADVOGADO: Espero que por muito tempo, senão perderemos o emprego.

- (?)

 
Mas o bom mesmo é não ter problemas, viver em uma sociedade equilibrada, ajustada, feliz. Esse alcance ainda está longe de ser realizado, pois somos todos espíritos atrasados, em franco processo de evolução.
 

Mas o nosso sertão está seco, cinza, triste.  Confesso a vocês que estou preocupado, mas certo que com as leis naturais não há erro, não há equívocos, o que há são ajustes próprios.  Somos espíritos que temos compromissos com essa região. A terra é bela, fértil, de um povo acolhedor, feliz, apesar dos dramas da seca.


O problema não é da natureza, o problema é de governo. A falta d´agua é consequência de falta de política pública para esse setor. Os nossos invernos são invejáveis, mas perdemos mais ou menos 70 por cento da chuva que cai do céu, sem conseguir acumular o necessário , e quando a seca volta e ela sempre voltará, ficamos vivendo esse drama todo.  Cobrando, chorando, se humilhando.


O momento de discutir a seca é também no inverno, para cobrarmos dos políticos movimento até a próxima seca, que virá.  


Em Israel, no deserto, pasmem, eles produzem alimento que conseguem atender a 90% da demanda interna e geram excedentes para exportação.  E NO DESERTO!  Dê uma espiada (http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,ERT292798-18281,00.html). Por lá a seca é sempre maior. Nós aqui sofremos por descaso e falta de consciência política. O povo, coitado, não conhece, ainda a sua força.


O mestre Luiz Gonzaga, que fez o seu centenário, já nos alertou em torno disso. Queria dizer que a seca faz parte da nossa região e que precisaríamos lidar com ela, até os fins do tempo.

 

Ó Deus, perdoa esse pobre coitado...

 

DEUS MANDA CHUVA

 

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

www.pensenisso.itaporanga.net