quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Nordestino "Cabra da Peste"

 



Nordestino “Cabra da Peste”
( Reynollds Augusto)


O Nordeste é uma região abençoada e fortalecida por homens de coragem. Daqui nós “exportamos” para o resto do País, poetas, juristas, escritores, cantores, humoristas, atores, articulistas e o mais importante: a mão de obra penosa que soergue o resto do País e constroem as selvas de pedra, como também para colher os frutos da terra, alimentando o mundo. O Brasil será o celeiro do planeta e o nordestino dá o seu contributo para que essa profecia se estabeleça.

Sem o nordestino o Brasil seria apenas projeto. Projeto sem vida, sem emoção, sem força. “Foi por isso que Euclides da Cunha em “Os Sertões,” bradou: o sertanejo é antes de tudo um forte”. E é forte mesmo! Persistente , destemido. Nos “emprestamos” a São Paulo um nordestino porreta que mudou a face deste país de desigualdades ( apesar de ser um trabalho infindo, sempre) e distribuiu um pouco a renda a seus filhos que viviam na penúria, que foi o nosso presidente Lula e tudo isso sob o protesto dos detentores dos poderes políticos de então, que em verdade não nos representavam e sim aos seus próprios interesses egoístas de uma classe alienada com as questões da posse.

Nossa cultura se projeta diante de outras culturas regionais, devido a fortaleza das propostas. Ser nordestino é ser diferente. Talvez pelo trabalho ardoroso que impulsiona a todos nós a irmos para frente e não olhamos para trás. Mas como disse a nossa grande escritora Clarice Lispector, “o sertanejo é antes de tudo um paciente”. Fortaleza e paciência são os instrumentos que movem as pedras e com a paciência de quem sabe o que quer elegemos um projeto político que está dando certo e sentimos pelo desespero de quem não sabe o que é a força da democracia e não consegue aceitar a visão da maioria e assim esperneia e comete até crime.

Essa semana os noticiários nacionais publicaram um pensamento discriminatório e injusto escrito por uma estudante de Direito. Pasmem! Uma estudante de direito que na academia aprendeu que o objetivo maior do Estado brasileiro é promover a justiça social e diminuir as desigualdades, sem discriminação de qualquer natureza. O ato atentatório ao povo nordestino nos indica o quanto há estudantes de direito sem a compreensão maior da idéia de justiça, que deve ser perseguida pelas leis e pelo próprio direito de forma geral. Já imaginou uma pessoa dessas, adquirindo o cargo de Juiz ou Promotor de Justiça, nos bastidores dos concursos, manipulados pela elite inconsciente e preconceituosa? Com certeza não conseguiria honrar a toga ou a defesa da sociedade e seria um óbice para o primado da justiça, promovendo toda sorte de abusos.

Mas, ao contrário dos agourentos de plantão, os brasileiros estão mudando e a nossa democracia está sendo fortalecida com o vento da consciência cidadã e como o processo é longo e até centenário, já dá para perceber que as velhas práticas para obter o poder estão sendo esquecidas porque não conseguem mais dar o resultado esperado.

- “Sou besta não! O político que quiser comprar meu voto até recebo, mas voto em quem presta”.

Disse um eleitor da zona rural.

Não é o ideal, mas já identifica que o brasileiro está pensando diferente.

Orgulho e egoísmo são as duas grandes chagas da humanidade, dizem os espíritos. Pode prestar atenção que os nossos defeitos ou provém do orgulho ou do egoísmo. Uma sociedade egoísta e orgulhosa promove a injustiça social e o desequilíbrio nas relações, causando dor e revolta no seu povo.

Quero acreditar que o ímpeto da estudante tenha sido a reação de quem não aprendeu a perder para se humildar. A maior ignorância não é do analfabeto humilde e sim do letrado inconsciente, pois reflete a maldade interior que “ouve, mas não escuta; olha, mas não vê.” São desses que a nação não precisa, pois transforma os homens em coisa e não considera o seu irmão menor, fruto do egoísmo que não distribui a riqueza de uma nação. Ainda bem que a Constituição Federal de 1988 consagrou a democracia como forma da aquisição do poder, que é dado não só por uma pessoa, um grupo, um estado, uma região. O povo é quem diz na sua totalidade.

Viva o Brasil!

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Hoje Fui ao Cemitério


Hoje Fui ao Cemitério
(Reynollds Augusto)


Eu gosto de visitar o cemitério em “dia de finados”, pois encontramos por lá muita gente boa que participou de nossas vidas em tempos da adolescência e em tempos de escola. Quem eu tive a grata satisfação de encontrar visitando os chamados “mortos” foi o meu eterno professor de Português, Adailton Lacerda e sua amada esposa, Maria José. Em tempos de colegial, com ele, ou se estudava para passar em português ou se chorava por não ter estudado. Nada de filar. Eu até tentava, mas quando via a turma se dando mal, recuava.

Eu acho a nossa língua a mais bonita e rica do planeta. É sonora, poética e culta. Confesso a vocês que tenho dificuldades em editar com segurança o que escrevo, devido a riqueza de detalhes morfossintáticos. Sem mencionar os escorregões na concordância. O professor me disse que tinha lido o meu artigo “O meu amigo Boi” e que gostou muito, acrescentando que eu estou escrevendo bem e fiquei feliz. Vindo de quem veio foi o melhor prêmio e um grande estímulo para continuar. Falei para ele do meu temor em escrever e ele me disse que tão importante quanto as regras, são as idéias e se aquele que escreve, quer escrever bem, deverá se aperfeiçoar, escrevendo.

No momento do bate papo, quem se aproximou foi Heleno Paulo, pai de Robson Paulo, casado com “Mima” que e é filha de Adailton. Daí para diante a conversa girou em torno dos netos. Mima, minha querida amiga e colega, estava com uma dificuldade danada para engravidar e depois de um logo tratamento e uma gravidez de risco, deu a luz a uma garota linda. Fui visitá-la e ela estava boba. As mães ficam bobas quando aconchegam os seus filhos e os pais ficam “abestaiados”. Robson não foi diferente. Depois soube que Mima que tinha dificuldade para engravidar, pouco tempo depois estava grávida de novo. Agora de Gêmeos e com uma garotinha de colo. Eita! Mas os avôs estão felizes, pois estão todos muito bem. Foi um prêmio de Deus. Ele só confia os seus filhos especiais, em situações especiais, a pessoas especiais e sei que Mima dará conta do recado. Desculpem o trocadilho.

Mas vocês não acham que o cemitério é uma espécie de museu a céu aberto? Eu acho. São estórias e mais estórias. E a história de Itaporanga está "viva" ali no lugar onde os corpos estão depositados. É claro que só os corpos, pois o espírito não tem muito que fazer ali. Eles até vão quando são evocados com verdadeiro sentimento, e podem; mas definitivamente não têm o que fazer ali. São famílias e mais famílias que constituiria um todo historiográfico.
Sentimentos, lutas, ganhos, perdas, experiências vividas e que fazem parte da vida de cada um...

Andando por entre as “galerias” desse museu, pude constatar o quanto o cientista Albert Einstein tinha razão ao pronunciar que “presente, passado e futuro é uma grande mentira”. Entendeu? Eu entendi. E tem muita gente que ainda gasta o seu resto de energia para ir em busca de ilusões e bobagens. Não sabem o que é viver e estão apenas respirando, autômatos, são máquinas, mas não vivem. Coitados de nós!

As pessoas não sabem ainda o que é a vida e poucos entendem o que é a morte. São poucas filosofias que retratam com objetividade e verdade a questões da vida e da “morte”. O espiritismo é um delas. Quando o ser humano desperta para essas questões, a sua vida ganha mais qualidade de o temor some. Tudo isso me fez relembrar aquele artigo de Richard Simonetti quando ele escrevia sobre um episódio que participou:

“O Doutor Flávio Pinheiro, dedicado médico espírita de Ibitinga, procurou-me.

-Richard, vim convidá-lo para um “ofício fúnebre”.

-?!

- Quero que “encomende a minha alma” pronunciando oração antes do sepultamento. E peça ao pessoal para não me perturbar com lamentações e tristezas.

- Que é isso, Doutor! O senhor não morrerá tão cedo! Tem muitas dívidas a resgatar!...

- Sim, meu caro amigo, sou um grande pecador. Só que vou desencarnar assim mesmo. Devo submeter-me a delicada e inadiável cirurgia cardíaca, em São Paulo e tenho certeza de que estou de partida para espiritualidade.

Embora censurando seu pessimismo, concordei em atender à insistente solicitação.

Alguns dia depois fui convidado ao cumprimento da promessa. O Doutro Flávio Pinheiro falecera na cirurgia

A verdade é que o medico pressentira que teria de partir e tudo isso com a serenidade de quem sabe que a vida corporal é um instante na vida do espírito imortal que somos todos nós.

Não há morte em lugar nenhum da vida.

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A Primeira

Dilma Rousseff é a primeira mulher eleita presidente do Brasil

Dilma Vana Rousseff (PT), 62 anos, foi eleita neste domingo (31) a primeira mulher presidente do Brasil. Com 92,53% dos votos apurados, às 20h04, o Tribunal Superior Eleitoral informou que a petista tinha 55,43% dos votos válidos (excluídos brancos e nulos) e não pode mais ser alcançada por José Serra (PSDB), que, até o mesmo horário, totalizava 44,57% - confira os números da votação. Em um pronunciamento às 20h13, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, anunciou oficialmente a vitória da candidata do PT.
Na campanha eleitoral, Dilma contou com o engajamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cujo governo registrou recordes de aprovação – na pesquisa Datafolha do último dia 27, a avaliação positiva do governo alcançava 83%.
Lula participou de vários comícios e declarou repetidamente o apoio à candidata, o que inclusive rendeu a ele multas por propaganda eleitoral antecipada.

Antes da deflagração da campanha, o presidente também se empenhou em montar uma grande aliança política, que, além da adesão de aliados históricos do PT, como PSB e PC do B, incluiu o PMDB, um dos maiores partidos do país.

O PMDB indicou o vice de Dilma, o deputado federal Michel Temer, presidente da Câmara. Nos últimos dias da campanha do primeiro turno, Lula chegou a dizer que esteve em mais eventos do que quando ele próprio foi candidato e disputou a reeleição, em 2006.

No segundo turno, a aliança contava com 11 partidos: PT, PMDB, PC do B, PR, PDT, PRB, PSC, PSB, PTC,PTN e PP, o último a anunciar apoio.

Biografia
A presidente eleita nasceu em 14 de dezembro de 1947 em Belo Horizonte (MG). Durante o regime militar, integrou organizações de esquerda clandestinas, foi presa e torturada.

No Rio Grande do Sul, ajudou a fundar o Partido Democrático Trabalhista (PDT). Filiou-se ao PT em 2001. Formada em economia, Dilma foi secretária de estado no Rio Grande do Sul.
Como ministra da Casa Civil, Dilma assumiu a gerência do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), um dos carros-chefe do governo. Foi apelidada por Lula de 'mãe do PAC’.
Na Casa Civil, ela sucedeu, em 2005, José Dirceu, homem forte do governo, que deixou o cargo atingido pelo escândalo do mensalão, em que parlamentares teriam recebido dinheiro para votar a favor de projetos do governo – ele sempre negou participação no suposto esquema.
No governo, Dilma também ocupou o cargo de ministra das Minas e Energia. Quando Lula se elegeu presidente para o primeiro mandato, sucedendo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), ela participou da equipe que formulou o plano de governo do PT na área energética e do governo de transição.
Antes de tornar-se candidata, Dilma revelou que estava se submetendo a um tratamento contra um linfoma, câncer no sistema linfático, que havia descoberto em abril de 2009 a partir de um nódulo na axila esquerda, em um exame de rotina, em fase inicial.
Dilma concluiu o tratamento de radioterapia e disse estar curada. Ela chegou a raspar o cabelo devido às sessões de quimioterapia, o que a fez usar peruca durante sete meses. Boletim médico de agosto deste ano indicou que o estado de saúde da presidente eleita é considerado “excelente”.
Evolução nas pesquisas
Em fevereiro deste ano, o instituto de pesquisa Ibope apontou Dilma com 25% das intenções de voto contra 36% de seu principal adversário, José Serra.

Após o início oficial da campanha eleitoral, quando ela passou a ter a imagem colada à do presidente Lula, a candidatura decolou. No fim de agosto, ela atingiu 51% das intenções de voto contra 27% do tucano, o que indicava uma vitória no primeiro turno para a petista.
Em setembro, duas denúncias atingiram a campanha da petista. No começo do mês, foi divulgado um esquema de vazamento de dados sigilosos na Receita Federal de pessoas ligadas ao PSDB. Veronica Serra, filha do principal adversário de Dilma, teve o imposto de renda acessado. A oposição culpou a campanha de Dilma pelo fato, mas ela negou relação e defendeu investigações sobre o assunto.

Duas semanas depois, às vésperas da votação em primeiro turno, surgiu uma nova denúncia: foram divulgadas suspeitas de tráfico de influência na Casa Civil, antes comandada por Dilma Rousseff.

Sua sucessora, Erenice Guerra, indicada por Dilma, foi o alvo principal das acusações. Um empresário disse que o filho de Erenice cobrou propina para intermediar um contrato e indicou que o dinheiro iria para campanha da petista. Ela negou que houvesse vínculo entre as supostas irregularidades e sua campanha.

Após os escândalos, Dilma chegou a oscilar negativamente nas pesquisas de intenção de voto. Os episódios foram usados pela campanha do adversário José Serra. Se, no começo do horário eleitoral, Serra usou imagem de Lula na televisão e chegou a utilizar o nome do presidente em um jingle, o tucano passou a relembrar fatos críticos para o PT, como o escândalo do mensalão.

Figura importante do PSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quase não apareceu na campanha de Serra. Na reta final, o PSDB colocou na internet vídeos com ataques a Dilma.

Durante toda a campanha, a estratégia de Dilma foi afirmar que, caso eleita, daria continuidade ao governo do presidente Lula. Ela propôs ampliar programas que se tornaram populares no atual governo, como o Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e Prouni.

Como propostas de governo, Dilma registrou no TSE, de início, um documento polêmico, aprovado em convenção do Partido dos Trabalhadores, que previa tributação de grandes fortunas, fim da criminalização de movimentos sociais, defesa da jornada de trabalho de 40 horas e combate ao monopólio dos meios de comunicação.
No mesmo dia, o programa foi trocado por um mais ameno, exatamente o mesmo, mas sem os trechos que provocaram questionamentos.

Aborto

A polêmica sobre o aborto foi convertida em tema central da campanha durante o segundo turno, ocupando espaço em debates e na propaganda dos candidatos. A campanha petista acusou os adversários de promoverem uma campanha de difamação contra Dilma.

A petista reafirmou ser pessoalmente contra o aborto, mas defendeu que o tema seja encarado como questão de saúde pública. Bispos se manifestaram contra candidatos favoráveis ao aborto e panfletos contra o PT pagos pela Diocese de Guarulhos chegaram a ser apreendidos pela Justiça Eleitoral. Na semana da eleição, Bento XVI reafirmou o direito dos líderes católicos emitirem juízos morais em questões políticas.
Em busca dos quase 20 milhões de votos obtidos por Marina Silva no primeiro turno, a petista apresentou 13 compromissos de sua política ambiental. Oficialmente, o PV declarou neutralidade, embora representantes do partido tenham participado de ato em apoio a Dilma. Em outro evento no segundo turno, a presidente eleita também recebeu apoio de um grupo de artistas e intelectuais, entre eles Chico Buarque e o teólogo Leonardo Boff.
A seis dias do segundo turno, a candidata apresentou um documento com 13 “compromissos programáticos”, que chamou de diretrizes de governo. Os 13 itens são: fortalecer a democracia política e econômica; expansão do emprego e renda; projeto que assegure sustentável transformação produtiva; defender o meio ambiente; erradicar a pobreza absoluta; atenção especial aos trabalhadores; garantir educação para a igualdade social; transformar o Brasil em potência tecnologia; garantir a qualidade do Sistema Único de Saúde (SUS); prover habitação e vida digna aos brasileiros; valorizar a cultura nacional; combater o crime organizado; e defender a soberania nacional.
G1

domingo, 31 de outubro de 2010

E Jesus, Vota em Quem?


Eram três da manhã. Depois de ter visto o programa eleitoral Mário acordou assustado e ofegante. Conceição, sua esposa, vendo a movimentação do marido perguntou:

- O que foi Mário, que inquietação é essa?

- Ceiça, depois que eu vi o programa eleitoral ontem eu fiquei me perguntando qual seria o candidato de Deus, afinal todos dizem que são cristãos, que Deus os abençoa, então fiquei em dúvida.

- E daí, por que tu acordou essa hora?

- É que eu sonhei com Jesus e conversei com ele sobre isso. Vê como foi interessante. Quando eu o encontrei Ele olhou serenamente para mim e perguntou:

- Mário o que te aflige?

- Jesus, como o Senhor deve saber estamos em campanha política e os candidatos ficam todos dizendo que são cristãos, que Deus está do lado deles... mas afinal de contas, quem está certo?

- Mário, muitos dirão Senhor , Senhor e Eu não os reconhecerei.

- Mas tem um monte de representantes das Tuas igrejas apoiando os candidatos de ambos os lados, afinal quem está certo? Quem luta pelos teus interesses?

- Meu filho, meu reino não é deste mundo.

- Mas, como saber qual está certo?

- Conhece-se a árvore pelos frutos que dá. Uma árvore má não pode dar bons frutos.

- Foram eleitos tantos candidatos de caráter duvidoso... Por que isto acontece?

- O sol nasce para justos e injustos.

- Pois é! Às vezes eu tenho a sensação que ele nasce mais para os injustos. Esses políticos, por exemplo, têm tantos privilégios, tantas regalias depois de eleitos, que só voltam a buscar o povo 4 anos depois, já o Senhor que tanto amor nos deu, sofreu tanto, por que?

- Eu não vim para ser servido, eu vim para servir.

- Jesus, por que eles mudam tanto com o poder? O que será deles depois?

- Aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que se humilhar será exaltado.

- Sabe Jesus, outra coisa que acho estranho nos candidatos é que eles falam muito mal uns dos outros.

- Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem.

- Jesus, nesse clima de campanha se alguém fizer isso vão dizer que tem duas caras. Vão pedir pra saír de cima do muro e decidir de que lado tá.

- Filho, bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a Terra. Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus!

- Mas, Jesus, o Senhor acredita que muitos desses partidários às vezes chegam à agressão física?

- Todos os que pegam a espada pela espada perecerão.

- Falando assim Jesus, eu tenho a sensação de que o senhor não se envolve mesmo em política, estou certo?

- Meu filho, dá a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.

- Então se são homens e mulheres, a maioria tão comprometidos, em quem devo depositar minhas esperanças?

- Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e meu fardo é leve.

- E agora Mário, você vai votar em quem?

- Ceiça! Eu não sei mais. E você? Sim você que está lendo este artigo, vai votar em quem?



Por Rossandro Klinjey