sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Festa da Padroeira de Itaporanga é "fechada" com Chave de Ouro ao Som do Clã Brasil

Festa da Padroeira de Itaporanga é  “fechada”  com  Chave de Ouro ao Som do Clã Brasil
( Reynollds Augusto)

Meninos, eu vi!
O genuíno forró de raiz, cantado pela boca de um grupo de adolescentes lindas, sendo ladeado pelo som e harmonia de acordes perfeitos. Um forró gostoso de ser ouvido e satisfatório de ser dançado. Um grupo de adolescentes que encanta o coração.
Em suas veias, pelo menos nas veias de quase todos os componentes do grupo, corre o sangue daquele que foi um dos maiores “folistas” de nossa região: Dedé do Cantinho. Talvez seja por isso que Lucyane, do acordeom, toca aquele instrumento com tanta maestria  e faz a alma viajar ao passado, que nunca passou,  no subjetivismo  da homem sertanejo, do povo itaporanguense. E talvez seja por isso que, também, Fabiane, com o seu cavaquinho; Laryssa, com a zabumba; Lizete; com o pífano, Maria José, o grande Zé Badu e o F Neto, nos passam a sensação de felicidade, de orgulho, por ter “gente da gente” se projetando além fronteiras dessa pátria amada.
Eu dei aquela viajada no tempo e lembrei-me daquelas belas festas acontecidas no Velho Cantinho de Guerra, cuja figura simbólica jamais de acabará: Dedé do Cantinho, com seus cabelos brancos, alimentando o fole, com o canto de nossa terra; Zé Badú com o seu “violão de ouro”; o grande Vando de Dedé, no velho pandeiro; Gelmires, na percussão; Biu de Dedé, na sanfona; e tanta gente boa que veio dessa terra e que só produz artista da bela música nordestina. Vozes educadas e profundamente sonoras. Parece que nesse seio familiar só reencarnaram espíritos com esse perfil, o musical, que alimenta a nossa alma e refrigera a nossa vida.
Eu ainda sou da tese que o nosso Ifet-Pb, campus Itaporanga, deveria instituir o curso de música, para qualificar tanta gente boa que já nasce com essa tendência própria. Os nossos filhos têm uma predisposição para tocar, cantar e encantar. Se isso acontecesse, nós produziríamos muitos Zé Badus, muitas Lucyanes, Larissas, Lizetes...  muitos Radengundes, Gilvandros; muitos clãs Brasil.
Quem esteve por lá, depois da aula do Esle (Educação do sentimento e o Livro dos Espíritos), que acontece todas as quintas, pelas 20h00min horas, foi o casal pernambucano Leonardo e Inês. Léo ficou encantado com clã Brasil e me confidenciou que jamais tinha visto uma garota tocar sanfona tão bem. O pernambucano ainda não viu nada.
Mas, o mais interessante é que agora temos uma certeza: a nossa herança nordestina, com o chamado “forró pé de serra” ou forró de raiz, será perpetuado e poderemos ou vir “Seu Luiz”, Dominguinhos, Marines e tanta gente boa, por meio dessa juventude consciente e bonita que canta e toca como ninguém.

Parabéns Zé Badú. O eterno “Dedé do Cantinho” deve estar fazendo festa no mundo espiritual, feliz pelas belas bisnetas que têm.

E nós aqui, nesse plano impermanente, estamos felizes pelo Clã Brasil

PENSE NISSO! MA PENSE AGORA.



quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

QUEM DISSE QUE ITAPORANGA NÃO TEM CURSO SUPERIOR ?

Manuel de Boa Ventura, graduado em Letras,  pela UFPB Virtual.
                                                            ( Reynollds Augusto)

Eu sempre disse que a tecnologia veio para ficar, estreitar corações e contribuir para a formação de cidadãos nas áreas diversas do saber. As possibilidades surgiram e muitos que não tinham a oportunidade de se deslocar para os centros de conhecimento, agora podem se graduar por aqui mesmo, estudando em casa e participando de pólos presenciais, estrategicamente localizados para aferir o aprendizado. E tudo isso sem se afastar dos seus compromissos com o trabalho e a família. Quem não acreditou nessa nova ordem, se deu mal e quem pensou que era moleza, ficou no meio do caminho e desistiu,  por não ter condições de acompanhar o encadeamento de estudos do novo tempo.

É sabido que a nova maneira de adquirir conhecimento veio para ficar, e, nesse novo tempo, as seriedades dos cursos qualificam, com mérito, os novos universitários. A UFPB está de parabéns, o Brasil formará mais mentes pensantes e os nossos políticos descompromissados estão com os dias contados.

Esse fenômeno é geral e até os Tribunais, como também o órgão de superposição e o CNJ, estão discutindo incansavelmente, a melhor maneira de dispensar as toneladas de papeis utilizados por ano e que maltrata o planeta para virtualizar os novos processos e os antigos, diminuindo distâncias, tempo e dinheiro e fazendo com que os provimentos judiciais não se distanciem no tempo e no espaço, daqueles que precisam da Justiça célere para tomar posse dos seus indiscutíveis direitos. A Justiça do Trabalho está um passo à frente nesse caminho que não tem volta.

Mas ontem eu tive a grata satisfação de estar presente na defesa no TCC do meu amigo Manuel de Boa Ventura, que foi um artigo cientifico que tratava da análise textual dos nossos alunos, cuja defesa nada deixou a desejar e de quebra ainda presenciei as demais defesas dos alunos concluintes. A Banca examinadora considerou a importância do Trabalho de Conclusão de Curso, de Manuel, que soube reconhecer as máximas propostas.

Manuel, com a ajuda do "data show”, trouxe exemplos diversos de textos escritos por alunos, que tinham idéias pertinentes, mas sem a capacidade de contextualizar o que defendiam, aprofundando o fenômeno que acontece nas salas de aula e propondo soluções para resolver o problema

Segundo a banca, o TCC de Manuel teria uma temática própria, que apesar de usar a pragmática, atinge, pela simplicidade, o leitor que não é o ideal, exatamente pela deficiência da aprendizagem contemporânea, por parte da maioria dos alunos em sala de aula, que são “leitores reais”, sem jamais descurar, o fim maior, que é exatamente perseguir o leitor ideal.

A defesa de Manuel me fez lembrar aquelas redações jocosas, selecionadas por JÔ SOARES, para aferir o nível de esclarecimento dos nossos alunos. Só que por lá, o tema era discutido com galhofa e Manuel discutiu com a seriedade científica, propondo soluções, com base em estudos sérios e com o compromisso daqueles que se empenham com a educação, que liberta  o homem.

Parabéns, Manuel.
Parabéns, concluintes

A Universidade Virtual veio parta ficar e quem não acredita enganado está.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA :-).

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A Cadeira do "Terremoto"

A Cadeira do “Terremoto”
(Reynollds Augusto)

Nós, moradores do planeta Terra, somos uma parcela da humanidade universal, que têm compromissos uns com os outros. Somos individualidades pensantes, mas formamos um todo. Os espíritos dizem que a “sociedade” é um passo à frente em busca da evolução e viver em sociedade é necessário para que aprendamos um, com a experiência do outro e assim evoluir em conjunto.

É claro que há aquele que evolui mais rápido e não se perde pelos atalhos do caminho e há aquele que fica para trás, demorando a chegar ao objetivo, que lhe é próprio. Isso se dá porque nem todos conseguem “olhar e ver; ouvir e escutar”. Tudo depende de maturidade espiritual que é o resultado de muitos e muitos séculos de experiências do espírito imortal rumo à plenitude, que as religiões apelidam de salvação.

Mas, como nós temos uma parcela de responsabilidade social, precisamos aderir ao projeto da FUNDAÇÃO JOSÉ FRANCISCO DE SOUSA, do meu amigo SOUSA NETO, para ajudar o “Terremoto” a andar melhor. Isso se chama fraternidade e uma sociedade fraterna não pode viver sem minimizar o sofrimento do seu irmão. Uma sociedade que se diz cristã precisa levar a lume a idéia maior de Caridade, proposta por Jesus. A coisa pior do mundo é um ser humano “morno”, que não se compromete que não participa que deixa as coisas acontecerem passivamente.

Os espíritos superiores, que algumas religiões chamam de “santos”, já disseram à Kardec que o mal prepondera porque os bons” são tímidos e o mal faz aquela zoada que da dó. Nós também somos responsabilizados por nossa omissão. Isso prova o estado espiritual do nosso planeta, que ainda deixa a desejar, mas já foi pior e está melhorando a cada dia.

Hoje tive a satisfação de ouvir o SOUSA NETO, sendo entrevistado pelo grande FLÁVIO JOSÉ, no CORREIO DEBATE, sobre o tema. Fiquei feliz quando ele disse que o mal já está posto e evidente; e que nós, a sociedade, precisamos fazer entrar em cena os protagonistas da verdadeira vida, que são a solidariedade e o amor. Isso em outras palavras.

Recitou com clareza um poema lindo que fala do dinheiro e nós sabemos que o dinheiro não resolve definitivamente, mas ameniza o sofrimento material de muita gente. O dinheiro é neutro e pode ser a energia do mal, mas também deve ser a energia do bem. No caso do Terremoto, vamos fazer com que esse BINGO DA SOLIDARIEDADE promova a verdadeira alegria de um irmão que, nesse momento, precisa mais do que nós.

Atenção para a chamada da Sorte e da Vida.

Sorte, não há; o que há é merecimento e compromisso. Deus, não joga dados. Vida existe sempre e é preciso que nós possamos nos ajudar uns aos outros, para que tenhamos sempre a melhor qualidade de vida. O nosso “Terremoto” está precisando de você para ter essa oportunidade de viver melhor e você está precisando do Terremoto para exercer a solidariedade e se tornar mais “gente”. Os nossos irmãos Judeus defendem que quando se nos surge uma oportunidade de ajudar um menos favorecidos é Deus que está nos dando um instrumento para trazer a felicidade à nossa vida. É como diz a música infantil espírita: “... quando agente faz um bem a alguém, quanto bem esse bem nos traz”...

Lembro-me muito bem quando Cláudio era ereto e parecia que a sua coluna não ía pregar essa “desfeita” consigo. Quando criança ele foi um dos meus evangelizandos do então Centro Espírita Missionários da Luz, que ficava exatamente onde hoje está estabelecido o prédio do Ministério Público. Criança alegre, brincalhona e se não fosse o compromisso pessoal com a vida, provavelmente seria uma criatura grande, alta. Mas, como diz o espírito Joana de Angelis, “os momentos de aflição e provas surgem pelo caminho, inesperados, concitando à disciplina e indispensável ao processo evolutivo do ser. Todos nós temos compromissos pessoais e são eles que nos libertarão para vôos mais altos”.

Isso me fez lembrar aquela eterna mensagem do Cd Momento Espírita: “um minuto a penas”. Em um minuto apenas a nossa vida pode mudar para melhor ou para pior. Tudo depende do nosso histórico espiritual. Quem sabe se no próximo minuto não seremos nós que precisaremos do outro. Eu mesmo, em “um minuto”, fiquei dependente da solidariedade de muita gente e a minha gratidão é a certeza de que o bem vale a pena. O bem, meus amigos, é o nosso advogado em qualquer lugar e muitas vezes não passamos por provações tremendas no caminhar da vida, exatamente pelo bem que fazemos ao próximo, pois segundo o apóstolo Paulo, “O amor cobre uma multidão de pecados”.

Seja “esperto” e compre as cartelas do BINGO DA SOLIDARIEDADE, do nosso amigo TERREMOTO.
Valeu Sousa Neto!
Valeu Itaporanga!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA

ATENÇÃO PARA A CHAMADA DA SORTE E DA VIDA:

Vem aí o Bingão da Solidariedade. São mais de 7 mil reais em prêmios e a renda destinada à compra de uma cadeira motorizada para o jovem Cláudio, o conhecido Terremoto.

1º Prêmio: uma moto Honda POP

2º Prêmio: R$ 1.000,00 (um mil reais)

3º Prêmio: uma máquina de lavar pratos no valor de 1.000,00 (um mil reais)

4º Prêmio: R$ 500,00 (quinhentos reais)

5° Prêmio: R$ 300,00 (trezentos reais).

Dia: 8 de janeiro (um domingo)

Hora: às 16h30min.

Local: ValleShow em Itaporanga.

Valor da cartela, apenas 5 reais.

Procure, colabore e ganhe. Vendas na sede da Fundação, na Rua Padre Lourenço – 392 e em outros pontos da cidade.

Mais informações: (83) 99942794.

Após o bingo, grande domingueira na ValleShow com várias atrações musicais.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O que é a fé?

Centro Espírita de Catingueira Discute a Verdadeira Fé.
(Reynollds Augusto)

Nesse dia 04 de dezembro, caravaneiros de Itaporanga visitam o Centro Espírita Jesus de Nazaré, da Cidade de Catingueira, para discutir um tema bem pertinente às searas religiosas de todo o mundo: O que é a fé?
Você sabe o que é a fé?
Tem gente que foi mal informada desse recurso pessoal para que se atinjam objetivos, seja de ordem material, seja de ordem espiritual. A fé ensinada por muitos representantes religiosos não chega nem perto da fé proposta por Jesus, aos seus seguidores.
Todos nós sabemos que ela é o combustível da vida, sendo certo, que tomada do seu sentido literal, permite que a confiança nas próprias forças consinta que a pessoa seja capaz de executar acontecimentos, que não poderiam ser feitos quando se duvida de si. E é por isso que o aluno passa de ano, o casamento dá certo, somos aprovados em concurso público, realizamos maravilhas, e isso acontece exatamente pelo despertamento das potencialidades intrínseca de que somos portadores. Já nascemos prontos e Deus só deseja que despertemos para tais valores que é o resultado de milhões de anos na experimentação pessoal, que não tem fim. Tá aí a reencarnação para provar isso.
O mais importante é realizar a fé no sentido moral. Não há dúvidas que se somos espíritos encarnados e estamos no plano da matéria, precisamos viver materialmente, mas reconhecendo o sentido espiritual da existência. O próprio mestre Jesus, já asseverou que precisamos “ser do mundo, sem pertencer ao mundo”. Esse preceito encerra uma verdade indiscutível, precisamos estar a par dos verdadeiros objetivos de cada um, sem ilusões, para que não comprometamos a nossa vida com bobagens.
Quando Jesus disse que “a fé transporta montanhas” não vá cair  na besteira de acredita que ele estava se referindo às montanhas físicas. Isso seria impossível e Deus não realiza o impossível e é por isso que não existem milagres e sim resultado. Os aparentes milagres feitos por Jesus, e muitos homens de luz no planeta, que visivelmente seriam maravilhas; foram fenômenos naturais, que exatamente por desconhecermos a sua origem encarávamos com se milagre fosse e milagre é uma derrogação das leis da natureza e Deus não derroga suas leis.
É preciso ter essa confiança, racional, no cumprimento de uma coisa e à certeza de se atingir um objetivo. Sem isso, amigo ‘véio”, você ficará no meio do caminho e vai botar a culpa em uma força externa, pelos seus fracassos. O tal do Satanás, que definitivamente não existe, é o maior culpado por seus fracassos. Mas o que é realmente um fracasso? Será que tudo que nos acontece não são instrumentos de melhoria interior, de experiências que adquirimos para nos libertar dos nossos equívocos? Conheço muita gente que só conseguiu maturar sobre a realidade da vida depois que a própria vida lhe deu uns solavancos. Houve uma feliz mudança de rota.
A fé, verdadeira, nos dá uma espécie de lucidez, segundo Kardec. Com ela vislumbramos, pelo pensamento, o objetivo que procuramos alcançar e os meios de se chegar até ele e assim sendo, caminhamos a passo seguro ao seu encontro.
Eu não entendo como certos amigos pregam por aí uma fé mágica e portadora de uma impaciência que não tem fim. Há representantes religiosos que gritam bradam, exigem que Deus realize “maravilhas” em sua vida,  em um passe de mágica e quando você não consegue atingir o seu intento, depois de dar até as calças “a Deus”  dizem que é por que sua fé era frágil. Brincadeira! É como diz o meu amigo Zé Nilton. Brincadeira, mesmo.
É claro que Jesus, pela alta envergadura espiritual que possuía e que agora possui mais ainda, conseguiu manipular o Fluido Cósmico Universal, que é uma espécie de “matéria prima” da existência, e com seu magnetismo pessoal, conseguiu realizar milagres, que não eram milagres e estavam dentro do contexto natural e que ainda hoje são desconhecidos pela maioria do povo.         O Espiritismo estuda esse mecanismo de mudança, natural.
Infelizmente se vê hoje mais orgulho do que propriamente fé. A presunção não consegue enganar as forças vivas da natureza e por conseqüência vem o desestímulo, e em muitos, causando até a falta de fé em Deus, causa causal de tudo.
Mas a caravana cumpriu o seu papel e todos se despediram em clima de festa de fim de ano, para que no ano que se avizinha possamos produzir, unidos, para o nosso bem e o bem da humanidade.
Valeu Centro Espírita Jesus de Nazaré de Catingueira.
Valeu preciosos amigos de ideal espírita
Feliz 2012.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.


PRAZER E FÉ
                                        Por Cornélio Pires  em

Muitos amigos na Sala,
O grupo estudava a fé
Quando um rapaz galhofeiro
Ergueu-se e falou de pé:

- Meus irmãos,estamos nós
Num tempo que avança
Para que Religião?
Ninguém precisa de crença.

Já voamos para a Lua
Tudo é progresso a crescer
Para que alma e coração?

Meditação, semonário,
Renuncia e filosofia?
A eletrônica nos mostra
Que isso é velharia.

Altruísmo é boa bola,
Caridade é uma ilusão...
Prazer é força que anima
Dinheiro é dominação.

Vida íntima? Bazófia.
Bobagem ultrapassada,
Larguemos questão de fé,
A vida é corpo e mais nada.

Mas um velho levantou-se
Aproveitando o intervalo
E respondeu meu amigo
Não posso contraditá-lo
No entanto, rogo ao senhor
Que nos mostre , se possível
Um de seus carros modernos,
Andando sem combustível