domingo, 14 de agosto de 2011

ONDE ESTÃO OS NOSSOS PAIS?

ONDE ESTÃO OS NOSSOS PAIS? (Reynollds Augusto) Eu aprendi com a Doutrina Espírita que jamais nos perdemos daqueles que amamos. O máximo que pode acontecer é nos distanciarmos fisicamente e momentaneamente, pois a morte do corpo físico liberta a individualidade pensante que ama, que sonha, que tem projetos pessoais. O corpo morre, ou melhor, se transforma, para devolver os seus elementos químicos à mãe Terra, de onde se originou. É natural que seja assim. Mas os espíritos seguem em frente rumo à evolução, que algumas religiões descuradamente chamam de salvação. Mas salvar-se de que? Já nascemos salvos e com potencialidades que precisam ser desenvolvidas e foi por isso que Jesus, o espírito mais perfeito que já “desceu” a esse “orbezinho”, já nos disse:” Vos sois deuses, podeis fazer tudo que eu faço e muito mais. SE O QUISERDES.” E para corrigir os nossos enganos e opções equivocadas temos a reencarnação, que é o compromisso para a transformação interior e que não se faz em uma “mísera” vidinha de uns cem anos. E olha que estou sendo otimista. Mas a minha tia, que mais parece a minha filha mais velha, com seus quase sessenta anos, é daquelas católicas tradicionais e não deixa de visitar o seu pai, meu avô, nos dias dos pais, no cemitério. Ela se sente bem e estimulo, apesar de saber que os espíritos que desencarnaram têm muito mais a fazer do que estarem ali, naquele depósito de instrumentos, que eram usados pelos mesmos quando aqui estiveram a fim de se aperfeiçoarem. Mas podem nos visitar naquele lugar se puderem e quiserem. O professor Kardec fez algumas perguntas interessantes aos imortais, que está em O LIVRO DOS ESPIRITOS e que transcrevo aqui para ciência de todos que usam este espaço: QUESTÃO 320: Os Espíritos são sensíveis à saudade daqueles que amaram e que ficaram na Terra? R – Muito mais do que podeis supor; se são felizes, essa lembrança aumenta sua felicidade; se são infelizes, essa lembrança é para eles um alívio. Ou seja, qualquer lembrança sincera é uma maneira de aumentar ainda mais as suas felicidades e se são tristes a lembrança alivia as suas dores. É a energia do amor, dínamo da vida, mudando o estado de cada um. Outra: QUESTÃO 323 A visita ao túmulo dá mais satisfação ao Espírito do que uma prece feita para ele? R – A visita ao túmulo é uma maneira de mostrar que se pensa no Espírito ausente: é a imagem. Já vos disse, a prece é que santifica o ato da lembrança; pouco importa o lugar, quando se ora com o coração. Deu para entender, não é? A intenção e o sentimento são tudo, as formulas e imagens ficam por nossa conta. Mas o cemitério nos traz uma paz diferente. Não devido aos nossos parentes estarem por lá, mas porque o sentimento de saudade e de amor àqueles que se foram impregnam a atmosfera do ambiente e isso gera um ambiente mais equilibrado e a paz surge. Eu gosto de visitar aquelas “ruas”. Cada túmulo uma vida, um projeto e o empenho pessoal de cada qual para a realização dos seus objetivos, que são meios de evolução. Considero o cemitério um museu a céu aberto da vida em comunidade e todos no seu tempo. Toda foto uma expressão e cada expressão uma história colocada nos livros das suas existências que constituem a vida imortal de todos os indivíduos, se tornando a biblioteca pessoal das experiências infindáveis até atingirmos a plenitude, fim de todos os filhos do Pai. Ele, Deus, é o bibliotecário, que cuida bem de suas obras. Fui visitar “a rua” onde estavam depositado os restos mortais do meu avô ANTÔNIO AUGUSTO, minha avó, MARIA PERPÉTUA e mais recente o meu PAI, ADEMAR AUGUSTO. Todos com suas belas histórias, sentimentos, empenho, desprendimento e amor pelos seus. Por trás um túmulo com outras estórias de vida, como as de JOSÉ AUGUSTO DE CARVALHO, HERMINIA LEITE, o saudoso LOLÔ, e a sua bela amada MÉRCIA, linda, que são os pais do meu primo Bidon, que perdi o contato e que partiram de sobressaltos e praticamente na juventude de suas vidas. Mas mesmo assim esses filhos queridos têm a ajuda no nosso Pai maior, que é Deus, para recomeçarem o caminhada, pois a vida é um eterno recomeço e como disse Jesus, “nenhum filho do Pai se perderá”. Feliz dia dos PAIS. HOJE E SEMPRE. “VIVOS” ou “MORTOS” PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA. E NÃO SE ESQUEÇA