sábado, 26 de junho de 2010

PENSADORES


Pensadores

(Reynollds Augusto)

Em determinado momento da existência, na madrugada da vida, Deus nos criou e de forma “simples e ignorante”, no dizer dos espíritos. Simples, sem muita complexidade e ignorantes para que possamos alçar vôos por esforço próprio, na busca do aperfeiçoamento, que não tem termo. Esse negócio de dizer que Deus criou anjos, que são espécies de seres aparte da criação, é balela. Se assim fosse eu iria protestar, pois deveria ter me criado nessa condição de anjo também, feliz e longe das dores da vida.


Mas a grande verdade é que todos nós um dia seremos anjos, como diz a música espírita, ou seja, paulatinamente vamos nos aproximando dessa condição à medida que vamos adquirindo maturidade espiritual, que não acontece de repente e dessa forma vivendo com mais sobriedade, sentindo com mais qualidade a “magia” da vida. Nesse processo de aprendizado temos dois grandes mestres a nos ensinar a seguir o caminho acertado: O AMOR E A DOR.


Tem muita gente que não gosta muito da segunda, pois não entende a sua didática de impacto para que possamos despertar e cair na real. Como estamos inseridos e permeados por leis naturais que regem a todos é importante que compreendamos que a dor não vem de graça para nenhum ser. Se ela não for resultado de nossos atos nesta vida presente, não há dúvidas que remonta tempos outros, na aplicação daquele princípio ditado por Jesus, o mestre dos mestres: “Não sairás daí enquanto não pagares o último ceitil”.


Viver é experimentar e só experimenta bem, quem sabe o que é viver. Existe muita gente boa que não sabe viver, porque não compreende o objetivo da vida. As perguntas cruciantes devem ser respondidas com racionalidade: quem eu sou? De onde venho?E o que é que estou fazendo aqui? Mas tudo tem seu tempo, como disse o apóstolo Paulo.


Há pensadores e mais pensadores e alguns refletem com maestria a luz em suas verdades, outros não sabem o que dizem e em muito fazem uma leitura frustrante da vida, como Schopenhauer, por exemplo. Apesar de ser uma criatura inteligente demais, fazia uma leitura equivocada da vida. Coitado, talvez não tivesse conhecido o pensamento espírita que levanta o animo.

Dizia ele :
- “a vida é um eterno sofrimento que o destino nos reserva e não há forma de evitá-los. É feita de trabalho, preocupação, cansaço, problemas, doenças, perseguição e finalmente a morte, concluía”.


O filósofo deveria estar passando por problemas graves e não tinha sustentação moral para solucionar os obstáculos.


Freud, também vez por outra, saía com as suas:
- “Se batermos nos túmulos e perguntarmos aos mortos se querem voltar à vida, todos se apressarão em dizer não”.


São visões pessoais de pensadores que não detinham em suas vidas conceitos espirituais, talvez pelas inserções de idéias de religiões irracionais que mais afasta o homem de Deus do que o aproxima. Faço minhas as palavras de Voltaire:”Eu creio no Deus que fez os homens e não Deus feito pelos homens”. Isso explica tudo. Infelizmente muitas religiões que aí estão distancia o homem de Deus e não ensina os seus adeptos a viverem eficazmente e por conseqüência vivem mal, pessimistas, desesperançosos...


O outro mestre, o AMOR, possui uma didática diferente. Grandes pensadores disseminaram as suas teses: Jesus, Chico Xavier, Francisco de Assis, Madre Tereza de Calcutá, irmã Dulce, Gandhi... Tem muita gente boa nessa escola que prepara o homem para viver bem.
Todas essas considerações me fizeram lembrar de outro grande defensor da visão racional da vida que é o professor Hermógenes. Já tive oportunidade de vê-l o em alguns encontros espíritas. Dizia:
- Você sofre parabéns. Deus tem um plano para você


Os seus livros nos ensinam a plena felicidade e jamais fez apologia ao sofrimento ou ao pessimismo, mas ensina que a lição do sofrimento desperta o homem para as verdades da vida e o faz mudar de direção e se equilibrar


Escolha o seu mestre para bem viver e seguir em frente. Todos os dois com suas didáticas próprias esclarecem e elucidam, mas quem escolhe é você e lembra-se que “a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória” (Jesus).

PENSE NISSO! MASPENSE AGORA.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Forró no Caps

Quinta-feira, Junho 24, 2010

ÊTA "ARRAIÁ" BOM DEMAIS

O Governo Federal sob a batuta do LULA fez um gol de "placa" quando criou o Caps ( Centro de atenção psicossocial ). A instituição tem o objetivo de atender pessoas com diversos transtornos mentais que dependem do zelo e carinho humano por parte que estão diretamente envolvidos no projeto. Nada de isolá-los em hospitais que os deixam mais doentes e sim tratá-los em grupo com convivência social e tratamento especializado.O Caps de Itaporanga faz isso com maestria e a sua direção e funcionários tratam com carinho e atenção os assistidos. Nesse dia 23 a instituição realizou uma festa junina em que houve quadrilha e comidas típicas, com a participação animada de todos os assistidos que se mostravam contentes com o evento.

O caminho é esse...

PENSE NISSO ! MAS PENSE AGORA.








terça-feira, 22 de junho de 2010

Nó Cego


NÓ CEGO


(Reynollds Augusto)



Todos nós estamos envolto de uma jurisdição precisa e terminantemente justa, pois administrada pela lei natural que é criação de Deus. A sua aplicação é perfeita e isenta de influências sejam elas quais forem. Na aplicação das leis de Deus não há a interferência do jeitinho brasileiro e é sempre dado “a cada um segundo as suas obras”, cuja penalidade é o resultado do que somos e do que pensamos. A pena pode ser abrandada e dosada, como na jurisdição estatal, que no tempo certo estará também terminantemente influenciada pela natural. O subjetivismo desse abrandamento depende do objetivismo do nosso comportamento, pois “o amor cobre uma imensidão de pecados. Mas nada de subterfúgio ou enganação. A Deus não se pode enganar, pois ele sabe tudo e até com antecedência do que pensamos e qual atitude tomaremos. Isso é onisciência.


Um dos maiores crimes perpetrado pelo espírito humano é quando ele resolve dar cabo a sua própria vida, pois isso representa a fuga dos compromissos e é uma espécie de “jeitinho brasileiro’ para não resgatar os erros cometidos e não cumprir com a “pena” imposta pelas leis naturais. Na relação social só conseguiremos, em tese, voltar ao convívio da relação, com harmonia, depois que cumprimos a pena que é o resultado do que fazemos contra as regras estabelecidas, para que essa convivência se firme com honradez.


Também, só conseguiremos encontrar a felicidade e a tão propalada “salvação” quando cumprimos a nossa obrigação frente às leis divinas, pois “não sairás daí enquanto não pagares o último ceitil” e “ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo”. É ingênuo achar que o que fazemos e o que pensamos não é alcançado por essa jurisdição divina, como é também inequívoca a certeza de que tudo está certo e que no momento oportuno nós alcançaremos a luz que procuramos ,pois esse é o fim de todas as ovelhas do Pai e para isso os recalcitrantes terão que sofrer um bocado pois é preciso que o indivíduo evolua e ele fará isso ou pelo amor ( querer) ou pela dor ( imposição) . É preciso vestir a “veste nupcial”, se não... não conseguiremos entrar no festim.


Outro dia em Boa Ventura conversamos com um espírito desencarnado que estava numa aflição tremenda, pois continuava em débito com as leis de Deus e com possibilidade de se endividar cada vez, mais devido a sua fraqueza moral. Emocionamos-nos muito com a sua estória e ate choramos com a sua dor e procuramos ajudá-lo. O doutrinador da noite estava inspirado na argumentação e no estímulo à sua volta ao “campo de batalha” que é a Terra, pois estava se preparando para retornar ao Planeta para reencarnar e com bastante medo de falhar novamente, pois já havia se “matado” mais de duas vezes, tentando fugir das provas que ele mesmo plantou. Depois de muita conversa muita ponderação, sentimos até um alívio final e ele se despediu agradecendo e chorando.


Tudo isso me fez lembrar Alexandre o Grande que viveu em mais ou menos 356-323 a.C, quando numa de suas viagens de conquista postou-se à frente de uma carroça e notou que a corda que prendia a canga tinha um nó cego. E o leitor sabe como é difícil desatar nó cego. É uma tremenda dureza.


Pois bem ás vezes nós damos muitos nós cegos em nossas vidas e é preciso desatá-los sem cortar a corda que parece ser mais fácil e rápido. Na vida isso "não dá certo não". O nó cego era conhecido com o nó górdio, pois a dita carroça era de propriedade de um camponês com esse nome. Segundo a tradição quem o desatasse dominaria o continente asiático. Alexandre ficou contente com a idéia mas frustou-se diante das tentativas e tomou a drástica providência de cortar o nó em um só golpe com sua espada, usando o conhecido “jeitinho brasileiro” e achava que tinha vencido o desafio, mas os deuses não gostaram disso não e apesar de ter tomado momentaneamente o império, o seu reinado foi efêmero desmoronando e aos trinta e três anos, foi acometido por uma tremenda febre e morreu. A lei de causa e efeito o envolveu, pois não adquiriria o que queria legitimamente.


Não seja tolo e infantil ao ponto de pensar que o que você faz não redunda em conseqüências boas ou ruins para a sua vida. Nunca corte a corda e aprenda a desatar os nós com paciência .



PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

SÃO JOÃO TAPE OS OUVIDOS

São João tape os ouvidos!
Rossandro Klinjey

Marcos saiu do trabalho e foi pegar os filhos, Pedro de oito anos e Marcela de cinco anos na escola. Era uma sexta-feira e ele estava louco para chegar em casa e curtir o fim de semana. No caminho, ele pegou a esposa e a sogra que estavam no médico fazendo exames. Quando parou no sinal, um daqueles carrinhos de CDs piratas tocava: “ela sai de saia de bicicletinha uma mão vai no guidon a outra tapa na calcinha”.
Marcos sentiu que sua face se ruborizou, afinal estavam no carro a sogra, a esposa e os filhos e ele era obrigado a ouvir aquela música. Ele olhava para o sinal em desespero esperando abrir para sair correndo dali. No carro um silêncio mortal, onde todos olhavam para frente, ele a esposa e a sogra, constrangidos, evitando olhar um para outro.
- Ufa! Finalmente o sinal abriu. Pensou Marcos, que acelerou como se estivesse numa largada de fórmula um. Para aliviar o clima ele perguntou aos filhos como tinha sido na escola.
- Ah! painho, foi legal. Disse Pedro. Hoje a gente ensaiou para nossa festa de São João na quadra do colégio. - Hum que bom. Vai ter quadrilha? Perguntou Cleide, mãe das crianças. - Vai, e também o Primeiro Forró Pega Geral.
- Primeiro o quê? Perguntou supressa Dona Matilde, sogra de Marcos. - É vovó, Forró Pega Geral, a gente tava até ensaiando hoje a coreografia da música “chupa que é de uva”.
Marcos não acreditou no que estava ouvindo. Na escola estão tocando esse tipo de música? Uma sensação de revolta tomou conta dele, afinal ele pagava uma mensalidade cara e esperava que a escola educasse seus filhos e não o contrário. Cleide, sua esposa, olhou para Marcos espantada e ao mesmo tampo como se pedisse socorro, uma solução para aquilo. Tudo parecia um diálogo surreal.
- Meu filho, tem certeza que foi essa a música que vocês ensaiaram, não foi “olha pro céu me amor”?
- Painho, isso é música de velho, maior mico.
- Mico? Mico quem tá pagando sou eu que pago uma escola para deseducar meus filhos! Pensava consigo mesmo. Marcos tentou mais uma vez mudar de assunto, para ver se saía daquela situação quando parou em outro sinal e um carro ao lado, cheio de adolescentes, tocava alto a música: “Toma gostosa lapada na rachada. Você pede que eu te dou, lapada na rachada. E aí tá gostoso lapada na rachada. Toma toma, toma...”.
Foi quando sua filha Marcela de cinco anos perguntou:
- Painho, o que é lapada na rachada?
Marcos ficou calado, ele não sabia o que dizer. E você, o que diria?

Cesb de Boa Ventura Realiza Atividades de Educação para a Criança e Adolescentes

Evangelização 20.06.2010

O Cesb de Boa Ventura realiza todos os finais de semana atividades que possibilita o ser humano entender qual o seu principal papel na vida e o principal deles, que é um projeto de cada um, além dos projetos pessoais, é SERVIR.

Jesus serviu, Chico Xavier serviu, Irmã Dulce Serviu....

Seja também voluntario e também sirva em alguma instituição para que a Vida possa estar do seu lado.

Abaixo algumas das atividades que aconteceram nesse domingo, 20 de junho:


Manoel Ferreira Organizando a fila e fazendo a chamada para que os alunos se dirijam às suas salas



O Maternal que tem como evangelizadora TIA LÍVIA e auxiliares CAMILA E THAYS



A auxiliar THAYS com uma das crianças do maternal no momento da aula de TIA LÍVIA



Maternal Estudando




Evangelizandos conversando antes da aula do dia



A presidenta do Cesb Angela Gouveia distribuindo as atividades do dia




A turma de adolescentes que é coordenada pelo evangelizador Reynollds