sábado, 5 de maio de 2012

UMA BOA NOVA NO AR

UMA BOA NOVA NO AR
(Reynollds Augusto)


Quem não precisa de boas novas?

Todos.

Itaporanga, depois de muitas lutas, “brigas”; não pode morrer na praia, mais uma vez.  Na vida sempre há coisas secundárias, assessorias e coisas principais, sem as quais as outras não vingam. Não há nada mais principal em um país do que a educação. A de base, que nos mostra o caminho a seguir e a educação superior, que pepara  para  se viver sem atropelos, sendo o ponto de chegada, em primeiro momento. Depois precisamos continuar firmes, aprendendo sempre, evoluindo, no saber e no sentir.

 “O que sei é que nada sei” (Sócrates).

O Estado Brasileiro está nos devendo a educação superior. Estamos órfãos da instrução que liberta e da educação que prepara. De todas as micro-regiões, a nossa, o Vale do Piancó, é a que sempre esteve à mercê dos políticos sem visão. Como todo grupo tem os políticos que merece, a culpa é nossa, que não aprendemos a escolher o melhor para nossa terra.  Resultado: estagnação na área do conhecimento. 

É  brincadeira, uma região com mais de duzentos mil habitantes, não possuir uma universidade pública!

Uma voz consciente, realista, reflexiva, sempre bateu nessa “tecla”: PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Essa voz foi e é a do TITICO PEDRO. Usando as ondas da boa “BOA NOVA”, vem conscientizando a comunidade. E pensar que o homem, em dois momentos da sua vida, quase nos deixou para o plano espiritual.

Faça isso não, “Ôme”.! Itaporanga e o Vale precisam de você.  Não vá  embora  fora do combinado.

Titico, por sua humildade, não gosta muito que falemos dos seus empenhos pessoais, para o bem de nossa terra.  Mas é preciso lembrar que ele foi o primeiro a mostrar o quanto é principal trazer a educação superior para o nosso Vale, tão sofrido nessa área. As nossas “cabeças pensantes” saem de Itaporanga simplesmente para estudar e, como é natural, não retornam para aplicar o seu conhecimento em nossa comuna. Poucos são os que retornam.

Hoje no “TITICO EXPLICA”; Titico, que é uma verdadeira memória viva da nossa Terra, fez referência aos nossos grandes, pelo empenho pessoal, lutas e visão de futuro que possuíam. Muita conquista que hoje Itaporanga possui deu-se por conta de mentes do passado, dentre elas o nosso reconhecido Padre Zé e tantos outros, sem adormecimento.

O grande escritor Richard Simonetti, já dizia que o maior problema do indivíduo é o adormecimento. É a neutralidade. Jesus também falou sobre isso, com, relação áqueles que se depararam à sua mensagem, dizendo que muitos: “Olham, mas não vêem; escutam, mas não ouvem”.

Estou com Edilmo. Tudo isso é bom, mas  é secundário. Muitas vezes o objetivo é apenas a promoção pessoal. O mais importante e principal é realmente sairmos do adormecimento e da abstração e fazer real o CAMPUS DA IFPB.

Cobremos... Acordemos... Não deixemos o Titico falando sozinho.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO.

Esle, Falando de Aflição

ESLE, Falando de Aflição
(Reynollds Augusto)


Não é novidade para todos, que o Centro Espírita Jesus de Nazaré, da cidade de Itaporanga, realiza um estudo peculiar em torno do Evangelho Segundo o Espiritismo e O Livro dos Espíritos.

Nós apelidamos esses encontros de ESLE – Estudo de O Evangelho Segundo o Espiritismo e O Livro dos Espíritos.  Essas são duas obras basilares da Doutrina Espírita. Uma, nos ajudam a desenvolver a moral, sentimento; e outra o conhecimento, que é pura filosofia.

Essas, também, são as duas asas que nos levam à plenitude, que muitas religiões, apelidam de Salvação. Sentimento e conhecimento. É preciso sentir, conhecendo e conhecer para aprender a sentir, de verdade. É a famosa fé racional, ensinada pelo professor Kardec. Desculpem o trocadilho.

Alías não existe quem goste mais de nomenclaturas do que os espíritas. Tem sigla para tudo. E isso é bom, pois se torna mais fácil compreender as propostas.

Mas, nesse episódio, do Esle,  estamos tratando da aflição, que é uma espécie de instrumento que a vida usa para nos dar um empurrãozinho à nossa evolução. Afinal, “nenhum só das ovelhas do meu Pai se perderá”. Portanto, não tem saída: ou evoluímos ou evoluímos.

 Jamais queremos crescer pela aflição; mas ela sempre se faz presente, sendo uma professora assídua e que possui uma didática irretorquível.  As nossas más ou boas escolhas ditam como se dará a nossa viagem rumo a Deus. Nada de castigo do Pai . Tudo são conseqüências e reações, pois, segundo Einstein a vida é uma matemática perfeita e Deus não joga dados.

Depois de uma grande aflição, saímos mais experimentados e mais qualificados para bem viver. A aflição tem duas vertentes: uma expiatória, que é o reflexo de nossas ações e pensamentos. A outra reflexiva, para que possamos nos ensimesmar em torno do que realmente interessa e deixar de lado as ilusões do mundo, que sempre quer nos vender “gato por lebre”.

Começamos a analisar os textos do grande Escritor Richard Simonetti, que, em minha opinião, trata de espiritismo como ninguém, com aquela simplicidade - sem ser simplório - que alcança qualquer um. Uma leitura agradável, consciente e que trata de cotidianos de nossas vidas. Sempre extraio dos seus textos elementos da codificação. Ele ensina diferentemente, as mesmas verdades. E todos ganhamos com os exemplos, apelos, conselhos e tudo mais para uma vida sadia.


Mas a reunião de quinta-feira foi muito educativa e lá nos relacionamos em uma terapia de vida.  Jesus tem explicação para os nossos dramas pessoais, que se encontram no mundo subjetivo e ao pouco alcance de todos. É aquela velha história de que “cada um é cada um” e que precisamos vencer os nossos desafios, sem desistir.

Estou ansioso para que chegue quinta-feira, dia 10 de Maio. E o Tema será “PARA NÃO SECAR OS OSSOS”.

Texto advinha de quem? Do Richard.

Uma viagem inteligente sobre o planeta de provas e expiação em que vivemos. Saímos da rotina , que corrói  a alma,  e nos oxigenamos com idéias maiores que nos mostram  o caminho da felicidade. Que é conquista.

Venha você também!

sexta-feira, 4 de maio de 2012

A Evolução Humana

A Evolução Humana
                                                        ( Manoel Ferreira - Boa Venturam,Pb)
 
Torna-se bastante difícil a compreensão do processo evolutivo da humanidade, sem que consideremos o fenômeno da reencarnação, pois, se a nossa individualidade também fosse concebida no momento em que o feto (arcabouço físico) fosse gerado, tudo pareceria um grande caos...

Exceto, as complicações de ordem hereditária, nada justificaria a situação dos que padecem os malefícios das perturbações psíquicas, as inúmeras deficiências físicas e outras privações inerentes ao planeta, no qual, estamos inseridos.

Vale sempre relembrar a frase proferida pelo sábio lionês, Allan Kardec:
"Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei". Obviamente, há quem discorde desta asserção, também não alimentamos a pretensão de sermos o dono da verdade, porque essa não é a proposta da Doutrina Espírita; nutrimos um grande respeito pelos demais credos religiosos e respeitamos a todos indistintamente, para que também sejamos respeitados, pois, somos conscientes de que há tempo para tudo.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Globo continua sua campanha contra o Brasil, em defesa dos bancos e do mercado financeiro


Não é surpresa o comportamento do jornalão das Organizações Globo. Todos sabemos que as Organizações Globo estão sempre contra tudo aquilo que signifique defesa dos interesses do Brasil e dos brasileiros.

Isso é uma tradição de família, como a perseguição aos Brizola, à Petrobras e aos governos populares, desde Getúlio Vargas, passando por Jango, Lula e agora Dilma. Há 50 anos, O Globo já estampava manchete criticando a criação do décimo-terceiro salário.

Portanto, não há surpresa alguma na manchete de hoje de O Globo, reproduzida na imagem acima. Ao esforço da presidenta e seu governo em combater os juros altíssimos e imorais praticados pelos bancos (os mais lucrativos do mundo), as Organizações Globo respondem com uma campanha contra em todos os seus veículos.

Hoje, criam uma manchete capciosa e mentirosa, "Depois da pressão de Dilma, ações de bancos despencam", querendo linkar opronunciamento da presidenta na ocasião do Dia do Trabalhador a um suposto "despencar" das ações dos bancos.

Em primeiro lugar, as ações dos bancos vêm caindo há meses, entre outras coisas por dificuldades de pagamentos de seus clientes, vítimas dos juros mais escorchantes do planeta.

Em segundo lugar, usar o verbo "despencar" é forçar demais a mão. Nesse modo, o verbo tem o sentido de cair desastradamente de grande altura (Aurelio), o que está longe de ser o caso. As ações do BB caíram, 2,7%, as do Itaú Unibanco (campeão de reclamações do Procon-SP), 2,48%, Bradesco (quarto colocado atualmente, mas o anterior campeão do Procon-SP), 1,4%, e Santander (sobre esse banco leia Mauro Santayana aqui e aqui), "despencou" 0,19%.

Com intuito de defender alguns de seus principais patrocinadores, as Organizações Globo seguem em campanha contra o Brasil e a melhoria de vida de todos os brasileiros. Afinal, é só perguntar a qualquer um se os juros mais baixos não são uma boa para a imensa maioria da população. E boa também para os bancos, pois, com juros menores, mais gente vai pedir crédito e poder honrá-lo.

É questão apenas de eles pararem de querer ganhar dinheiro sem esforço, com juros indecorosos e tarifas caríssimas sobre os mais variados serviços, o que faz do Brasil o lugar perfeito para o ditado que diz: "O melhor negócio do mundo é um banco bem administrado. O segundo melhor negócio do mundo é um banco mal administrado. E o terceiro, um banco falido".

Não é a cara do Brasil atual?

E é esse Brasil que o governo da presidenta Dilma está mudando. E contra a mudança e a favor do mercado estão as Organizações Globo.

Mas, quem sabe, depois dos bancos não chega a vez de nossa Ley de Medios?...

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Código Florestal: Senado quer reencenar novela


Vai começar tudo de novo. Sentados em suas cadeiras de estrutura de madeira, junto a escrivaninhas e bancadas de madeira, os congressistas vão retirar de seus armários de madeira calhamaços de folhas feitas de polpa de madeira, para escrever novos pareceres sobre um Código Florestal que seja capaz de deter o desmatamento.
Um dos relatores da proposta que a Câmara reescreveu, o senador Luiz Henrique (PMDB-SC) disse neste domingo (29) que o Senado vai ressuscitar o seu texto. Informou um projeto de teor idêntico à versão anterior já foi até reapresentado.
“Como ele já tinha o parecer favorável, entramos na quarta-feira (25) com a reapresentação do projeto, recompondo a parte excluída [pelos deputados], para restabelecer o acordo inicial [que havia sido celebrado no Senado]“, disse Luiz Henrique.
Para que o novo projeto que recria o velho texto comece a andar no Senado, aguarda-se pelo veto de Dilma Rousseff à proposta recém-votada na Câmara. Se o novo velho Código for aprovado pelos senadores, será enviado aos deputados, que voltarão a alterar o texto antes de reenviá-lo para Dilma, que aporá novo veto à proposta. Haja florestas!