sexta-feira, 3 de agosto de 2012

BONS TEMPOS, VELHOS DIAS

Bons tempos, velhos dias
( LAURA PEREIRA)
Engraçado o tempo, ele passa, adormece, alegra e entristece, ele guarda lembranças que, apesar de velhas, não morrem, permanecem.

São pedaços de lembranças que juntas formam, lindas memórias, memórias da infância, da juventude, e é da juventude que colhi antigas lembranças que me fez muito feliz. Tempo de descobertas, de medos, anseios, cores e amores. O cenário é nossa velha Itaporanga, mas uma Itaporanga bem mais simples, sem muitos carros, sem tantas lojas, sem tantos apelos comerciais.

A Rua Getúlio Vargas nos dias de sábado e domingo, quando casais e amigos “subiam e desciam” a mesma rua e esse movimento não cansava nunca, não causava “enfado” algum.

O ponto mais apreciado, nos anos de 1980, era a Boate Morumbi, era lá que os jovens se encontravam, se conheciam, se enamoravam… Não dá pra esquecer a figura de “Chicão” na porta da boate, no cuidado com o público “jovem demais” , para adentrar os portais da danceteria. Lá dentro tudo parecia mágico, as músicas, os espelhos, o globo resplandecente e a lâmpada que fazia as roupas brancas “acenderem no escuro” (luz negra?); era lá que se ouvia e dançava os maiores sucessos do momento e as bandas que abrilhantaram a época: Paralamas do Sucesso, RPM, Rádio Taxi, Roupa Nova, 14 Bis, Sempre Livre, Kid Abelha (e os abóboras selvagens), além de Michael Jackson, Fred Mercury, Cazuza, Madona e tantos outros que embalaram os sonhos de jovens adolescentes, que hoje são pais de família, e se preocupam com as baladas da atualidade frequentadas pelos seus filhos.

Mas, a preocupação também fazia parte daquela época, pois muitos pais não permitiam que seus filhos frequentassem esses espaços teens, pois havia ainda certo preconceito, compreensível, por sinal, afinal é isso que sinto sempre que minha filha sai para alguma balada. Mas, não me lembro de ser tão feliz como naquele tempo… Era tudo mais singelo, romântico, cor de rosa… as músicas eram mais românticas, as letras eram encantadoras.

Domingo era dia de ir pra “rua”, era assim que a gente falava. Depois da missa a gente ia dar a famosa “voltinha”, dançava um pouco (às vezes muito) e voltava cedo pra casa, pois no outro dia tinha aula e era nas aulas que se ouviam as notícias da noite anterior, era fulano que ficou com sicrano, aquela outra que não saiu, outro ainda que perdeu a namorada e por aí vai…

Bons tempo aqueles… são páginas que ficaram gravadas para sempre no livro das doces lembranças. O tempo passa, a gravidade faz o seu trabalho, envelhecemos…

É engraçado o tempo, pois apesar de ser uma construção humana, nos ilude ao ponto de acreditarmos que ele passa realmente, como os velhos sucessos musicais que embalaram os nossos sonhos de juventude.
Fonte: http://ontemehoje.itaporanga.net/


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

SAI? SAI


SAI? SAI.
(Reynollds Augusto)

Ontem foi dia 31 de julho, terça-feira. E é nesse dia que aproveito a água forte, que sai nas torneiras da cidade, para lavar os meus carros: o BOBY ESCORT, que será no futuro o “BOBY ESCORT SOM” e o novo, mas não zero, POLO, para passeio com a família.

Confesso a vocês que sou um “cabra” que respeita a natureza e principalmente a água. Nada de ficar estruindo, lavando calçadas, com o liquido precioso. Consigo lavar o BOBY ESCORT e o POLO com quatro Baldes e os dois ficam impecáveis. A família insistiu que vendesse o BOBY, pois estava velho demais, resisti. O custo benefício seria triste e o BOB “faz parte da família”. Foi o meu companheiro de sonhos nas idas e vindas à cidade de Sousa, quando estava cursando DIREITO. Quebrou muitas vezes nas tristes estradas de barro, mas continuava firme à “caminhada”.

Nas longas paradas, conheci muita gente boa pelo caminho, tomei preciosos cafés, com muitos “bolos de caco”. É gente humilde que sabe o que é felicidade, apesar das dificuldades. Foi um companheiro, e jamais devemos desprezar os nossos companheiros. Achei melhor usá-lo, sob protesto, para divulgar as teses nobres da Doutrina Espírita, que é Jesus de volta, mas sem esses apelos mentirosos que impactam o nosso povo. Vou deixar ele a caráter. Vocês vão ver.

Na realidade não sei como “batizá-lo” nessa nova fase de sua “vida”. O que vocês acham? BOB SCORT SOM ou BOB SCORT SPIRIT SOM. Ajudem-me. Aceito outras sugestões.

Mas , quando estava terminando de lavar o BOBY SCORT, quem chegou? O meu amigo, doutor, professor do IFPB e Itaporanguense “Cabra da peste”, casado com a minha colega da Justiça Márcia, RIDELSON FARIAS. Ele é um entusiasta da instalação do campus do IFPB em Itaporanga e isso desde que iniciamos a “briga”. A “batalha”primeira começou com o GRANDE TITICO PEDRO, que tem um coração do tamanho do mundo. Passeatas, concentração em praça pública, vãs promessas, para que se instalasse o campus da UFCG aqui e, no final, morremos na praia. Não tínhamos políticos e o sonho se desvaneceu.

Mas agora, o professor RIDELSOM me assegurou que O IFPB vem, de verdade, para Itaporanga. É só esperar mais um pouco. Fiquei aliviado. Veio de alguém compromissado com a educação e que não tem os tristes interesses politiqueiros. Enfim, a liberdade. O preenchimento de um vazio centenário. Uma região com mais de duzentos mil habitantes, não possuir uma Universidade Pública? É uma vergonha estadual. É uma falta de compromisso político. Pura falta de visão.

Estou tranquilo. Quem sabe eu não use, futuramente, o BOBY SCORT SOM para“bradar” nas ruas da nossa querida e poética Itaporanga:

O IFPB CHEGOU!! O IFPB CHEGOU!! HOSANAS! HOSANAS!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

www.reynollds.blogspot.com


www.pensenisso.itaporanga.net

terça-feira, 31 de julho de 2012

Uma Manchete do Portal Itaporangaonline Me Chama a Atenção


Uma Manchete do Portal

Itaporangaonline Me Chama a

Atenção

(Reynollds Augusto)


O vale é pobre de lazer culturalmente sadio. Bares e clubes dançantes são as únicas opções (itaporangaonline)”.
 Administrar para mim é um dom, um sacerdócio, um compromisso com a verdade. Às vezes eu fico a observar os inúmeros candidatos que estão surgindo, não sei de onde, a defender ideias, que não são suas e que nunca tiveram uma atuação no seio da comunidade, visando o aperfeiçoamento desse povo. A maioria jamais fez um serviço voluntário e quando ajuda o povo, não o faz por voluntarismo e sim por imposição legal. Ainda bem que há lei.  
A Maioria são oportunistas de plantão e o povo, em grande parte despolitizado, termina entrando por esse viés, fragrantemente não seguro e que, com certeza, empacará o progresso de Itaporanga, mais uma vez, ou de qualquer outra comuna, do nosso sofrido Vale do Piancó, que sequer tem uma Universidade bem estruturada.
O Vale é realmente pobre de lazer culturalmente sadio, pois a maioria dos nossos políticos é pobre de compromisso e tem objetivos não muito sadios e não se interessam por essa “briga” boa. É um desafio danado, elaborar valores sóbrios aos nossos filhos. A juventude está desprotegida e você vê e identifica a decadência cultural de uma cidade, pelo crescente número de bares que surgem a cada dia. Aqui em Itaporanga, tem bar até na BR, sem falar em outros lugares inimagináveis. É o ganho fácil a chamar o nosso jovem que não tem opção, a fugirem da vida pela estrada da ilusão. Até rimou.
Ainda bem que temos os encontros de jovens realizados pela Igreja Batista, o Centro Espírita Jesus de Nazaré, a Igreja Católica. É uma cultura religiosa, mas que prepara os nossos filhos a dizer “não” ás ilusões do caminho.
O JEITA, por exemplo, do Centro Jesus de Nazaré, de Itaporanga, conduzindo por dois jovens conscientes, Paulinha e Vandeilton, dá um show de verdade, de lucidez de conhecimento dos valores da alma, que está faltando em nossa sociedade. Pelo menos na maior parte dela. Ainda bem que minhas duas garotas, adolescentes, se fazem presente e defendem essa ideia juvenil, que forja carácteres  e alimenta a alma. Ainda bem que temos instituição como a MAÇONARIA, que arregimenta jovens para o equilíbrio pessoal.
 A Maçonaria EDDEUS FEITOSA criou a ORDEM DEMOLAY, em nossa cidade, preparando esse jovens para se tornarem homens de bens e futuros Maçons e ela é uma sociedade discreta, como discreta é a maçonaria que a patrocina, ensinando  princípios filosóficos, fraternais ,iniciáticos e filantrópicos,  para jovens masculinos com idade compreendida entre 12 e 21 anos. E logo, logo, a loja maçônica  20 DE OUTUBRO, fará o mesmo com as mulheres, denominadas de FILHAS DE JÓ. As minhas filhas só  falam nisso.
Tenho saudades do GRUTAMI, da minha adolescência querida, e que fez  jovens sonhar, sorrir, ser feliz. Quantas almas boas, que hoje se tornaram “homens de bem” e excelentes pais e mães de família . Lembro-me de alguns, que não vou citar, para não ser injusto, esquecendo-me de alguém. Mas vocês sabem que contribuíram para trazer a luz a nossa Itaporanga.
A todos vocês que alimentaram a vida do eterno GRUTAMI, vai o meu abraço, vai o meu reconhecimento.   Uma cultura sadia, que movimentou a nossa Rainha do Vale em um tempo muito mais pobre culturalmente, mas que tinha jovens compromissados com grandeza da arte que alimenta a alma. Hoje, todos casados, e tenho certeza que  se preocupam com os rumos da cultura em Itaporanga, pelo relaxamento de outros, que não sabem ensinar a viver, a sonhar e só iludir e enganar. Todos com filhos, que estão sem o contrapeso da vida, para lhes indicar os melhores caminhos.
Parabéns ás religiões católica, espírita, evangélicas, pelo trabalho do bem com a juventude. Parabéns às duas Maçonaria, redutos de amor e sabedoria.
Resta-nos, e com a aquiescência da causa causal da vida, o Grande Arquiteto do Universo, os grupos de jovens religiosos e maçônicos, que ensinam a amar, a viver a proposta daquele que revolucionou o pensamento humano.
De minha parte, quero parabenizar O JEITA, do Centro Espírita Jesus de Nazaré, que veio trazer vida aos nossos jovens. Vida sadia. De minha parte,também, quero parabenizar a Maçonaria, com os nosso jovens  da ORDEM DEMOLAY, preparando esses garotos para um vida digna. Que venham  as  FILHAS DE JÓ
 NEM TUDO ESTÁ PERDIDO
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.




segunda-feira, 30 de julho de 2012

NO PORTAL DO TEMPO

No Portal do Tempo
(Reynollds Augusto)

Eu tenho o hábito de aceitar solicitações de amizades no Face Book, aliás, o face é o espaço dos amigos do passado e do presente. É uma rede social que veio para unir as pessoas, discutir ideias, reviver momentos. Nele resgatei amigos da minha infância que sequer sabia que ainda estavam encarnados. Amigos do Brasil e outros que estão morando em outras plagas. Plaga internacional, como Monaísa, irmã do meu colega Oficial de Justiça, Etevaldo, que é espírita bacharel em Direito, como eu, morando atualmente em Portugal; Everaldo, filho de Alacoque, amigo de infância, e que hoje reside na Alemanha; a minha cunhada Welleene que está morando atualmente na Espanha; minha grande amiga e irmã do coração LUCINHA, que atualmente reside na Itália e que sempre reforçou a minha vida com a sua energia pessoal. Deixou um rastro de luz na minha história, pela pessoa que sempre foi.
Todos são como cometas que passam, mas deixam a sua luminosidade pelo caminho. A internet tornou o mundo em uma aldeia global, isso já é uma amostra do mundo de regeneração que está por vir. Os amigos estão distantes, alguns do noutro lado do Atlântico, mas pertos, dentro de nossas casas.
Há alguns dias atrás uma senhora simpática me pediu para aceita-la como amiga. Como sempre, acetei. Chama-se ANA MARIA, e o nome, de imediato, não me associou a nada. Seria mais uma amiga virtual, que é mais real que qualquer outra pessoa, a querer trocar ideias e participar a sua vida, com a nossa vida. Aceitei. Qual não foi a minha surpresa quando, no bate papo interno, descobri ser ela uma das personagens do meu passado, nesse livro da vida, cujas linhas estão sempre preenchidas com as letras da emoção.
- Reynollds, eu fiz parte do seu passado, em Itaporanga. Na rua treze de Maio.
-?
- Minha amiga, me perdoe, mas o tempo aplaca as lembranças, que estão armazenadas do profundo do ser. Não consigo me lembrar de você. Ajuda-me a tirar essa “poeira”, para que a memória passada seja resgatada.
- Sou de Piancó, hoje resido aqui em J Pessoa, em Manaíra. E quando criança visitava sempre meus parentes que moravam na rua treze de maio, em Itaporanga e guardei você na lembrança. Você sempre visitava seus avós e sempre te admirei.
(...)
Que bom que os registros da vida ficam embaçados, mas jamais se apagam. É por isso que o Espírito imortal , quando reencarna, volvendo ao campo na matéria, para vivenciar experiências de aprendizado, renasce com a benção do esquecimento, para que recomece a sua estrada, sem mácula, rumo à plenitude. Todos nós, um dia, com diz a música do Grande Grupo Acorde, “seremos anjos”.
A memória espiritual está marcada no PERISPÍRITO, o corpo do espírito, e jamais se perde. É um esquecer temporário, para que possamos recomeçar. Quando “morremos”, geralmente nos lembramos de nós mesmos e resgatamos a nossa individualidade, bem maior do que essa personalidade, com esse CPF, com esse RG, com essas ilusões.
Lembrei-me de ANA. Alta, magra, com os olhos lindos, amiga de Leila, Geiza. Dei aquela viajada no tempo e me vi “menino buchudo”, nas ruas da nossa treze de Maio. Lembrei-me de Aldo, Alípio filhos do inesquecível MERY. Da minha inesquecível avó, MARIA PERPÉTUA, meu velho avô ANTONIO AUGUSTO. Lembrei-me de Geiza, de Leila, De Maria Inis... do passado, que reforça o presente, a joia da existência, que nos ensina a viver a felicidade, quando queremos.
Nada de chorar o passado, são experiências adquiridas; nada de antecipar o futuro, ele pode “guardar” experiências dolorosas. Viver o presente. Conversar com os amigos. Sentir a vida. Sorrir, chorar, se lembrar, viver o presente, objetivo, real, fragmento de nossa história.
SER FELIZ!
Ana, que bom te reencontrar. Vamos continuar a nossa história de amizade.
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.
www.reynollds.blogspot.com