quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Flechas Lançadas ao Infinito


Capítulo Damolay, ARIOSVALDO ALVES

(Reynollds Augusto)



Nada mais feliz do que produzir felicidades. São esses momentos mágicos que faz a vida valer a pena. Dar-se a oportunidade de presenciar reuniões, cerimônias, encontros, que alimentam a nossa “bateria” espiritual, nos permite a sustentação para um bem viver, com qualidade.

Foi exatamente isso que aconteceu ontem na Loja Maçônica Eddeus Feitosa, que tem o nome do pai da minha amiga de infância, colega de colegial, Gardênia Rodrigues.
Confesso a vocês que chorei e vi muito Pai marmanjo chorar. Também, quem não choraria com uma reunião daquelas, cheia de encantos, de impactos emocionais, de símbolos do existir!

Os símbolos não têm um fim de em si mesmo, mas eles são escoras para que possamos apoiar os nossos valores, nos fazendo relembrar o que devemos ser, nesse mundo da ilusão, que ensina aos nossos filhos desvalores e equívocos, muitas vezes irremediáveis.
Ter um esteio maior de espiritualidade nos dá segurança para que os nossos filhos, flechas soltadas em direção do mundo, possa atingir o seu alvo. As ordens demolays faz isso, preparando os nossos filhos para irem em direção a Deus, ao Grande Arquiteto do Universo, meta do existir. Ensina valores morais, que são atributos conquistados pelo espírito e que consistem em patrimônios certos, que o tempo jamais acaba. Mesmo depois da morte do corpo físico permanecem para sempre, porque são as conquistas reais do espírito imortal, em evolução. Nós só levamos para o “oriente eterno” o que somos e não o que temos.

Foi uma homenagem aos pais, mas te digo que o maior presente que um Pai ou uma Mãe pode ter é exatamente fazer gerar um filho ou uma filha. O maior tributo que Deus nos cometeu, foi exatamente nos permitir a missão de bem conduzir esses garotos.

Depois de tudo, namoros, festas, as boas ilusões dos enamorados, promessas, casamento, chega o momento do ápice da família que se formou, está consubstanciado no nascimento do rebento, desprotegido, em nossas mãos, que se torna a razão maior do existir.
Depois que eles nascem o “resto” fica em segundo plano. E para educar esses espíritos é preciso cautela e muito amor, pois não podemos – e não devemos- estar com eles vinte e quatro horas por dia. A saída é educá-los. Mas não apenas essa educação que faz deles homens instruídos e sim aquela que os transformam em homens de bem, como asseverara o professor Alan Kardec, no século XIX. A educação técnica e científica, andando juntas com a educação moral, traz a qualquer sociedade o equilíbrio e a harmonia.

Como disse o grande pensador Gibran Khalil Gibran:

“Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanente”.

As flechas foram projetadas. A comunidade Demolay é o arco, como os pais, e todos estão sendo lançados em direção ao infinito.

Parabéns Capítulo Demolays Ariosvaldo Alves.
Parabéns pais, os seus filhos são os verdadeiros presentes de Deus.


PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

O Velho Casarão do Doutor Pitanga

O VELHO CASARÃO DO DOUTOR PITANGA.
                                       (Reynollds Augusto)
 
A paisagem urbana de Itaporanga está se modificando de forma surpreendente. Tirando os velhos problemas básicos, que sempre se fizeram presente no município, talvez por falta de compreensão dos gestores, em torno dos princípios explícitos constitucionais, a fora os normativos infraconstitucionais, que indicam por onde a administração deve seguir; a mudança é visível.
 
O presente está “destruindo” o passado, que vai ficando, apenas, na memória de cada um, pois nada fica para permanecer, fisicamente falando. Nem o nosso planeta ficará. Foi por isso que lancei a proposta ao grande ARIOSVALDO para criar um espaço que relembrasse a nossa Itaporanga, que passa, e que não ficará, definitivamente.
 
Ninguém detém as forças do progresso. Na vida , o que permanece, é o espírito imortal, viajante do tempo e do espaço rumo à plenitude. Esse negócio de viver apenas indo à busca das impressões do planeta Terra - que são importantes, pois precisamos viver o momento, e onde estivermos temos que fazer o melhor, como preservar , por exemplo - é “bobagem”. Destruição só a natural , que vem de Deus, que entende do processo de evolução geral.
 
Não somos da Terra, nós estamos na Terra. Daí a preocupação em convocarmos os nossos filhos para escrever, registrar detalhes, pessoas, circunstâncias que alimentaram a MISERICÓRDIA DE ONTEM E ESTÁ ALIMENTANDO A ITAPORANGA DE HOJE. Serão subsídios para os filhos do futuro , que até pode ser nós mesmos de volta, cumprindo uma das leis de Deus, que é a reencarnação.
 
 
Mas, eu aprecio as memórias do Titico Pedro, naquela “cachola” tem muita experiência e emoções guardadas e ele retrata esses momentos como ninguém.
 
Esse apelo feito, no que se refere ao casarão do Dr. Pitanga, me fez dar aquela viajada do passado e relembrar grandes momentos, que o tempo e o progresso não destroem, pois são experiências imorredouras do espírito, que é imortal , passando uma temporada por aqui. Ele usa esse instrumento, que é o corpo físico, que morre todo dia, para libertar a individualidade, muito mais rica do que essa personalidade, com esse RG, com esse CPF, com essas ilusões.
 
Quando garoto, eu e a molecada da Rua Pedro Américo, à tarde, nos dirigíamos ao Velho Casarão, para subir no já não existente “´pé de manga” e nos deliciarmos com as grandes e gostosas mangas espadas. Era uma festa e todos tinham a impressão de que estavam em uma floresta, pela grandeza da árvore. Lá brincávamos de TARZAN, fazíamos casas nos seus grandes galhos e o herói seria aquele que conseguisse subir até ao alto, ao “oi do pé”, ao topo da árvore, devido à sua extensão . Eu, algumas vezes, conseguia chegar lá, mas com aquele frio na barriga que indica  o sofrimento dos garotos medrosos,  pois, sempre fui um deles.
 
Aconteceu um fenômeno natural em nossa região e, praticamente, todas as mangueiras de Itaporanga morreram de uma doença esquisita. Simplesmente as mangueiras vigorosas, estavam secando e morrendo. Uma coisa dessas aconteceu com o velho pé de figo, dá nossa queira  Dona Branca, mãe do inteligente escritor Paulo Conserva e como tal o velho “Pé de Manga do casarão” partiu, também.
 
As árvores não possuem espíritos, mas têm princípio espiritual e dessa forma essa energia se desvencilhou da árvore doente, corroborando aquela tese do grande escritor Leon Denis: “o Espírito dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e desperta no homem”.Essa expressão está no Livro “ O problema do ser, do destino e da Dor”. Dê uma olhadinha, vale a pena.
 
Esse tema, princípio espiritual, dava para fazer um tratado e não temos tempo aqui. Basta dizer que todos os seres viventes, um dia serão espíritos. Foi por isso que o grande FRANCISCO DE ASSIS, o primeiro ecologistas que tivemos notícias, sempre asseverava que os animais são nossos irmãos... E as árvores também.
 
Quem não se lembra do acesso, ou praticamente a ladeira, que dá entrada ao casarão? Ali, também, era o nosso parque de diversões. Colocávamos areia ao longo da decida e à noite subíamos em "um pedaço" de papelão, o outro companheiro empurrava e descíamos alegres e perigosamente, até embaixo. Gritos e mais gritos, alegria e mais alegria. Era a festa dos moleques da Pedro Américo.
 
Seria bom que o casarão permanecesse, que as autoridades tombassem para preservar, em tese, mas mesmo assim, seria um paliativo, pois ninguém detém a força do progresso, do tempo, da vida. Nada fica para permanecer. Só o espírito imortal.
 
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Não! Não Deixem Destruir a Última Relíquia Arquitetônica do Nosso Tão Reduzido Patrimônio Histórico

Não! Não deixem destruir a última relíquia arquitetônica do nosso tão reduzido Patrimônio Histórico.
                                                        Por TITICO PEDRO em 27-08-2012
Vejo com tristeza o que está prestes a acontecer. O palacete erguido no alto do monte carmelo, o casarão onde foi moradia do saudoso Praxedes Pitanga, Deputado Estadual, Federal, Prefeito de Itaporanga, Procurador de Justiça, Advogado. A Paraíba tem no Dr. Pitanga um legado. Tribuno reconhecido em qualquer parlatório, construiu um marco de pedra e cimento erigido alí nas proximidades da Estação Rodoviária, alí mesmo onde funcionou a Escola de Mariquita, das nossas recordações.
 
Em todas as cidades, principalmente do porte de Itaporanga, têm uma legislação específica acerca das edificações antigas, protegendo-as contra qualquer um que intente demoli-las. Na terrinha isso não ocorre. Os poderes constituídos, inclusive o Ministério Público que protege a tudo e a todos, ainda não se tocaram com o que está por vir e, segundo soube, já, já a casa do Dr. Pitanga está a desabar para, em seu lugar, construir um grande edifício para o nosso porte.
 
É louvável. O empresariado de Itaporanga tomando gosto e investindo maciçamente nas edificações verticais que acontecem constantemente na nossa idolatrada Itaporanga. É destaque e serve de ilustração para os que aqui vem, não há dúvidas.
 
Não acho certo é destruir, para tanto peço vênia aos que entendem o contrário, mas é necessário registrar essa monumental obra erigida ainda quando Misericórdia existia e segundo relato dos nossos antecessores, o idealizador Dr. Pitanga, quando da construção do casarão, no intuito de crescer a cidade, escolheu aquele lugar bem distante, à época, do centro da cidade quando a feira livre ainda girava no pátio onde hoje é a Praça João Pessoa e, por isso foi taxado de ‘louco’ por fazer uma construção tão bela, em plena área rural.
 
Que esse assunto receba com simpatia os nossos ilustres escribas e população em geral, principalmente os que movimentaram o fogaréu pelas bandas do Pau Brasil, tão louvável não fosse a politicagem que rolou em torno do movimento.
 
Registro, pois, a insatisfação que externo nesse mural tão democrático. E espero que outros tantos comunguem com esse nosso registro. A cidade merece melhor respeito pelo estimo aos feitos dos nossos antepassados, pois esse será o destino dos que aqui estão passando apenas uma temporada.
Fonte: Itaporanga.net

 
 

domingo, 26 de agosto de 2012

Coordenador do Movimento Espírita do Vale do Piancó Realiza a sua Primeira Visita Programada ao Cesb, de Boa Ventura, Depois de Empossado.


O Coordenador do Movimento Espírita do Vale do Piancó, HERCULANO PEREIRA, começou a cumprir o calendário de visitas proposto aos Núcleos que compõem a sua cinscunscrição.

No dia 25 de agosto o coordenador visitou o CEBS ( Centro Espirita Seareiros do Bem), da cidade de Boa Ventura e realizou a sua primeira reunião administrativa para o cumprir metas estabelecidas para o movimento.

No ocasião fora reforçada a intenção da coordenadoria de , sempre em comitiva, visitar os centros de Itaporanga, Catingueira e Boa Ventura ,objetivando traçar metas comuns a fim de levar ao alto a bandeira do Consolador Prometido por Jesus. A Reunião foi realizada em clima de fraternidade e entusiasmo.


Após a reuniao administrativa, a Coordenadoria presenteiou o Cesb, os livros que compõem a Codificação Espírita, esteio principiológico da Doutrina Espírita.

A conhecida Codificação Kardequiana é composta de 5 Livros:
1- O Livro dos Espíritos,
2- O Livro dos Médiuns,
3- O Evangelho Segundo o Espiritismo,
4- O Céu  e o inferno ( ou A Justiça de Deus Segundo o Espiritismo),
5 - E a Gênese

A partir do segundo, todos os livros são baseados  em O LIVRO DOS ESPÍRITOS.




Logo em seguida o Coordenador proferiu uma bela palestra, em torno de temas voltados para o desenvolvimento da maturidade, enfatizando a nossa necessidade pessoal de reforma e melhora.

Concluida, com muito êxito, a primeira visita da Coordenadoria Espírita do Vale do Piancó ao Cesb, a caravana se despediu dos amigos da Cidade de Boa Ventura, já programando a próxima visita que sempre se dará uma vez por mês, objetivando unir os corações espíritas, em torno de objetivos comuns.


                                                       ( Assessoria de Imprensa da CEVAP)