sexta-feira, 1 de julho de 2011

A ARTE DE ADMINISTRAR

A Arte de Administrar (Reynollds Augusto Cabral) Todos nós sabemos que vivemos uma democracia semi-direta e que, devido à dimensão continental do nosso lindo país, seria impossível que se aplicasse a democracia mais genuína, que é a direta. Nessa o cidadão comandaria os destinos dos entes políticos. E talvez não fosse tão eficiente assim uma vez que o nosso povo ainda não consegue, em sua maioria, pensar por si mesmo e no mais das vezes serve de joguetes nas mãos dos oportunistas de plantão. Quanto mais o povo é “não politizado”, o coletivo sofre. Quem não se lembra do plebiscito bem recente em que o povo escolheria o fim ou não, da venda de armas de fogo no País. Ele , manipulado ou não, optou pela venda de armas e isso resultou em trágicos cometimentos à sociedade. Pensam que com uma arma, qualquer um esteja defeso. Lendo engano. São escolares com armas, pais de família com armas,... e tudo mais e isso com a facilidade que o Estado permite. Depois das mortes nas escolas, estão querendo realizar novamente o plebiscito, para que o povo escolha outra vez, e diretamente, o fim ou não, das armas de fogo no País, já que os nossos políticos, comprometidos não o fazem. É um puro oportunismo, mas mesmo assim vamos ver se acabamos de vez com a venda de armas neste país que é o “coração do mundo e a pátria do evangelho” O cidadão armado aumenta ainda mais as nossas tristes estatísticas desse tipo de morte. O modelo participativo é ainda o melhor modelo, até que surja uma “cabeça” para fazer com que o poder que é do povo, seja exercido pelo povo de verdade, que realmente sente onde estão as suas necessidades. Mas já foi pior e ninguém consegue esbarrar a lei do progresso que comanda todos, impulsionando cada um ao equilíbrio, que virá no seu tempo. Tem gente que pensa que a vida é um acidente universal e que não há “por trás de tudo” uma diretriz superior a nos encaminhar para o equilíbrio, moral, material, social e o mais importante, o espiritual. Deus não está cochilando e esse “planetinha” Terra, tem uma missão a cumprir no intricado complexo universal e com ele, todos nós espíritos que precisaram reencarnar nesse orbe, um nos menores do universo. Tão pequeno que mal pode ser identificado na amplidão da “Casa do Meu Pai’, como disse Jesus. Nada acontece por acaso e cada um têm a vida que merece, com base em uma visão ampla e global. E pensar que a democracia nasceu na Grécia e provém do termo demos( povo) e kratos ( poder), ou seja o poder é do povo. Foi Platão e Aristóteles que cuidaram do estudo das formas de governo , entre ele a democracia. Mas nós sabemos que a política, entre outros conceitos, é a melhor maneira de administrar a coisa pública e tem relação com estratégias do agente político na gestão de recursos em favor da coletividade e para isso se impõe que o agente possua predicados maiores de força moral, como honestidade eficiência a transparência. Ditar normas de conduta administrativas, por quem está de fora da gerencia, é fácil, pois não temos elementos concretos de análise, e quando isso á partidarizado, a coisa fica menos legítima, pois, bem ou mal, nós precisamos que a administração acerte e devemos ajudá-la a isso, senão quem sofre é o povo. Mas indicar o que deve ser feito é importante, para o cidadão nortear toda e qualquer administração. Precisamos mostrar ao administrador que estamos de olho e demonstrar os seus equívocos para que ele mude de direção e procure acertar no seu modelo de condução. Quando o presidente, governador e o prefeito não estão trabalhando com auxiliares competentes, a administração desanda e corre mal. Quando não há uma oxigenação de idéias e a solução de continuidade dos projetos de cada um, a situação fica sofrível. Em Itaporanga, há inúmeras ações administrativas que não surtiram efeitos e sim prejuízos ao povo. É a prova de falta de planejamento. Fazem que não deveriam fazer e quando a coisa está feita, destroem para fazer de novo e de outra forma. Sem falar nos feitos que não serviram para nada. Tudo isso é dinheiro público jogado pelo ralo. Pura falta de visão global. Mas, de outra sorte, tem muita coisa que está dando certo e é preciso sempre ser melhorada. Todos têm um controle constitucional para ajustar a administração a ser eficiente e trazer para o seu seio pessoas compromissadas com o coletivo, que é o voto. Eu defendo que tudo é aprendizado. E a correção só é possível votando bem e esse voto deve ser exercido com consciência participativa e isso só se dá com a educação que é diferente da instrução. Mas que um dever, o voto é um direito alienável de escolher os melhores. Onde estão eles? Saberemos o ano que vem. E se não puder escolher o melhor, fique com o menos ruim, mas ao elegê-lo vista a camisa, ajude a administração a vencer os desafios e seja ele, do lado “A” ou do lado “B”, o ajudemos a acertar. O agente político é o povo no poder. O partidarismo deve morrer aí. Se ele de se der mal., conseqüentemente todos nos daremos mal. Não é inteligente desejar que qualquer prefeito fracasse. O discurso deve ser menos emocional. PENSE NISSO!MAS PENSE AGORA

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Favada sertaneja

Por: Ana Márcia 
Esta seqüência de receitas do sertão é resultado de uma viagem à fazenda Serrote Alto, na cidade de Água Branca,  alto sertão da Paraíba.

As idas à fazenda acontecem sempre no São João, nas festas culturais em torno dos poetas e repentistas ou simplesmente para atender um apelo familiar.

Em visita aos sítios dos pequenos agricultores, na companhia paterna, do poeta Luiz Nunes Alves (Severino Sertanejo), o sol era causticante e a vegetação já tão seca, confirmava a inevitável previsão. 

Algumas surpresas neste cenário árido. A beleza contrastante e exótica do pavão mistérioso.

 

Conhecemos uma sertaneja nata, D. Terezinha Severina de Lima, 80 anos, moradora do sítio Cabaceiros. De mãos calejadas e incansáveis ela surge feito aparição em tom profético.

 

Falamos da vida do campo, da saúde e de esperança...

Click, click, click, comecei a fotografá-la com faro de gourmetida, pois é que D. Terezinha, tinha acabado de colher a fava do roçado que secava na calçada para facilitar o debulhar.

 

Da família das leguminosas, a fava, como o feijão macaça e o feijão de corda, são os favoritos do sertanejo. Planta-se e em menos de 100 dias colhe-se e come-se.


Conversa vai e vem,  a gourmetida caiu na graça de D. Terezinha e ela me disse: “vou te dar um bocado de fava para você fazer um torrado”.

 

As favas quando novas são tenras, suaves e cozinham rapidamente. Mais jovem que esta, impossível. D. Terezinha jogava a fava de uma vasilha para outra para separar o grão da palha.

No caminho da Fazenda Serrote Alto, a gourmetida ia construindo a receita da fava.
Dalena, por favor, acenda o fogo!
 

  
Cozido de fava com carne de sol e lingüiça no fogão a lenha

Ingredientes:

1 kg de fava
500 g de carne de sol
200 g de carne seca (charque)
300 g de lingüiça cortadas em rodelas
4 colheres de sopa de óleo
1 ½ cebola
2 dentes de alho
1 tomate
½ pimentão
Sal, pimenta dedo de moça, folha de louro, alecrim, coentro, tudo ao gosto.

Como fazer:

Corte as carnes em cubos, lave bem, e cobra com água quente. Deixe por alguns minutos e repita trocando, mais uma vez, a água quente. Deste jeito, pode-se retirar o excesso de sal preservando a textura da carne. Corte a lingüiça em rodelas e reserve.
Numa panela coloque o óleo para esquentar e coloque a cebola e alho para dourar. Junte à carne escorrida, o louro, a pimenta dedo de moça e frite rapidamente, mexendo.
Acrescente a fava ao refogado, mexa mais um pouco.
Adicione água fervente na panela até cobrir completamente a carne. Deixe cozinhar, mexendo de vez em quando.
Enquanto isso coloque uma colher de óleo para esquentar e refogue cebola e alho até dourar, acrescente o tomate, o pimentão e refogue mais um pouco, então, finalize o refogado com a lingüiça e o alecrim, frite até dourar e reserve.
Quando a fava e as carnes estiverem cozidas, acerte o sal se necessário e junte a lingüiça refogada. Mexa delicadamente e deixe no fogo para apurar mais um pouco. No nosso caso, como o fogo era à lenha, este cozimento foi mais abreviado.
Para finalizar acrescentei um pouco de nata e um punhado de coentro picado. Para servir, o suficiente foi uma farrofinha seca.
 
Vi em dona Terezinha
Uma criatura afável
Gostei demais da favinha
De sabor muito agradável.
               Severino Sertanejo
Créditos: Ana Márcia

Outras de Receitas da Ana

NOVA ADMINISTRAÇAO NA MESMA ORDEM

Nova Administração Na Mesma Ordem.

(Reynollds Augusto)



Todo ser humano necessita de um norte espiritual para estabilizar as emoções, senão fica amarrado às ilusões que afasta o espírito do caminho da verdadeira felicidade. A casa espírita é uma dessas “bússolas” e, em minha opinião, sem desmerecer as nossas religiões co-irmãs, nos indica o caminho a Deus mais objetivamente. Não foi a toa que Jesus nos prometeu que mandaria outro consolador, para relembrar tudo que nos tinha dito e esclarecer-nos com novas verdades e o espiritismo cumpre esse papel. Jesus, realmente, nunca nos deixou órfãos.

Mas, depois da posse, na grande noite festiva do dia 18 de junho, em que fomos presenteados com a palestra esclarecedora do patoense “Zeca”, que arrancou admiração dos presentes, essa semana iniciou-se o novo ciclo da também nova diretoria que terá dois anos para dar continuidade aos trabalhos que foram desenvolvidos por Vicente Tobias que, diga-se de passagem, deixou um rastro de luz e conquistas.

O exórdio nessa noite de sábado foi realizado pelo vice-presidente do Centro, Paulo Porcino, que nos trouxe considerações importantes em torno da felicidade. A preleção girou em torno do tema no evangelho, que retrata a verdadeira felicidade, objetivo de todo ser humano em que o espírito Francois-Nicolas-Madelaine nos forneceu em 1863, Paris, considerações bem apropriadas em torno da felicidade. Quem não foi, perdeu a oportunidade de entender onde devemos buscar a felicidade aqui neste planeta Terra, que não está nas posses efêmeras da matéria e sim nas conquistas pessoais de cada um que o tempo não destrói.

Em seguida o presidente Alberlando Araújo traçou um roteiro lógico a respeito da causa porque estamos aqui, em um tempo curto que assusta, e por qual motivo Deus nos criou. O tema foi bem doutrinário e considerou o marco de nossas existências que se deu “na madrugada” do tempo. Deus nos criou simples e ignorantes e partimos do zero até atingir o nosso fim que é encontrar a felicidade plena, que algumas religiões apelidam se “salvação” e que só pode ser alcançada com a graça de Deus. É uma posição equivocada, pois o que algumas pessoas chamam de “graça” o espiritismo explica ser “conquista”, pois Deus não age diferentemente com os seus filhos tratando todos com igualdade. Até Jesus, o nosso modelo e guia que não era o próprio Deus (outro equívoco) chegou a aonde chegou por esforço próprio ao ponto de se tornar governador espiritual do planeta Terra. Afinal ele mesmo nos ensinou que “a cada um segundo suas obras”.

Foi uma noite de festa e festa espiritual. Se você quiser participar desse baile de espiritualidade racional, pode nos visitar. As nossas reuniões acontecem todos os sábados pelas 20h, na sede do Centro Espírita Jesus de Nazareth que fica localizado por trás da igreja católica.

“Conheça o Espiritismo e viva melhor”

O presidente encerrou a sua fala com a convocação dos trabalhadores da casa para se reunirem sexta-feira, a fim de distribuir as tarefas do Sertão Jovem Espírita, que acontecerá nos dias 16 e 17 de julho. Esse ano teremos a participação do publicitário pernambucano FREDERICO MENEZES, da cidade do Cabo/PE; JOSÉ OTÁVIO, Campina Grande/PB; CARLOS SÉRGIO, João Pessoa/PB e NETO BATISTA, João Pessoa/PB. A ser realizado no Colégio Diocesano Dom João da Mata, o nosso eterno diocesano.

Estando tudo justo e perfeito, sigamos em frente rumo à luz do entendimento e do amor. O Resto são quimeras.



PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.