quinta-feira, 3 de março de 2011

Dona de casa cobra R$ 2 para visitas ao pé de maracujá em formato fálico

Dona de casa cobra R$ 2 para visitas ao pé de maracujá em formato fálico
A dona de casa Maria Rodrigues de Aguiar Farias, 53 anos, está cobrando uma taxa de visitação ao maracujazeiro que ela plantou no quintal de sua casa, em São José de Ribamar (MA), há dois anos. O interesse pela pequena plantação dela foi motivado pela fruta, que cresce em formato de órgão sexual masculino.

"Desde que descobriram que tinha uma fruta assim no meu quintal, muita gente começou a querer ver com os próprios olhos. Era muita gente mesmo. O problema é que, para chegar ao quintal, as pessoas tinham de passar por dentro da minha casa. Em uma dessas visitas, levaram o meu celular", disse Maria ao G1.

Depois do prejuízo provocado pelo pequeno furto, a dona de casa resolveu limitar a visitação. "Passei a cobrar R$ 2 para visitantes; R$ 15 para fazer fotografias; e R$ 20 para fazer filmagem", afirmou ela.

Dona Maria disse que o maracujazeiro está em plena produção. "Tem maracujá demais. Tem mais de 40 frutos lá. Eles ficam amarelinhos quando amadurecem."

Até os primeiros maracujás em formato de pênis surgirem no quintal dela, a vida era pacata e calma, mas depois da inusitada plantação, a dona de casa passou a ser reconhecida nas ruas da cidade onde mora. "Era muita gente na minha casa. Chegava a ficar sem comer para conseguir olhar todas as pessoas que faziam visitas", disse ela.

Perguntada se provou o tal maracujá fálico, dona Maria respondeu, inicialmente, que tinha provado a fruta. "Comi a polpa, que parece melão ou abacate. Eu cortei de comprido e experimentamos. Não é amargo, nem azedo e nem muito doce, é suave".

Mas, depois, dona Maria voltou atrás, em meio a risos, dizendo que nem ela e nem sua família ainda tiveram coragem de experimentar o sabor do inusitado fruto. "Não comemos ainda, não. Mas já que plantei, plantei para comer, não é para deixar na árvore", disse a dona de casa.

Pesquisa científica Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estão acompanhando, há pouco mais de um mês, o desenvolvimento do maracujá que cresce em formato de órgão sexual masculino.

"A dona de casa nos disse que o maracujá surge no formato ovalado e depois se desenvolve com aquele formato. É a primeira vez que temos notícias de um fruto com essas características aqui no Maranhão", disse Marcelo Cavallari, pesquisador de recursos genéticos vegetais da Embrapa.

Os maracujás que estão no quintal da dona de casa têm a coloração verde. "O aspecto é saudável, não está doente. Tirando o formato, é sadio. O tempo de maturação costuma ser de um mês a um mês e meio, mas está demorando mais para amadurecer", disse Cavallari.

Filomena Antonia de Carvalho, coordenadora de Defesa Vegetal da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Maranhão, visitou a casa de Maria Rodrigues ainda em janeiro deste ano. "Não temos condições de avaliar o que aconteceu com o maracujá, por isso acionamos os pesquisadores da Embrapa. Fizemos, então, uma segunda visita ao local com eles."

"É bem grande, é bem grosso mesmo. Chega a ter entre 15 e 20 centímetros de comprimento. Não há motivo para que o maracujá não seja consumido por causa do formato, mas também não sabemos como é por dentro", disse Cavallari.

Ele explicou que a dona de casa precisa assinar um termo de anuência prévia de provedor, o que permitirá fazer genéticas do fruto.

G1 

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

CHOVE, CHUVA. CHOVE SEM PARAR

 


CHOVE CHUVA. CHOVE SEM PARAR

(Reynollds Augusto)



Confesso a todos vocês que a chuva me causa uma satisfação profunda e nos traz uma felicidade imensa. O fenômeno dever dar-se, talvez, pela condição de sertanejos que somos. É bom, daqui do meu lar, apreciar ao longe, a maior dádiva da natureza, que é a chuva, molhando o chão sempre “castigado” pelo verão longo. A maravilha da Serra do Cantinho empanada por “cristais de água”. O Cristo “tomando banho, com seus abraços abertos,” experimentando a grandeza da chuva que caí a mando do seu Pai.



Alias, Jesus foi quem intitulou Deus de “Pai”. Talvez por ser ele o disciplinador, exprimindo aos filhos pequenos o devido acerto. Mas Deus também pode ser mãe, exprimindo acalento e proteção, segurança.



E os Trovões!? Ah, os trovões. É o sinal de Deus indicando que “ele” nunca nos desampara e que a vida sempre seguirá seu curso no tempo e no espaço.



Quando garoto, aqui na melhor cidade do planeta, Itaporanga, eu e a garotada da Rua Pedro Américo (antigamente), meus amigos de infância, Laércio, Veizinho, Damião Guimarães, Valmir Júnior... Uma turma inesquecível. Saíamos em grupo para esperar a chuva chegar. O céu, ao longe, era divisado com uma tonalidade cinza, muito escuro ou um azul quase negro. Aquela calma inicial indicava que a tormenta seria um das maiores e a garotada ficava ansiosa à espera da chuva rara que chegava e que “embriagava” a alma. Boas recordações. Depois conto essas estórias.



Mas a chuva de ontem foi muito grande e chegou a assustar. Praticamente, noite e madrugada, caindo água quase sem intervalos. Segundo a minha vizinha, que trabalha na EMATER, chegou a 101 milímetros.



Quando estudava em Sousa, estava consciente que para conseguir concluir o curso teria que enfrentar um desafio enorme. Enfrentaria muitos obstáculos, pois estudava em uma cidade praticamente estabelecida em uma contramão danada, a uma distância de 125 km, por dentro, em estrada de barro, partindo de Itaporanga. Foi uma empreitada hercúlea, mas algo intuitivo, interior, me dizia que dava para conseguir. A prece foi o meu combustível e depois de tantas idas e vindas consegui concluir o curso. Em dias de chuva era um Deus nos acuda. Muitas quedas, lama, lama demais. Paradas em casas de famílias, que residiam na zona rural, para esperar a chuva diminuir. Durante essa “odisséia”, consegui fazer muitos amigos. Deliciei-me com muitos “bolinhos de chuva” das donas de casa.



Mas mesmo assim, era gratificante sentir a beleza da natureza encharcada pela água que caia do alto. Foram momentos difíceis, mas muito importante para o meu histórico pessoal. Muitas letras no livro da minha vida. Por vezes é preciso arriscar conscientemente, para atingir as metas, senão a coisa fica apenas no mundo subjetivo de cada pessoa e a realização não acontece. Jesus, o mestre dos mestres, um pedagogo por excelência, já dizia: “batei e abrir-se-vos-á buscai e achareis. Quando você tem a intenção de conquistas pessoais, que não ferem os princípios das leis de Deus, o universo conspira a seu favor. Isso se chama compensação ou retribuição. Deus não cochila e ajuda o filho que tem boas intenções. É a mecânica da existência que funciona pela lei de causa e efeito.



Seria tão bem mais fácil se em nossa região já estivesse estabelecido um campus universitário. Tudo seria menos sofrível. Mas noto que as forças estão se movimentando nesse sentido. No programa TITICO EXPLICA, e explica bem, ouvi um bate papo muito eficaz em torno do tema com o Vereador Herculano. Outro dia Zé Silvino também se mostrou engajado nesse propósito, em conversa no mesmo programa, que considero a verdadeira voz de Itaporanga a defender os nossos reais interesses. Precisamos nos unir com mais agentes públicos. Essa “briga é comum” .Seguir em frente sem olhar para trás é a meta.



VEM MAIS CHUVA AÍ! VIVA!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

O Mago rico

O governador da Paraíba Ricardo Coutinho dobrou seu patrimônio em apenas 2 anos. As informações constam nas declarações do Tribunal Superior Eleitoral e mostra que o socialista detém hoje um patrimônio que beira quase R$ 1 milhão. Em 2008, Ricardo havia declarado o montante de R$ 409.282,42.

Na disputa de 2010, Ricardo declarou ter R$ 866,698.44 em bens.  Quando comparado com as declarações de dois anos antes, o socialista que já foi conhecido como "!Mago", engordou e aumentou seu patrimônio 96,83% em apenas dois anos.

Bens

Será que políticos podem enriquecer de uma hora para outra, na base dos subsídios que ganham, mesmo que o iluminado receba muito além da média do povo brasileiro?

Ricao

Se ficou rico, que se explique.

Agora, vamos observar alguns detalhes que seria cômico se não fosse imoral.

Vamos analisar o senhor Ricardo Coutinho, governador do estado da Paraíba. Ele não é mágico, não é nenhum David Copperfield, mas tem o dom de fazer seus bens diminuírem assustadoramente.

Como eu vou explicar aos meus filhinhos que o apartamento de Ricardo Coutinho valia (segundo ele mesmo havia declarado em 2008 à justiça eleitoral) R$ 180 mil reais, e agora, depois de um sonoro e mágico “plim” o apê só vale R$ 80 mil reais? Nem casa em Mangabeira existe por esse valor.

Como devemos acreditar que a sua fazendinha em Bananeiras com 60 mil metros quadrados, que valia R$ 20 mil reais (segundo ele mesmo havia declarado em 2008 à justiça eleitoral) agora só vale R$ 7.347,60 (sete mil trezentos e quarenta e sete reais e sessenta centavos). Nem chão em favela se pode comprar com esse valor.
Blog do Clilson Júnior