sábado, 13 de outubro de 2012

Juventude Unida

Juventudes Unidas Para Comemorar o Dia das Crianças

(Reynollds Augusto)



A união faz a força e a força muda os contextos. Há forças e forças. A força do bem realiza prodígios, alcança as pessoas, atrai a felicidade. Quando Jesus disse que “haverá um só rebanho e um só pastor”, não é que existirá tão somente uma religião, é que as religiões estarão unidas pela força do amor.


Haverá, como sempre houvera, encontros de grupos diversos, pois eles se atraem por vibração, mas os grupos não estarão separados e sim unidos para produzir no mundo a proposta de Jesus , que é um segmento da verdade, diante de tantas verdades que existem no mundo, indo em direção à única verdade existente, que está com o super-hiper-mega-ultra cientista criador da vida que é Deus.


Como diria o grande Beatles, John Lennon, “Imagine”.


Esse encontro dos “jovens Demolays”,da maçonaria Eddeus Feitosa; as futuras “filhas de Jó”, da maçonaria 20 de outubro; Jeita (Jovens Espíritas de Itaporanga) do Centro Espírita Jesus de Nazaré; Jovens da pastoral da Igreja Católica e alguns da Igreja Evangélica demostram isso. É a união dos cristãos produzindo alegria.

 
A garotada conduziu as crianças de TIA ANATÁLIA, que faz um trabalho decenário com crianças carentes, ao Campestre Clube de Itaporanga e fizeram a festa. Músicas, brincadeiras, violão, tetro, comidas gostosos. A juventude toda pintada, brincando, cantando, sorrindo e trazendo paz e união. Fique orgulhoso com as minhas filhas, estou orgulhoso com essa turma jovem que sabe o que quer e optou pelo melhor. Quem disse que em Itaporanga o jovem só tem bebida alcoólica para de divertir. Isso é conversa fiada.

 
Que os jovens do bem, da consciência e da União inventem outras formas de ficarem juntos novamente. Brincando, sorrindo, vivendo, alegrando os outros, sem preconceito e com muito amor no coração. Esses momentos é que fazem com que a nossa estadia aqui no planeta valha a pena

 
PARABENS A TODOS!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO


www.reynollds.blogspot.com

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Sempre Foi Assim


Sempre Foi Assim

(Reynollds Augusto)


Ninguém faz nada sozinho e é por isso que o ser humano não consegue viver fora da sociedade. Sem o outro nós não nos sustentaríamos e viveríamos sempre tristes. A primeira célula social é a família e é nesse laboratório que aprendemos a sentir, a viver a amar. Uma família equilibrada nos permite forjar personalidades equilibradas, pois o principal papel da reencarnação é a reeducação. Se no retorno ao “bojo” orgânico o ser humano não conseguisse mudar, não teria sentido a reencarnação, o “nascer de novo”, na firme proposta milenar defendida por Jesus de Nazaré, o espírito mais evoluído que já veio por essas bandas.


Hoje, no ESLE DO CENTRO ESPÍRITA JESUS DE NAZARÉ, de Itaporanga, discutimos a família como proposta principal e outros temas anexos para reforçar o nosso comportamento rumo ao aperfeiçoamento.


Começamos com a mensagem de reflexão de Corrinha, que falou sobre a palavra. A palavra é a “arma” da harmonia, mas, pode ser também, uma arma, de verdade, que fere as pessoas e muitas vezes matam esperanças, aniquila os estímulos. Descobrimos que podes AUXILIAR com a verdade, ou, ANIQUILAR com essa mesma verdade. Uma palavra mal dita pode ferir fundo a alma, se ainda somos pessoas atrasadas espiritualmente. É por isso que ainda prevalece o velho aforismo, simplório, mas eficiente:


“Deus nos deu dois ouvidos e uma boca, para ouvir mais e falar menos”.


Cuidado com o que você fala. Pode matar a esperanças das pessoas e não temos o direito de ser juízes de ninguém. Quem somos nós?


Continuando, discutimos a nossa primeira dica, nessa fase de leituras de livros, o texto do ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ, uma vez que já estudamos a vida de JERÔNIMO MEDONÇA e a sua vida reforçou as nossas vidas. A dica de leitura do primeiro livro foi da ESLEANA Suely, que não perde um encontro do Esle.


O público é volátil, como voláteis são as nossas buscas. Somos espíritos ainda descompromissados com o que acreditamos e isso faz parte do PLANETA DE PROVAS E EXPÍAÇÕES, em que vivemos. Jesus sabia disso, é por isso que a vida não tem pressa para o nosso aperfeiçoamento. É por isso que somos imortais. O caminho é longo. Vai havendo uma seleção natural e própria. Quando Jesus começou o seu apostolado tinha mais de quinhentos seguidores, com o tempo ficou menos da metade, depois ficou só 46 (quarenta e seis), terminou com, 12 (doze) e desses alguns fizeram uma bobagens com ele e ele nem se abalou.


Na casa espírita é assim.


Uma das nossas participantes estava triste porque queria espalhar essa boa nova aos seus amigos e eles criticaram. É normal que quando descobrimos algo belo tenhamos o impulso de espalhar a todos. Aconteceu comigo, e dei com os “burros nágua”. Mas é natural. Nem todos estão maduros para entender o processo. Tem a ver com aquele MITO DA CAVERNA DE PLATÃO. Alguém que estava preso, solta as amarras da caverna escura, saí e ver o mundo lá fora, com a beleza que conhecemos, sol, ar, vida, se encanta e volta para contar a novidade aos outros amigos, que continuavam presos, amarrados , virados para a parede. Todos o criticaram, dizendo que ele estava doido. O amigo ficou triste, mas seguiu o seu destino. Com o Espiritismo, que é JESUS de volta, também é assim. O escuro da caverna e o preconceito nos deixam amarrados às ilusões. Mas a vida não tem pressa.


Finalizamos discutindo o texto “Laços de Família”. Pense em um debate bom, esclarecedor. O Texto discutido diz mais ou menos assim:

A reencarnação fortalece os laços de família, ao passo que a unicidade da existência os rompe.

18. Os laços de família não sofrem destruição alguma com a reencarnação, como o pensam certas pessoas. Ao contrário, tornam-se mais fortalecidos e apertados. O princípio oposto, sim, os destrói.

No espaço, os Espíritos formam grupos ou famílias entrelaçados pela afeição, pela simpatia e pela semelhança das inclinações. Ditosos por se encontrarem juntos, esses Espíritos se buscam uns aos outros. A encarnação apenas momentaneamente os separa, porquanto, ao regressarem à erraticidade, novamente se reúnem como amigos que voltam de uma viagem. Muitas vezes, até, uns seguem a outros na encarnação, vindo aqui reunir-se numa mesma família, ou num mesmo círculo, a fim de trabalharem juntos pelo seu mútuo adiantamento. Se uns encarnam e outros não, nem por isso deixam de estar unidos pelo pensamento. Os que se conservam livres velam pelos que se acham em cativeiro. Os mais adiantados se esforçam por fazer que os retardatários progridam. Após cada existência, todos têm avançado um passo na senda do aperfeiçoamento. Cada vez menos presos à matéria, mais viva se lhes torna a afeição recíproca, pela razão mesma de que, mais depurada, não tem a perturbá-la o egoísmo, nem as sombras das paixões. Podem, portanto, percorrer, assim, ilimitado número de existências corpóreas, sem que nenhum golpe receba a mútua estima que os liga.

Está bem visto que aqui se trata de afeição real, de alma a alma, única que sobrevive à destruição do corpo, porquanto os seres que neste mundo se unem apenas pelos sentidos nenhum motivo têm para se procurarem no mundo dos Espíritos. Duráveis somente o são as afeições espirituais; as de natureza carnal se extinguem com a causa que lhes deu origem. Ora, semelhante causa não subsiste no mundo dos Espíritos, enquanto a alma existe sempre. No que concerne às pessoas que se unem exclusivamente por motivo de interesse, essas nada realmente são umas para as outras: a morte as separa na Terra e no céu.

Quinta vamos continuar o debate. Vamos! `


Quer sair da Caverna?


PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

www.reynollds.blogspot.com

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Marcas do Passado I

Marcas do Passado I


Os registros são do escritor JONAS LEITE CHAVES. Começa com uma sinopse explicando“que o seu livro MARCAS DE UMA RAÇA resultou de um trabalho em que o autor pretendeu alcançar, de alguma forma, diferente segmentos interessados em conhecer a pesquisar aspectos locais da HISTÓRIA DA PARAÍBA.

No Capítulo LINHAS DO TEMPO o leitor tem acesso à estruturação genealógica da família JENIPAPO a partir da chegada do português ANTONIO FONSECA GOMES ao VALE DO PIANCÓ, por volta de 1750- encerrando na quinta geração.

Também, na continuidade encontra um sumário da montagem de todo o PROCESSO POLÍTICO DA FAMÍLIA JENIPAPO, a partir da origem de MISERICÓRDIA, a condenação dos acusados, a transferência para a CASA DE DETENÇÃO da Capital do Estado e a íntegra do Recurso Interposto pelos advogados GUILHERME GOMES DA SILVEIRA e IRINEO JOFILY ao Tribunal de Justiça da Paraíba, PB, como o acórdão da Corte de Justiça e o arquivamento do processo.

No capítulo seguinte vem um estudo bibliográfico do Mons., MANUEL FLORENTINO FERREIRA GOMES DA SILVA, sua ida para os estudos, em FORTALEZA, capital do Estado do CEARÁ, bem como as profundas consequências benéficas para toda a família.

Logo em sequência o autor traça o perfil biográfico do DR. José Gomes da Silva, sua atividade profissional da medicina humana e de sua profícua participação nas atividades políticas da PARAÍBA e no PAÍS, começando por seu retorno ao Sertão Paraibano.

A narrativa de sua vida política começa com a sua eleição para prefeito de sua terra natal, MISERICÓRDIA, em cujo período de mandato aconteceu a Revolução de 1930, tendo Dr. José Gomes liderado no Vale do Piancó a capannha que elevaria Vargas ao poder.

Também, no mesmo capítulo o leitor tem acesso à intensa vida do biografado, como Deputado Federal Constituinte e seu período como interventor Federal do Estado da Paraíba, ocasião em que presidiu a eleição democrática para governador, em que foi eleito o DR. OSVALDO TRIGUEIRO, cuja posse encerrou nos últimos resquícios do Estado Novo Implantado por Getúlio Vargas, em 1937.”

Essa é uma viagem segura e convido os Itaporanguenses do mundo a conhecerem, a partir de agora, as memórias do escritor Jonas Leite Chaves. Eu, particularmente, estou encantado com os registros. Na medida do possível, e no meu tempo pessoal, vou digitando os textos. O meu amigo ARIOSVALDO sugeriu que eu digitalizasse, eu disse que preferia andar sorrateiramente por esse mundo dos fatos passados.

Quero tributar essa ideia ao grande poeta, cantor, entusiasta de Itaporanga, NILTON MENDES, que me forneceu esses registros para publicação.

O LIVRO MARCAS DE UMA RAÇA, do escritor JONAS LEITE CHAVES, tem muito a nos ensinar.

Quem não sabe do seu passado, não compreende por completo a sua vida.


Vamos “viajar”...

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Quem Tem Medo da Morte?


Quem Tem Medo da Morte?

(Reynollds Augusto)


Há uma frase construída pelo Professor Allan Kardec que retrata muito eficientemente o sentido da vida: “Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei”.

Eu gosto dessa frase, pois ela explica, como muita lucidez, a nossa condição de espíritos criados para evolução. A vida não começa no berço e tampouco termina com a morte do corpo físico. Se assim fosse, Deus teria nos enganado com uma grande pegadinha e não teria sentido o existir.


Refiro-me à vida do espírito, que é imortal e que viaja pelo tempo, que não existe; rumo á perfeição, relativa, pois a absoluta só Deus a possui. Os religiosos apelidam isso de salvação e nós, espíritas, de evolução ou progresso. São ciclos milenares permitidos pela reencarnação, que hoje está sendo estudada em universidades e que, no tempo certo, virá à tona, quebrando os nossos preconceitos acerca do mundo espiritual, que existe e preexiste a tudo. Já estou vendo como será estudado o ciclo da vida: nascer, crescer, reproduzir, envelhecer, morrer e reencarnar. Não duvide.


Eu faço minhas as palavras do grande pensador grego Sócrates, um dos precursores da ideia cristã, quando asseverara que “o que sei é que nada sei”. O nosso saber está limitado às nossas percepções físicas, mas como a ordem de Deus é evolução, ela termina funcionando como força propulsora às ideias renovadas, que são frutos da experimentação e do saber qualificado.


O nosso tempo aqui na Terra é muito curto e ele fica cada vez menor quando usamos mal o instrumento, que é o corpo. Noites sem dormir, orgias, desgastes, aniquilam o tempo que Deus nos concedeu, que chamamos de energia vital.


Deolindo Amorim, no livro Espiritismo em Movimento, esclarece que os nossos genes possuem registros para viver “X” anos, mas que tal prazo pode ser modificado por atividades autodestrutivas ou intervenção espiritual para diminuir o alongar a duração da vida.


Talvez tenha sido exatamente isso que acontecera comigo há alguns anos atrás. A minha imprudência me levara a um acidente de moto, tinha tudo para morrer, fiquei em coma por vários dias e apreciei bem o “lado de lá”, que está guardado em minha memória até hoje. O descrente vai dizer que isso foi coisa da pancada. A razão dirá que dei uma passadinha pelo mundo que nos aguarda e de que, de acordo com a condição espiritual, será bom ou ruim.


De uma coisa tenho certeza: Morrer não dói e em muitos casos é até um alívio. Mas para se viver plenamente, importa que não morramos moralmente. Essa sim é uma morte, de verdade.


PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO.

ABORTO, NÃO!

Aborto - Visão Científica e Espiritual


1. O direito do ser humano à vida é um direito indisponível, desde a concepção, a partir do momento em que o espermatozóide penetra no óvulo, fertilizando-o.

Esse direito é defensável cientificamente, tanto no campo do Direito quanto no âmbito da Medicina.

Essa posição da Ciência é coincidente com a dos Espíritos reveladores, quando, em O Livro dos Espíritos, responderam à pergunta 358:

"Constitui crime a provocação do aborto, em qualquer período da gestação?

"Há crime sempre que transgredis a lei de Deus. Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por isso que impede uma alma de passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando."

No que respeita à ligação do Espírito ao corpo, em nova encarnação, quando se inicia, de fato, uma nova existência física, na Terra, a resposta à questão 344, de O Livro dos Espíritos, é incisiva:

"Em que momento a alma se une ao corpo?

"A união começa na concepção, mas só é completa por ocasião do nascimento. Desde o instante da concepção, o Espírito designado a habitar certo corpo a este se liga por um laço fluídico, que cada vez mais se vai apertando até ao instante em que a criança vê a luz [...]."

O art. 5o, caput, do cap. I, dos Direitos e Garantias Individuais, da Constituição Federal de 1988, inscreve o cânone da "inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade [...]", que, ipso facto, estende-se, sem dúvida, ao nascituro. Isso significa que a Constituição vigente revogou a legislação ordinária (Código Penal) quanto à descriminação do aborto provocado nos casos previstos. Essa exegese é partilhada por Ives Gandra da Silva Martins, dos mais renomados constitucionalistas pátrios, que assevera: "A lei penal, que permitia o aborto em duas hipóteses (estupro e perigo de vida para a mãe) não foi recepcionada pela Constituição de 1988". Comunga também da mesma opinião Zalmino Zimmermann, presidente da Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas (Abrame), em trabalho jurídico elaborado a pedido da Federação Espírita Brasileira (FEB) e distribuído a todos os magistrados brasileiros[1]. E está com a razão ao asseverar, quanto à legalização do aborto no Brasil: "Só restaria a hipótese de uma emenda constitucional". E acrescenta:

"Todavia, o art. 60, § 4o, da Constituição, impede totalmente a deliberação em torno de qualquer proposta de emenda tendente a abolir ?os direitos e garantias individuais?", citando Ives Gandra, mais uma vez, quando este proclama que o nascituro "não pode ser condenado à morte por lei ordinária".

2.No que tange às razões médico- científicas, Marlene Rossi Severino Nobre, presidente da Associação Médico-Espírita do Brasil (AME-Brasil), em trabalho do gênero, elaborado também a pedido da FEB e que fora, por sua vez, encaminhado a todos os magistrados do Brasil, demonstra o anticientificismo do aborto, mesmo tratando-se do anencéfalo, citando cientistas de nomeada, em nações consideradas muito civilizadas[2], Assinala, em seu trabalho, uma espécie de síntese de seu livro O Clamor da Vida[3], que nossa caminhada evolutiva, desde o princípio, através dos ciclos planetários, até ao advento da razão, ascende à cifra ciclópica de 3 bilhões e 800 milhões de anos, segundo dados da Ciência (Geologia, Biologia, Paleontologia, etc.) .Acrescenta, depois, que no zigoto ou célula-ovo (o óvulo depois de fertilizado) estão os germens de sua evolução fisiológica, até que ocorra o nascimento, repetindo, na gestação, por via da ontogênese, toda a sua evolução filogenética de bilhões de anos. Daí poder-se afirmar que "a ontogênese recapitula a filogênese".

No livro citado, à página 126, diz Marlene Nobre:

"Do zigoto ao feto, o ser parte de uma única célula, para a extraordinária complexidade multicelular do surpreendente recém-nascido, passando, nas primeiras semanas do desenvolvimento embrionário, por todas as etapas principais que atravessou: ser unicelular, peixe, anfíbio, réptil, ave, e, finalmente, mamífero superior."

É preciso que fique claro que, à luz da revelação espírita, a evolução do ser se processa nos dois planos, físico e extrafísico, em obediência a um Planejamento Inteligente.

O corpo espiritual, ou perispírito, funciona como um depósito psíquico, na infinda caminhada evolutiva do ser, arquivando o acervo arquimilenar das experiências adquiridas, refletindo, relativamente, no corpo físico, toda vez que o Espírito retoma a existência corpórea. Assim, toda a embriogênese obedece ao molde do Espírito - o perispírito. De estrutura tridimensional, nele está registrada a súmula das fases evolutivas pelas quais transitou a espécie, no passado, até chegar à época atual. Na verdade, é o perispírito que guarda a forma específica de cada ser. É esta, noutras palavras, a lição do prof. Hernane Guimarães Andrade, de saudosa memória, que preleciona:

"Ao efetuar sua ligação com o ovo - organismo monocelular - o MOB [Modelo Organizador Biológico] inicia a recapitulação da história de sua espécie, nele gravada em forma de estruturas espaço-tempo sucessivas. A estrutura espaço-tempo total do MOB apresenta uma organização definida e característica para cada espécie viva[4]."

No mesmo sentido, André Luiz, em Evolução em Dois Mundos[5], informa:

"É assim que dos organismos monocelulares aos organismos complexos, em que a inteligência disciplina as células, colocando-as a seu serviço, o ser viaja no rumo da elevada destinação que lhe foi traçada no Plano Superior, tecendo com os fios da experiência a túnica da própria exteriorização, segundo o molde mental que traz consigo [...]."

Na visão espírita, os argumentos de cunho científico e filosófico, somando- se ao sentimento de amor e solidariedade universais (Religião no sentido cósmico), revigoram a convicção de que o aborto, em qualquer das alternativas, é crime, crime hediondo, contra quem não tem como se defender.

Realizado o aborto, mesmo no caso de pretensa permissão legal, o Espírito reencarnante, revoltado pela perda da oportunidade de retornar à liça da experiência física, que lhe seria tão útil e necessária, pode voltar-se, odioso, contra a mãe e todos os partícipes da interrupção da gravidez. Daí Emmanuel dizer:

"Admitimos seja suficiente breve meditação, em torno do aborto delituoso, para reconhecermos nele um dos grandes fornecedores das moléstias de etiologia obscura e das obsessões catalogáveis na patologia da mente, ocupando vastos departamentos de hospitais e prisões[6]."

REFERÊNCIAS

[1] O Direito à Vida no Ordenamento Jurídico Brasileiro - Abrame.

[2] A Vida contra o Aborto - AME-Brasil.

[3] O Clamor da Vida. Editora e Gráfica Vida Consciência, 2000.

[4] ANDRADE, Hernane G. Espírito, perispírito e alma. Cap. IX, p. 216-217.

[5] XAVIER, Francisco C.; VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito André Luiz. 25. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Cap. "Evolução e corpo espiritual", item Evolução no tempo, p. 42.

[6] XAVIER, Francisco C. Vida e sexo. Pelo Espírito Emmanuel. 25. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Cap. 17, p. 76.



Weimar Muniz de Oliveira. Reformador de Março de 2008.

* * * Estude Kardec * * *

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Conforme publicamos hoje pela manhã (Exclusivo: Conjunto habitacional é invadido em Pedra Branca), várias famílias invadiram um conjunto habitacional, do programa Minha Casa, Minha Vida; em Pedra Branca, de ontem a noite para a manhã desta quarta-feira, 10/10.



Nossa reportagem (www.portaldovale.net) foi até o local, onde colheu o depoimento de várias pessoas, inclusive até de quem não participou da invasão, mas estava a favor ou contra os invasores.

Vejam o vídeo:



Assistir no youtube

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A Informação Democratizada Pela Rede Mundial de Computadores





A Informação Democratizada Pela Rede Mundial de Computadores
                                             (Reynollds Augusto)



Os tempos são outros, e não poderia ser de outra forma. Os seres humanos, a sociedade, precisam evoluir. Somos impulsionados à evolução, que está associada à lei do progresso, sendo uma das leis naturais, segundo os imortais, rumo ao equilíbrio geral. O nosso fanal é a consciência que não é formada de súbito, sendo um processo demorado.

Como brasileiro eu procuro ser um bom cidadão, e me armo das boas informações para que a conscientização politica se faça presente. A boa política é uma arte e é ela que pode equilibrar a nação, o estado e município. É com ela que os nossos agentes políticos e administrativos podem “distribuir” justiça social. Aquelas programadas por nossa constituição e essas ocasionadas pelo dia a dia, pelo “téte a téte”. Colocar pessoas despreparadas á frente dos órgãos públicos causa um desequilíbrio generalizado e furor à população que ,no fundo, são as geradora das riquezas.

Tem gente que pensa que a administração pública é empresa sua e, assim sendo, não leva em conta os princípios maiores que a norteiam. O da moralidade em evidência. Usam o poder econômico para comprar consciências, que jamais foram formadas. Só há algo que aniquila com o poder econômico, que é o poder moral, fruto de uma educação familiar, espiritual. Esses valores não se adquirem na escola, na academia, é um atributo conquistado, com o tempo e forjado pela educação, que é muito maior do que a instrução.

O indivíduo instruído sem a educação que esteia as escolhas será um mau cidadão. Não adianta ser médico, advogado, engenheiro, juiz, professor, promotor, delegado, político e tudo mais... Se a alma não está embasada com esses valores que podem apontar o que é certo e o que não é. A Bíblia do cidadão é a constituição e ela é o nosso primeiro padrão de moralidade.

Acho que a rede de computadores teve um papel importante nessas eleições e o candidato que, daqui para frente, não despertar para essa verdade vai se dar mal.

Muito coerente o texto do escriba Francisco de Alexandria, intitulado “Disputa Eleitoral Histórica”, publicado no mural do itaporanga.net.

Acho, também, que o escriba Zebedeu cometeu algum excesso quando se referia Titico Pedro. Ele é um homem de bem, conhecedor de nossa história e um “soldado” de frente, na luta pelo que realmente interessa para Itaporanga.

Também assino em baixo o registro que o Alexandria  fez do resgate de Titico, em torno da nossa história política, por ocasião dos enfoques jornalísticos.

Torço para que o nosso futuro prefeito, ALDIBERG ALVES, primo do meu colega ARTUR ALVES, não se deixe envolver pelos digladiadores de plantão. Os incitadores da malquerença, os defensores da perseguição.

A campanha acabou e Itaporanga, agora, precisa de solução.

Que Deus o conduza.

Que nós, Itaporanguenses, possamos ver as soluções para os problemas básicos de sempre.

Uma dica: Cuidado com as escolha do seu secretariado.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO.